sexta-feira, 27 de abril de 2018

A ESTÁTUA PROFÉTICA

A ESTÁTUA PROFÉTICA: O SONHO DE NABUCODONOSOR
É tremendo estudar as profecias bíblicas e ver seu cumprimento!!


Por volta do ano 600aC o rei da Babilônia (Nabucodonosor) teve um sonho e foi interpretado pelo profeta Daniel.

Tudo isso está registrado no livro de Daniel no capítulo 2.

Nesse sonho vemos uma profecia muito clara sobre os Impérios que dominariam o mundo: Babilônico, Medo-Persa, Grego, Romano e por fim os pés de ferro e barro cujos dedos representam o esfacelamento do Império Romano em vários reinos/nações.

O Império Romano é representado por 2 pernas porque no ano 285dC o Império Romano seria dividido em dois: do Ocidente e do Oriente.

As pernas tornam-se diversas nações após a derrocada do Império.
Em 476dC cai o Império Romano do Ocidente.
Em 1453dC cai o Império Romano do Oriente.

Interessante que Daniel profetizou que uma pedra (o Reino de Deus) iria atingir o Império Romano, e de fato, foi durante esse Império que Jesus começou a pregar que era chegado o Reino de Deus. No ano 27dC na Palestina começa o ministério de Jesus e desde então o cristianismo se espalhou por todo o Império Romano. E sabemos que esse Reino irá ocupar toda a Terra quando Jesus voltar.

Dan 2:34 Enquanto estavas observando, uma pedra soltou-se, sem auxílio de mãos, atingiu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmigalhou.
Dan 2:44 "Na época desses reis, o Deus dos céus estabelecerá um reino que jamais será destruído e que nunca será dominado por nenhum outro povo. Destruirá todos esses reinos e os exterminará, mas esse reino durará para sempre.


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
O SONHO DE NABUCODONOSOR
Dan 2:31 "Tu olhaste, ó rei, e diante de ti estava uma grande estátua: uma estátua enorme, impressionante, e sua aparência era terrível.
Dan 2:32 A cabeça da estátua era feita de ouro puro, o peito e o braço eram de prata, o ventre e os quadris eram de bronze,
Dan 2:33 as pernas eram de ferro, e os pés eram em parte de ferro e em parte de barro.
Dan 2:34 Enquanto estavas observando, uma pedra soltou-se, sem auxílio de mãos, atingiu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmigalhou.
Dan 2:35 Então o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro foram despedaçados, viraram pó, como o pó da debulha do trigo na eira durante o verão. O vento os levou sem deixar vestígio. Mas a pedra que atingiu a estátua tornou-se uma montanha e encheu a terra toda.

A INTERPRETAÇÃO DADA POR DANIEL
Dan 2:38 nas tuas mãos ele colocou a humanidade, os animais selvagens e as aves do céu. Onde quer que vivam, ele fez de ti o governante deles todos. Tu és a cabeça de ouro.
Dan 2:39 "Depois de ti surgirá um outro reino, inferior ao teu. Em seguida surgirá um terceiro reino, reino de bronze, que governará sobre toda a terra.
Dan 2:40 Finalmente, haverá um quarto reino, forte como o ferro, pois o ferro quebra e destrói tudo; e assim como o ferro a tudo despedaça, também ele destruirá e quebrará todos os outros.
Dan 2:41 Como viste, os pés e os dedos eram em parte de barro e em parte de ferro. Isso quer dizer que esse será um reino dividido, mas ainda assim terá um pouco da força do ferro, embora tenhas visto ferro misturado com barro.
Dan 2:42 Assim como os dedos eram em parte de ferro e em parte de barro, também esse reino será em parte forte e em parte frágil.
Dan 2:43 E, como viste, o ferro estava misturado com o barro. Isso quer dizer que se procurará fazer alianças políticas por meio de casamentos, mas essa união não se firmará, assim como o ferro não se mistura com o barro.
Dan 2:44 "Na época desses reis, o Deus dos céus estabelecerá um reino que jamais será destruído e que nunca será dominado por nenhum outro povo. Destruirá todos esses reinos e os exterminará, mas esse reino durará para sempre.

sexta-feira, 16 de março de 2018

Estudo Sobre Dons

ESTUDO SOBRE DONS
Dons são habilidades que capacitam o cristão para a obra do ministério.

Todo cristão possui pelo menos um dom (Mt 25.14-30; 1 Pedro 4.10).
O propósito principal dos dons é o de edificar a igreja (1Co 14.26).

Há vários dons dados por Deus aos Seus filhos. A Bíblia diz que “há diversidade de dons” (1Co 12.4).

Costuma-se classificar os dons em 3 tipos:
1.      Dons Naturais ou Talentos (Rom 12.7-8; 1Pe 4.11)
2.      Dons Ministeriais (Ef 4.11-12)
3.      Dons Espirituais ou Manifestacionais (1Co 12).

Dons Naturais
Em geral esses dons são recebidos por cada ser humano já no nascimento e vão sendo desenvolvidos ao longo da vida. Mas também há casos onde cristãos recebem esses dons de forma sobrenatural concedidos pelo Espírito Santo.

Há muitos dons que denominamos de naturais: dom de ajudar ou socorrer (1Co 12.28), dom de servir (Rom 12.7), dom de ensinar (Rom 12.7), dom de liderar (governar – 1Co 12.28 ou presidir – Rom 12.8), dom de exortar/encorajar (Rom 12.8), dom de contribuir (Rom 12.8), dom de pregar (1Pe 4.11, At 6.4), dom da criatividade (Ex 35.30-35), dom do celibato (1Co 7.7); dons artísticos (Êxodo 31.1-11), dons manuais (Êxodo 30.22-31; 2 Crônicas 34.9-13), dons musicais (1Cr:15:16; 1Sm16.14-23), dom da dança (Êx 15.20-22), etc.

Os dons acima podem ser usados de forma individual ou podem ser usados em ministérios coletivos (Exemplo: diaconato, louvor, dança, projetos de inclusão social, etc).

Obs.: O diaconato é um ministério que deriva do dom de servir e socorrer. É um comissionamento especial para quem preenche determinados critérios (Atos 6; 1Tm 3.8-12).

Dons x Funções Gerais
Ø  Todo cristão deve servir (Gal 5:13), cuidar (1Co 12.25), ensinar/discipular (Col 3.16; Heb 5:12; Mt 28.19), exortar/encorajar (Rom 15.14; 1Tes 4:18 e 5.11), contribuir/ofertar (Mt 23.23; Gal 6.6; Lc 6.38), liderar (Mt 28.19; Ef 6.4), socorrer outros (Rom 12.13; Heb 13.16; Ef 4.28), orar (Mt 6.6), louvar (Ef 5.19; Sl 150.6), evangelizar (Mc 16.15-18), etc.
Ø  Os dons (Rom 12.6-8) capacitam algumas pessoas a operar com mais eficácia numa determinada área.

Nem todos tocam instrumentos, mas todos são chamados a louvar.
Nem todos têm dom de contribuir, mas todos são chamados a ofertar.
Nem todos têm dom de socorro, mas todos são chamados à solidariedade.


Dons Ministeriais
Ef 4:11 E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres,
Ef 4:12 com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado,

Muitas pessoas compreendem de forma errada os 5 dons ministeriais.
Esses dons foram dados para "preparar os santos para a obra do ministério" (v. 12).

Veja:
1.      Apóstolos - plantam igrejas e treinam cristãos para plantar células/igrejas;
2.      Profetas - ouvem a Deus e treinam a igreja para ouvir a Deus;
3.      Evangelistas - ganham almas e treinam a igreja para ganhar almas;
4.      Pastores - cuidam das pessoas e treinam a igreja para cuidar de pessoas;
5.      Mestres - ensinam as pessoas e treinam a igreja para ensinar outros;

·          Muitos pastores pensam que seu papel é apenas cuidar de pessoas, e esquecem de treiná-las para cuidarem uns dos outros.
·          Muitos mestres pensam que seu papel é apenas ensinar as pessoas, e deixam de treiná-las para ensinarem os outros (discipulado).
·          Muitas pessoas são chamadas de profetas apenas por terem o dom de profecia quando na verdade o profeta é aquele que treina outros para ouvirem a Deus.



Dons Espirituais ou Manifestacionais
A Bíblia cita 9 dons espirituais e diz que não devemos ser ignorantes a respeito deles. Por isso abaixo explicamos cada dom.


1) DONS DE REVELAÇÃO

1.1) Palavra de Sabedoria – O crente recebe uma revelação do Espírito Santo seguida de conselho (orientação) para uma determinada situação.
§  Textos: 1Co 12.8; 13.2,9,12
§  Estêvão: At 6.10

1.2) Palavra de Conhecimento – O crente recebe uma revelação do Espírito Santo trazendo conhecimento a respeito de pessoas, circunstâncias, ou verdades bíblicas.
§  Textos: At 10.47,48; 13.2; 15.7-11: 1Co 12.8; 13.2,9,12; 14.24-26
§  Pedro: At 5.3-10

1.3) Discernimento de espíritos – O crente recebe uma revelação indicando se as manifestações provêm de Deus, anjos, demônios ou tem origem humana.
§  Textos: 1Co 12.10
§  Pedro: At 8.18-24
§  Paulo: At 13.8-12; 16.16-18

2) DONS DE REALIZAÇÃO

2.1) Dons de Cura – O crente recebe poder divino para ministrar cura a outrem com autoridade.
§  Textos: Mt 4.23,24; 8.16; 9.35; 10,1,8; Mc 1.32-34; 3.15; 6.13; 16.18; Lc 4.40,41; 9.1,2; Jo 6.2; 14.12; At 4.30; 5.15,16; 19.11,12; 1 Co 12.9,28,30
§  Pedro: At 3.6
§  Paulo: At 14.9-10

Interessante notar que esse dom está no plural: dons de curar. Isso indica que há formas diferentes de operação. Creio ainda que algumas pessoas serão dotadas na área da cura física e outras na área da cura emocional.

2.2) Dom de Operações de Milagres – O crente recebe poder divino para realizar sinais que não podem ser explicados pelas leis da natureza. Ressuscitar mortos, andar sobre as águas, acalmar a tempestade e multiplicar pães são os exemplos mais famosos praticados por Jesus.
§  Textos: Mt 13.54; 6.13: 16.17: Lc 4.40,41: 9.1; 10.17; Jo 7.3; 10.25,32; Jo 11.43,44; 14.11,12; 15.24; At 2.22,43; 4.30; 5.15,16; 6.8; 8.6,7; 14.3; 15.12; 19.11,12; Rm 15.19; 1Co 12.10,29; 2Co 12.12; Gal 3.5
§  Pedro: At 3.6; 9.40 (ressurreição)
§  Apóstolos: operavam sinais e maravilhas diante das pessoas (At 2:43; At 4:30; At 5:12; At 14:3).
Nos dias atuais acontecem sinais como, por exemplo, obturações de ouro, óleo correndo pelas mãos, perfume divino liberado no ambiente, vento soprando no lugar, etc.

2.3) Dom da Fé – O crente recebe uma confiança extraordinária dada por Deus para uma certa situação (como Daniel na cova dos leões ou os 3 homens na fornalha ou Paulo e Silas na prisão). Trata-se de uma fé concedida para que a pessoa permaneça confiante no meio dos desafios e lutas. É uma provisão de fé acima do nível em que a pessoa estava e normalmente está relacionado a uma missão que Deus deu para a pessoa.
§  Textos: Mt 21.21,22; Mc 9.23,24; 11.22.24; Lc 17.6; At 3.1-8; 6.5-8; 1 Co 12.9: 13.2; Tg 5.14,15
§  Paulo: 2Cor 6.3-10 (suportou perseguições terríveis, mas perseverou graças à visão de fé que recebeu para se tornar apóstolo dos gentios)

No século passado um testemunho interessante do Dom da Fé foi relatado por Frank Bartleman (no livro “Azusa”) onde ele conta que recebeu uma fé (confiança) extraordinária sobre o avivamento que viria em Los Angeles: orou por isso incessantemente e suportou toda a oposição até ver o avivamento romper na rua Azusa e se espalhar pelo mundo.

Outro exemplo famoso desse dom em operação é George Muller que atendeu um chamado de Deus para alimentar centenas de órfãos na cidade de Bristol (Inglaterra). Muitas vezes George reuniu as crianças à mesa agradecendo pelo alimento e a provisão chegou logo após orarem.


3) DONS DE ELOCUÇÃO

3.1) Variedade de Línguas – O crente recebe a capacidade pelo Espírito Santo para expressar-se numa língua que não aprendeu e nem conhece. Podem ser idiomas humanos (Atos 2) ou a língua angelical (1Co 13).
§  Textos: 1 Co 12.10,28,30; 13.1; 14.1-40
§  Os discípulos: At 2.4-11
§  Cornélio e sua família: At 10.44-46
§  Os crentes de Éfeso: At 19.2-7
§  Paulo: 1Co 14.6,15,18

3.2) Profecia – O crente recebe a capacidade momentânea e especial para transmitir uma mensagem da parte de Deus sob o impulso do Espírito Santo.

§  Textos: Lc 12.12; At 2.17,18; 1Co12.10; 13.9;14.1-32; Ef 4.11; 1Ts 5.20,21; 2Pe 1.20,21; 1Jo4.1-3
§  Isabel: Lc 1.40-45
§  Maria: Lc 1.46-55
§  Zacarias: Lc 1.67-79
§  Pedro: At 2.14-40; 4.8-12
§  Doze homens de Éfeso: At 19.6
§  Quatro filhas de Filipe: At 21.9
§  Ágabo: At 21.10,11

Qual a finalidade das profecias? 1Cor:14:3: O que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação.
As profecias edificam, mas jamais têm peso doutrinário.

3.3) Interpretação de Línguas O crente recebe uma capacidade especial, dada pelo Espírito Santo, para interpretar o que é falado em línguas estranhas.
§  Textos: 1Co 12.10,30; 14.5,13, 26-28

A interpretação pode vir através da própria pessoa que entregou a mensagem em línguas (1Co 14.13).


A Bíblia recomenda buscarmos os dons espirituais.
1Co 12:31 Busquem com dedicação os melhores dons.
1Cor 14:1 Sigam o caminho do amor e busquem com dedicação os dons espirituais, principalmente o dom de profecia.

E é importante compreender que os 9 dons espirituais são uma potencialização de algo que todo cristão pode experimentar.


O quadro acima mostra que:
·         Existe um nível de manifestações sobrenaturais que está disponível a todos os cristãos igualmente.
·         E existe um nível mais profundo da operação sobrenatural em que cada cristão recebe dons distintos de acordo com a vontade do Espírito Santo.

Todos podem orar por milagres, mas nem todos terão esse dom.
Todos podem ministrar cura, mas nem todos terão esse dom.
Todos podem orar em línguas, mas nem todos terão o dom de variedade.
Todos podem ouvir algo de Deus, mas nem todos terão o dom de profecia ou revelação.
Os dons espirituais são uma potencialização de coisas que todo cristão pode fazer.

§  Todos os cristãos são chamados a provar o sobrenatural em certo nível e também a buscar os dons.
§  Os dons são habilidades dadas por Deus para operar com mais eficácia numa determinada área.

Um caso interessante é o falar em línguas. No quadro abaixo pode-se ver que a manifestação da oração em línguas está disponível a todos os cristãos. Já o dom de variedade de línguas é distribuído para aqueles que o Espírito Santo quer usar.



sábado, 10 de março de 2018

Línguas sem Interpretação 2


É lícito Falar em Línguas sem Interpretação!
Há uma falsa idéia (em alguns setores do meio evangélico) que diz que devemos evitar o uso dos dons espirituais no culto para não assustar os incrédulos.

Como veremos, essa idéia não tem nenhuma base bíblica.
Vamos estudar 1 Coríntios 14 para evitar interpretações errôneas.

Análise de 1ª Coríntios 14
É certo várias pessoas orarem em línguas durante o culto?
É certo alguém falar em línguas em voz alta durante a pregação?

Vamos à Bíblia.
Sabemos que no livro de Atos diversas vezes as pessoas falaram em línguas ao mesmo tempo. E não há qualquer indício de que isso tenha sido errado, pelo contrário, era uma obra autêntica do Espírito Santo.

At:2:3: E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.
At:2:4: E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.
At:10:46: Porque os ouviam falar línguas, e magnificar a Deus.
At:19:6: E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas, e profetizavam.

Contudo muitos teólogos ignoram os exemplos registrados em Atos por achar que eles contrariam as orientações de Paulo na primeira carta aos Coríntios.
Mas será mesmo que a Bíblia se contradiz?
Será que em Atos o Espírito Santo iria fazer algo que depois seria condenado?
Muitos teólogos que lêem 1Cor14 acabam afirmando que o dom de línguas na igreja deve ser usado [1] somente de forma alternada (não-simultânea), [2] diante da igreja toda e [3] apenas se houver interpretação.

Para eles qualquer uso fora disso é errado. Sendo assim o que aconteceu em Atos para esses teólogos foi um descuido do Espírito Santo.
Gostaria de convidá-lo a analisar a carta à igreja de Corinto para constatarmos que não existe contradição alguma entre Atos e 1ª Coríntios.

1Cor:13:1: Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
è Em 1Co13 Paulo fala de diversas coisas possíveis ao homem, que devem ser feitas com amor. Fica óbvio que Paulo entendia que falar a língua dos anjos era algo possível também. Isso explica que o dom de línguas pode manifestar em idioma humano (Atos 2) ou angelical (1Co 13).

Antes de analisar o capítulo 14 é válido observar que nem todos os cristãos coríntios falavam em línguas:
1Cor:12:30: Têm todos o dom de curar? falam todos diversas línguas? interpretam todos?
1Cor:12:31: Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho mais excelente.
è Isso já desmonta a falsa idéia de que o problema em Corinto era que TODAS as pessoas oravam em línguas no culto.
É provável que muitas pessoas orassem em línguas em algum momento do culto, mas não todas as pessoas.

Vamos agora analisar 1 Coríntios 14 voltando-se à questão do dom de línguas.
1Cor:14:1: SEGUI o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.
1Cor:14:2: Porque o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios.
è De fato sem interpretação ninguém entenderá o que é dito.
A menos que essa língua seja um idioma (alemão, por exemplo) e houver na reunião alguém que entenda o idioma. Mas seja idioma humano ou angelical, via de regra, é preciso de interpretação para ser entendido.

1Cor:14:3: Mas o que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação.
1Cor:14:4: O que fala em língua desconhecida edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja.
1Cor:14:5: E eu quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis; porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação.
è Sabemos que todos têm a mesma importância na igreja. Quando diz "o que profetiza é maior" está querendo dizer que o dom de profecia é mais útil no culto.
É mais útil alguém profetizar diante da igreja do que falar em línguas diante da igreja (a menos que haja interpretação). Observe que o enfoque é profetizar/falar em línguas diante da igreja, pois diz "para que a igreja receba edificação". O enfoque desse capítulo desde o início é o uso do dom diante da igreja, e não o uso particular no culto (e nem em casa).
Há no meio reformado um entendimento que afirma que o dom de línguas é o menor dos dons. Mas a Bíblia não diz isso em lugar algum.

1Cor:14:6: E agora, irmãos, se eu for ter convosco falando em línguas, que vos aproveitaria, se não vos falasse ou por meio da revelação, ou do conhecimento, ou da profecia, ou da doutrina?
è Novamente Paulo mostra que o problema de Corinto era o fato das pessoas se levantarem pra falar em línguas diante de toda a igreja, sem haver interpretação. Ocupava-se a maior parte do culto (senão todo) para ouvir pessoas falando em línguas diante da igreja.
Paulo diz que se ele fosse naquela igreja e fizesse o mesmo que eles isso não teria proveito algum. Por isso ele indica que é preciso outros dons no culto (revelação, conhecimento, profecia, doutrina).

1Cor:14:7: Da mesma sorte, se as coisas inanimadas, que fazem som, seja flauta, seja cítara, não formarem sons distintos, como se conhecerá o que se toca com a flauta ou com a cítara?
1Cor:14:8: Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha?
1Cor:14:9: Assim também vós, se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? porque estareis como que falando ao ar.

è É evidente que Paulo não considerava o dom de línguas algo sem sentido ou sem significado. Paulo deixa claro que as línguas tem sentido, tanto que podem ser interpretadas. Mas nessa passagem Paulo diz que se alguém não entende o que é dito está se "falando ao ar". Ou seja, fica evidente que Paulo tinha em mente o falar em línguas em voz alta diante de toda a igreja.
Ocupar a tribuna para falar em línguas sem interpretação é “falar ao vento”. Apenas nesse caso (de ficar falando diante da igreja sem interpretação) é que as línguas tornam-se inúteis, como se estivesse falando ao ar.

1Cor:14:10: Há, por exemplo, tanta espécie de vozes no mundo, e nenhuma delas é sem significação.
1Cor:14:11: Mas, se eu ignorar o sentido da voz, serei bárbaro para aquele a quem falo, e o que fala será bárbaro para mim.
1Cor:14:12: Assim também vós, como desejais dons espirituais, procurai abundar neles, para edificação da igreja.
è No verso 2 foi dito que "o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus". Logicamente usar esse dom para falar a homens (diante da igreja) foge ao objetivo primário que é falar a Deus. Fazer isso é como ouvir um estrangeiro (bárbaro) falar.
Não creio que seja problemático um pregador falar algumas palavras em línguas estranhas durante a pregação. O problemático é levantar-se diante da igreja (ou ocupar o púlpito) apenas (estritamente) para falar em línguas estranhas.

1Cor:14:13: Por isso, o que fala em língua desconhecida, ore para que a possa interpretar.
è O próprio glossolalista pode ser dotado com o dom de interpretação.

1Cor:14:14: Porque, se eu orar em língua desconhecida, o meu espírito ora bem, mas o meu entendimento fica sem fruto.
1Cor:14:15: Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento.
è Curiosamente nesse trecho Paulo continua falando do culto público e diz que podemos orar com o espírito (em línguas) e até cantar com o espírito no culto público. Claro que nesse caso ele refere-se a orar/cantar sem ocupar a tribuna, e certamente isso não seria feito no culto inteiro. Não há porque dizer que esses 2 versículos se referem ao uso do dom em casa. Nada indica isso.
(Sei que muitas pessoas entendem que nesse trecho Paulo se refere ao uso doméstico – ainda que se entenda assim esse trecho não afeta os demais argumentos que estou apresentando).

1Cor:14:16: De outra maneira, se tu bendisseres com o espírito, como dirá o que ocupa o lugar de indouto, o Amém, sobre a tua ação de graças, visto que não sabe o que dizes?
1Cor:14:17: Porque realmente tu dás bem as graças, mas o outro não é edificado.
è Paulo indica a necessidade do indouto poder dizer amém. Isso reforça que Paulo estava tratando o caso das pessoas falarem alternadamente diante de toda a igreja.
O problema tratado por Paulo não era que estavam todos falando em línguas ao mesmo tempo num momento de adoração do culto, pois se fosse isso não seria esperado que o indouto dissesse amém.
Normalmente as pessoas pensam que Paulo combatia a adoração em línguas num momento do culto, mas fica claro que não era isso. O problema era levantar-se diante da igreja apenas para falar em línguas.

1Cor:14:18: Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos.
1Cor:14:19: Todavia eu antes quero falar na igreja cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida.
1Cor:14:20: Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento.
è Novamente Paulo mostra que o culto não devia ser dirigido em línguas, mas em idioma comum para "que possa também instruir os outros". Ou seja, ninguém devia levantar-se pra falar em línguas diante da igreja (a menos que houvesse interpretação).

1Cor:14:21: Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor.
1Cor:14:22: De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis.
è No verso 21 é citado Isaías 28.11. Naquele episódio Deus usou o povo assírio (que falava um idioma que os judeus não entendiam) para que os infiéis percebessem a ação de Deus. Como os infiéis não ouviam os profetas de Israel então eles tomariam consciência do poder de Deus quando ouvissem os assírios lhes falar num idioma que não entendiam. Da mesma forma hoje as "línguas estranhas" são um sinal para os infiéis de que Deus está presente. Já as profecias são um sinal para os fiéis, porque são esses que dão ouvido às profecias.

1Cor:14:23: Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem em línguas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão porventura que estais loucos?
1Cor:14:24: Mas, se todos profetizarem, e algum indouto ou infiel entrar, de todos é convencido, de todos é julgado.
1Cor:14:25: Portanto, os segredos do seu coração ficarão manifestos, e assim, lançando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, publicando que Deus está verdadeiramente entre vós.
è Normalmente o verso 23 é usado para dizer que Paulo condenava o ato de todos falarem em línguas simultaneamente num momento do culto. Mas não é isso que Paulo está dizendo.
Todos concordam que no verso 24 Paulo não defendia que todos profetizassem para a igreja ao mesmo tempo num momento do culto. Isso é óbvio pelo fato de que nem todos têm o dom de profetizar (12.29).

A questão dos versículos 23 e 24 é a mesma: se referem a pessoas que iriam falar alternadamente diante da igreja.
- Se todos (ou mesmo alguns) falarem em línguas alternadamente diante da igreja (sem interpretação) isso parecerá loucura.
- Se todos profetizarem alternadamente diante da igreja isso trará convencimento e conversão.

Em seguida Paulo vai falar que um culto precisa de mais coisas além de línguas e profecias. Inclusive Paulo já deixou claro que nem todos falam em línguas ou profetizam (1Cor 12.29-31).

IMPORTANTE: Se um incrédulo entrar num culto e só ouvir pessoas falando em línguas (sem interpretação) isso não trará edificação. Nesse caso um incrédulo teria motivo para nos chamar de loucos. Se num momento de oração falaram em línguas e depois houve pregação, hinos, revelação, etc, o incrédulo saiu edificado certamente. Tanto é que Paulo diz que se houver línguas, e depois houver interpretação, isso traz edificação. Observe que mesmo havendo interpretação o incrédulo ouviu alguém falar numa língua que ele não entendeu. Isso desmonta a falsa idéia de que os incrédulos se escandalizam simplesmente por ouvir alguém falar em línguas na igreja. Paulo não tem receio de que um incrédulo possa se assustar com as línguas. Se fosse essa a preocupação, Paulo proibiria o dom definitivamente para não assustar o incrédulo. Fica claro que o enfoque de Paulo é que o culto deve edificar os presentes, inclusive o incrédulo. A idéia de que o dom de línguas assusta as pessoas não tem base bíblica. Se o dom de línguas assustasse os incrédulos, não poderia ser usado nem mesmo com interpretação.

1Cor:14:26: Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.
è Aqui Paulo mostra que o culto deve ter várias partes. Essa orientação sugere que os Coríntios não seguiam isso e que gastavam boa parte do culto (senão todo) ouvindo pessoas falar em línguas diante da igreja.

1Cor:14:27: E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete.
è Agora chega o momento em que Paulo limita o número de pessoas que falariam em línguas diante da igreja, para que o culto tivesse outras partes também.

1Cor:14:28: Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus.
è Se não houver intérprete a pessoa não deve falar diante da igreja. É importante entender que a palavra igreja aqui não significa templo e sim assembléia de pessoas.
     O verso não significa: Esteja calado no templo.
     O verso significa: Esteja calado na assembléia (isto é, diante das pessoas).

Tanto é que o verso continua "fale consigo mesmo, e com Deus" durante o culto.
Ou seja, Paulo não proibiu que a pessoa orasse em línguas no culto.
Paulo diferencia o falar para a (diante da) igreja e o falar particular com Deus.
     Se for uma oração em línguas não precisa de interpretação, pois é pessoal.
     Se for uma mensagem em línguas precisa de interpretação, pois é para alguém.

A oração em línguas pode ser feita em voz alta ou baixa, durante alguns momentos do culto. Já a mensagem em línguas é falada em voz alta num momento onde a igreja esteja quieta pra ouvir. Se toda igreja está orando e alguns falam em línguas sem elevar a voz e sem ocupar a tribuna, é óbvio que se trata de oração em línguas e não de mensagens para a igreja.

1Cor:14:29: E falem dois ou três profetas, e os outros julguem.
è Paulo limita o número de profetas para que o culto não se tornasse só uma seqüência de profecias.
Como Paulo enfatiza a utilidade do dom de profecias, corria o risco de que os coríntios trocassem a ênfase nas línguas por uma ênfase nas profecias.
O que Paulo ensina é que o culto deve ter várias partes (vide versos 6 e 26).

1Cor:14:30: Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro.
è Mais uma vez fica claro que o enfoque da carta é o falar diante da igreja toda. Quem falava em línguas ou profetizava diante da igreja ficava em pé, e os demais ficavam sentados. E caso alguém sentado recebesse uma revelação deveria falar depois que o anterior se calasse.
Não deveria uma pessoa falar em revelação para toda a igreja ao mesmo tempo em que alguém profetizasse para toda a igreja. Isso causaria confusão. Da mesma forma alguém falar em línguas para toda a igreja ouvir enquanto alguém prega é confusão.

Repito que várias pessoas falando (adorando) em línguas num momento de louvor é totalmente diferente de ter várias pessoas falando uma mensagem em línguas para a igreja toda ouvir. Nesse 2º caso seria preciso ter interpretação.

1Cor:14:31: Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados.
è Todos podem profetizar "potencialmente", no sentido de que qualquer um pode receber o dom. Sabemos também que há profecias que devem ser entregues em particular (não são para toda a igreja), mas o enfoque de Paulo nessa carta é a forma como o culto era dirigido.

1Cor:14:32: E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas.
è Os dons espirituais não são incontroláveis. Pode-se esperar o momento de falar e pode-se controlar o tom da voz.

1Cor:14:33: Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.
è Confusão seria duas ou mais pessoas dirigindo-se à toda igreja ao mesmo tempo (seja línguas, profecia, revelação, etc). Ou seja, várias pessoas quererem ocupar a direção do culto ao mesmo tempo é confusão.
Isso é bem diferente de haver várias pessoas orando em línguas num momento de louvor ou de oração coletiva, onde quem fala não está se dirigindo à igreja.

1Co 14:39 Portanto, meus irmãos, busquem com dedicação o profetizar e não proíbam o falar em línguas.
1Co 14:40 Mas tudo deve ser feito com decência e ordem.
è Paulo arremata o assunto sobre os dons vocais no culto público dizendo que busquem profetizar e não proíbam falar em línguas.
Isso reforça o que diz o versículo 28: pode-se adorar em línguas no culto! Somente se a pessoa quiser ocupar a ‘tribuna’ é que exige-se que haja intérprete.


CONCLUSÃO
Nos casos de Atos (2,10,19) houve um momento em que várias pessoas falaram em línguas ao mesmo tempo e sem interpretação. Foram momentos de adoração a Deus. Essas pessoas não estavam se dirigindo à igreja toda, mas adorando a Deus. E nesses cultos registrados em Atos além das línguas houve outros momentos (pregação, ensino, profecia...).

Tanto em Atos quanto em quanto em Corinto há uma diferença entre adorar a Deus em línguas, e falar uma mensagem em línguas para a igreja. Isso mostra que a carta aos Coríntios está em completa harmonia com o livro de Atos. Esse mesmo padrão bíblico é seguido pelos pentecostais hoje. Dizer que 1Cor14 proíbe algo que ocorria em Atos seria uma contradição.


Muitos teólogos que lêem 1Cor14 acabam afirmando que o dom de línguas na igreja deve ser usado [1] somente de forma alternada(não-simultânea), [2] diante da igreja toda e [3] apenas se houver interpretação.

Mas como vimos acima:
(1) Adorar em línguas é diferente de entregar uma mensagem em línguas para a igreja
(2) O dom de línguas pode ser usado de forma simultânea em alguns momentos do culto (sem dirigir-se à igreja toda e mesmo sem interpretação);
(3) Se alguém for falar uma mensagem em línguas para a igreja aí sim deve haver interpretação;