Não fui reformado! Fui transformado por Deus!

Nesse blog não fazemos proselitismo. Esse é um blog pentecostal voltado para pentecostais.
Veja na Bíblia os 5 PONTOS DO ARMINIANISMO. E veja aqui mais itens sobre Arminianismo.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Por que Deus não perdoou os anjos caídos?

POR QUE DEUS NÃO PERDOOU OS ANJOS CAÍDOS?

Gostaria de propor uma tese a respeito desse tema obscuro. Mas antes de falarmos sobre os anjos é preciso entender a diferença entre Pecados Capitais e Pecados Veniais.

Mt:12:31: Portanto, eu vos digo: Todo o pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens.
1Jo:5:16: Há pecado para morte, e por esse não digo que ore.


Os pecados capitais são os pecados para morte, ou seja, pecados imperdoáveis. Biblicamente só existe um pecado capital: a blasfêmia contra o Espírito Santo. Todos os demais pecados são veniais, isto é, perdoáveis por Deus mediante arrependimento.

(Sim, é bastante equivocado o conceito católico de 7 pecados capitais: Luxúria, avareza... todos esses pecados têm perdão aos que se arrependem).

A blasfêmia contra o Espírito é o único pecado que não tem perdão. E o que seria esse pecado na prática? Em qualquer outro contexto as pessoas entendem que "blasfemar" é sinônimo de ofender, falar mal. Mas alguns teólogos complicam o entendimento quando se trata da Blasfêmia contra o Espírito Santo. Não tem porque complicar isso: blasfemar significa ofender o Espírito Santo de forma consciente. Comparar a blasfêmia com incredulidade é forçar a barra.

Bem, tendo isso em mente, podemos falar sobre a questão dos anjos.

Porque Deus não perdoou os anjos caídos ou enviou um Salvador como fez com os humanos? Minha opinião é que os anjos caídos cometerem o único pecado imperdoável: a blasfêmia contra o Espírito Santo.

Foi por essa razão que Deus não lhes perdoou e nem proveu salvação. Os demônios eram anjos que tinham conhecido toda a glória de Deus, e mesmo assim decidiram ofendê-lo conscientemente (blasfemaram contra o Espírito Santo).

Uma razão que me faz crer nisso é o ódio que os demônios demonstram nos casos de possessão: eles blasfemam contra Deus.

Olhando sob esse prisma, vemos que Deus usou a mesma medida para os anjos e para os homens. Deus não teve falta de misericórdia com os anjos.

(Reconheço que esse post é apenas uma tese, uma suposição. A Bíblia não é clara sobre esse assunto, mas creio que essa é uma hipótese razoável que quis compartilhar com os leitores do BLOG).

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Compre Deus por 900,00!

A que ponto chegaram!

O que mais me irrita na teologia da prosperidade não é a crença de que os servos de Deus vão ficar ricos. O que mais me enoja é a manipulação psicológica que alguns pastores fazem para tirar dinheiro das pessoas.

http://www.youtube.com/watch?v=QXyTDsbjsnc



Veja aqui falsas profecias de Cerullo:
http://cirozibordi.blogspot.com/2009/09/as-profecias-de-morris-cerullo.html

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Mundo Muçulmano?

É assustador o que vemos no vídeo abaixo!
Dentre outras coisas, segundo as estatísticas:
- Em 2025 cerca de 1/3 das crianças nascidas na Europa serão muçulmanas.
- Em 39 anos a França será uma República Islâmica.


Claro que as estatísticas não levam em conta o fator "Deus".
Mas elas nos servem de alerta.
Como igreja precisamos:
- orar para que Deus envie um reavivamento no mundo, especialmente na Europa;
- se preparar para evangelizar os islâmicos;
- e enviar mais missionários ao mundo!

http://www.youtube.com/watch?v=e8mFeWLwJx8
http://www.youtube.com/watch?v=6-3X5hIFXYU

sexta-feira, 12 de junho de 2009

James Arminius (Jacó Armínio)

Arminius - Trechos de um Artigo

Conhecer Arminius é conhecer a liberdade que celebramos em Jesus Cristo, pois sua teologia é uma teologia de liberação. Ela eleva cada um no mesmo nível. Ela diz que não importa quem você é, você tem uma posição igual aos olhos de Deus. Rei ou plebeu, não importa. Deus ama você da mesma forma. Quando Cristo morreu na cruz, ele morreu por você. A história da redenção é sobre o mundo todo – sobre cada homem, cada mulher, e cada criança;

Neste mundo deprimido, o mundo conforme Calvino o via, um mundo dos eternamente benditos e dos eternamente desgraçados, surgiu Arminius, que disse, mais ou menos, “Só um minuto, Dr. Calvino, acho que você se enganou. Você, por sua teologia, reduziu a morte de nosso Senhor na cruz a um drama dos redimidos por distribuição; você diz à metade do mundo que ele não tem importância, que o inferno é seu único futuro, e não há nada que pode ser feito – nada! Você, Dr. Calvino, tomou Jo 3.16 e o afirmou por seus ensinos como uma ‘perversão do Evangelho’”.

Você consegue imaginar o efeito de tal idéia radical? Que a graça de Deus era para todos, aparecendo em uma época onde havia uma grande divisão entre as pessoas – príncipe e camponês, rico e pobre, os que têm e os que não têm. As consequências de tão dramática doutrina, ensinada por Arminius nas aulas do seminário, pregada dos púlpitos, e proclamada em longos ensaios e jornais teológicos na Holanda, foram imediatas. Um desafio se levantou contra a doutrina da eleição de Calvino. Deixar a idéia da livre graça de Arminius sem resposta poderia abalar as fundações políticas, sociais e religiosas da Europa Ocidental. Era uma heresia e tinham que lidar com ela.

Dessa forma chegamos ao Sínodo de Dort, organizado na cidade holandesa de Dordrecht. Os delegados do Sínodo vieram do outro lado da Europa, onde uma grande preocupação tinha surgido sobre a “heresia” de Arminius e os perigos que ela representava. O Rei Tiago I da Inglaterra – que deu história à Bíblia do Rei Tiago – selecionou os maiores eruditos da Igreja Anglicana para estar presentes no Sínodo, onde eles logo assumiriam um papel principal. Em longas e muitas vezes rancorosas sessões, por aproximadamente dois anos, os delegados ouviram os argumentos pró e contra Calvino e Arminius. No final eles resolveram afirmar a posição de Calvino sobre a eleição e rejeitar a alegação de Arminius da livre graça de Deus. Como resultado dessa decisão, começou uma campanha contra os seguidores de Arminius. Ministros que adotaram as idéias de Arminius perderam seus púlpitos. Aos operários que aceitaram a opinião de Arminius sobre a salvação foram negados que trabalhassem para o estado. Alguns arminianos perderam suas vidas; martirizados porque ousaram crer que Cristo morreu por eles.

Para ler o artigo na íntegra clique aqui!

CALVINISMO E MISSÕES

CALVINISMO E MISSÕES

Os calvinistas costumam negar que o calvinismo gera indiferença à missões. Argumentam citando alguns missionários calvinistas que foram muito frutíferos. De fato houve irmãos calvinistas que tiveram um coração apaixonado por missões. Mas isso tem muito mais haver com o chamado de Deus na vida desses homens do que à teologia calvinista.

Um bom exemplo é William Carey, que foi o missionário mais influente que a Índia já teve e o pai das missões modernas. Ele era calvinista e amava missões. Mas a história da Igreja mostra que em 1791, Carey notou que 70% do mundo não professavam o cristianismo. E quando ele apresentou suas idéias a um grupo de pastores calvinistas, um deles replicou: "Jovem, sente-se. Quando Deus quiser converter os pagãos, Ele o fará sem a sua ajuda ou a minha".

Foi por insistência pessoal que William Carey foi à Índia. Os calvinistas jamais o teriam enviado. Vale dizer que Carey fora fortemente impactado pelo avivamento liderado por Wesley (um arminiano).

O pensamento lógico do calvinismo é que se um povo permanece na idolatria (ex.: hindus e mulçumanos) é porque Deus não quer salvá-los, não são eleitos.
Para o arminianismo (e a Bíblia) se algum povo não foi salvo é porque precisam ser evangelizados.

Ainda bem que alguns irmãos calvinistas deixam seu coração pulsar por missões, mesmo contrariando a lógica do calvinismo.

PS.: Sei que os teólogos calvinistas defendem muito missões e evangelismo. Não nego isso. Mas se os 5 pontos do calvinismo fossem seguidos com coerência eles não precisariam evangelizar. Por isso o hiper-calvinismo é o tipo mais coerente de calvinismo, embora ambos estejam aquém da Bíblia. O que salva o "calvinismo moderado" da heresia é justamente que na prática eles se comportam de acordo com o arminianismo.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

A Diferença na Prática - 5

A Diferença na Prática - 5

O calvinista diz:
"A nossa oração nunca muda absolutamente nada do que vai acontecer, porque o que vai acontecer já está determinado por Deus antes da fundação do mundo. O único objetivo da nossa oração é ter comunhão com Deus". John McArthur, num programa de rádio.

O arminiano diz:
Mt:7:7-8: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.

Tg:4:2: Nada tendes, porque não pedis.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
COMENTÁRIOS:

Tenho amigos reformados que acreditam na atualidade dos dons espirituais, mas eles não oram pedindo os dons, pois alegam que se Deus quiser irá dar e pronto (já está determinado!). E por não orarem eles não recebem os dons ("Nada tendes porque não pedis" - Tg:4:2).

Ou seja, a recomendação paulina (1Cor 12.31 e 14.1) é totalmente desprezada com o argumento de que é tudo "pela graça" e orar seria uma "obra humana". Eles dizem que não recebemos dons por "esforço humano" e isso é verdade! O detalhe é que orar não é uma "obra humana" para conquistar favores divinos. Pelo contrário, orar é reconhecer nossa dependência de Deus. É entregar a Deus nossas petições e esperar pela resposta Soberana dEle. O momento da oração é o momento em que o ser humano coloca de lado sua habilidade e decide depender de Deus.

Sabemos que o grande objetivo da oração é ter comunhão com Deus. Mas a Bíblia também ensina que podemos deixar de receber bênçãos por falta de oração (Tg 4.2).

A Bíblia diz ainda que somos parceiros de Deus no avanço do Seu Reino: Nós somos cooperadores de Deus. (1Cor:3:9). Por isso Ele mandou pedirmos:
- que Seu reino venha até nós (Mateus 6.10);
- que obreiros fossem enviados a seara (Mt 9.38);

Observe que são coisas que Deus quer fazer, mas que mandou pedirmos. Isso porque o mundo jaz no maligno e nós somos parceiros de Deus no projeto de trazer o Reino.

É comum ouvirmos calvinistas dizerem que os avivamentos são atos soberanos de Deus, e que por isso, é irrelevante orar por avivamento. Mas a história mostra que os avivamentos sempre começaram com pessoas se dispondo a orar. Inclusive os avivamentos iniciados entre irmãos calvinistas foram antecedidos por muita busca em oração.

Por essas razões é muito grave propagar a mentira de que a oração não muda nada.

Um exemplo prático de como a oração muda situações pode ser visto no testemunho de Alexander Ogorodnikov:




Se Alexander não tivesse orado o resultado teria sido outro.
Se as pessoas que Deus chamou não tivessem orado o resultado teria sido outro.

Precisamos sair da dimensão da auto-suficiência e entrar na esfera da dependência de Deus, pela oração. Dizer que Deus já determinou tudo e que por isso não precisamos orar é uma forma sutil de se manter na auto-suficiência.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Quem São os Neo-Reformados?

Quem São os Neo-Reformados?
Leia Artigo 1
Leia Artigo 2

"Se tivesse que resumir eu colocaria desta forma: os neo-reformados são aqueles que estão obcecados com a santidade e a graça de Deus e não aprenderam que a graça torna as pessoas graciosas. Estas pessoas são os mais novos zelotes religiosos da América e elas estão ferindo, talvez por uma geração ou duas, o evangelicalismo."

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Dom de Línguas no Culto - Análise de 1Cor 14

Dom de línguas no Culto
Há uma falsa idéia (em alguns setores do meio evangélico) que diz que devemos evitar o uso dos dons espirituais no culto para não assustar os incrédulos...
Leia esse artigo:
Linguas_sem_Interpretacao_2
Nele faço uma análise detalhada de 1 Coríntios 14.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Movimento Reteté 2

Movimento Reteté

No post anterior abordei a questão do movimento reteté. Um amigo me disse que "o que acontece no movimento reteté é consequencia dos pentecostais terem afrouxado as regras de Paulo em 1Cor14".
Discordo totalmente dessa tese pelos seguintes motivos:

1) Os pentecostais clássicos não afrouxaram as regras de Paulo. Usamos os dons de línguas e profecias da forma como vemos em Atos. Vide posts:

Línguas sem Interpretação
Visões Reformada e Pentecostal
Bagunça, Barulho e Ordem

2) As regras de Paulo referem-se ao dom de línguas e dom de profecias.
O que vemos no movimento reteté é justamente a ausência dos dons espirituais. Não se trata de abuso dos dons espirituais.

3) O grande problema do movimento reteté é o frenesi induzido por batuques ou pelo apelo emocional do dirigente. Não critico a forma como o fogo pega na comunidade afro. Como eu disse no post anterior creio que Deus pode fazer essas coisas. Mas o ponto é julgar se algo veio de Deus ou não (pode ser humano ou diabólico). No movimento reteté eles produzem essas manifestações rotineiramente - basta o batuque começar ou o pastor se sacudir pro agito começar. Isso não é fogo de Deus, é emocionalismo, frenesi ou ainda cartase coletiva.

Mas gostaria de expressar aqui que não vejo problema em se fazer louvor nesse estilo com batuques e danças. O problema que vejo é confundir essa "pegada emotiva" com unção de Deus. Um culto regado a música sertaneja, samba, corais ou pop-rock pode ou não ser visitado por Deus - isso tem haver com fé e outras questões e não com o estilo musical.

Outra questão importante é que num culto deve-se haver pregação da Palavra (sem isso vai gerar apenas bebês espirituais); e creio que uma igreja de 'reteté' precise muito investir em alguma forma de discipulado além dos cultos. Todas igrejas precisam, mas no 'movimento reteté' é muito fácil as pessoas confundirem espiritualidade com 'sentir emoções no culto' e deixar de se apropriar da vida transformada e abundante (frutos do Espírito).

PS.: Reteté é um termo assembleiano usado para referir-se a culto avivado, onde o "fogo pega". A crítica não é ao termo e muito menos aos cultos avivados. A crítica é para o movimento "carismaníaco" que recebe o apelido de "movimento reteté".

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Movimento Reteté 1

Movimento Reteté 1

Dentro do pentecostalismo (especialmente nas periferias do RJ) tem crescido um movimento chamado reteté, que é uma variação (desvio) do pentecostalismo clássico.

Embora como pentecostal eu goste de fogo e poder de Deus, esse movimento confunde pentecostes com "frenesi coletivo".

De fato quando Deus vem sobre um lugar coisas estranhas podem acontecer. Assim como aconteceu com os apóstolos em Atos 2 que inicialmente foram comparados com gente bêbada (até que Pedro pregasse o evangelho e esclarecesse tudo).

Eu já vi Deus fazer coisas muito bizarras em vedadeiros momentos de mover, de descida do Espírito Santo. Mas isso aconteceu após um período de oração sincera, sem ser induzido e sem influência de músicas ou batuques.

Sei que há muitas manifestações tremendas que Deus pode fazer e não me limito aos dons espirituais. Sei que Deus pode levar alguém a dançar no Espírito, sapatear, cair, chorar, pular, rir, arrebatar, etc. Lembro bem do dia em que fui batizado no Espírito Santo - foi inesquecível!

Mas normalmente quando esses fenômenos são de Deus acontecem de forma expontânea (não-induzida), ocasional (não-rotineiro), e acompanhado de dons espirituais. No movimento reteté normalmente há batidas fortes ou batuques que induzem as pessoas ao frenesi e praticamente não se vê dons espirituais. Por isso tenho algumas reservas com esse tipo de reunião (chamada reteté), pois confunde frenesi com unção de Deus.

Não reprovo de maneira nenhuma que Deus possa fazer pessoas dançarem, cairem ou pularem no poder do Espírito Santo. Já tive experiências genuínas desse tipo, mas também já tive o desprazer de ser derrubado por pastores.

Infelizmente há tanta indução e modismos, que muitos teólogos pentecostais tem reprovado toda manifestação que não sejam os 9 dons espirituais. Creio que precisamos cuidar para "não jogar fora o bebê junto com a água".

Se uma experiência vem de Deus é maravilhosa.
Se uma experiência vem do homem é perda de tempo.




Importante dizer: Não vejo problema no fato da comunidade afro ter um estilo de louvor com batuques e danças (comento isso no post sobre o Movimento Reteté). E acho positivo que a comunidade afro seja alcançada pelo evangelho dentro de sua cultura e estilo. A grande ressalva que estou fazendo aqui é que seria meninice confudir emoção com unção. Além disso, um culto jamais pode desprezar a pregação da Palavra, mas creio que isso esteja sendo observado no movimento reteté embora não apareça no vídeo abaixo.

Vejam um exemplo de reteté:


http://www.youtube.com/watch?v=cCvs7vQ40VI

sexta-feira, 17 de abril de 2009

O Espírito Santo não sairá da Terra!

O ESPÍRITO SANTO NÃO SAIRÁ DA TERRA

Sou pré-milenista convicto, ou seja, creio no arrebatamento da igreja, na Grande Tribulação, e no Milênio porvir.

Contudo não consigo entender como alguns cristãos pré-milenistas admitem a falsa idéia de que o Espírito Santo será tirado da Terra quando Jesus arrebatar Sua Igreja.
Dizem ainda que os que ficarem terão que salvar-se por esforço próprio, como se isso fosse possível. Esse tipo de pensamento denota que a pessoa carece de embasamento bíblico (ou é adepta do pelagianismo o que é pouco provável).

O arminianismo (que é adotado pela maioria dos pré-milenistas) afirma categoricamente que sem o Espírito Santo ninguém é capaz de crer.
Portanto, um arminiano vai rejeitar enfaticamente essa doutrina das férias do Espírito Santo.

Mas e o texto de Tessalonicensses?
2Tes:2:6: E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado.
2Tes:2:7: Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado;
2Tes:2:8: E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda;

O pentecostalismo clássico acredita que a igreja será arrebatada e depois virá o anti-cristo.
Ou seja, é a igreja que o detém e será tirada.
E há alguns pré-milenistas que alegam que o texto se refere a um anjo.

De qualquer forma, fica muito claro que o texto não dá qualquer sinal de que esteja falando do Espírito Santo. E a julgar pelo restante da Bíblia fica evidente que o Espírito Santo continuará na Terra convencendo o pecador mesmo na Tribulação de 7 anos.

Sem o Espírito Santo ninguém pode nascer de novo, isto é, ser regenerado.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Pentecostais e Santidade

Pentecostais e Santidade

SANTIDADE
É muito comum ouvirmos críticas afirmando que os pentecostais se importam mais com os dons do que com a santidade. Ao dizer isso na verdade querem afirmar que pentecostais não se importam com a santificação.

Essa falácia vem dos tradicionais (e é engolida por alguns pentecostais inclusive). Creio que para os cessacionistas isso seja uma forma de tentar justificar a ausência dos dons espirituais entre eles.

Oras, se os cessacionistas (tradicionais) tanto criticam a santidade dos pentecostais era de se esperar que a gente visse uma santidade maior entre eles. Mas não é o que vemos.

Ou seja, eles não vivenciam os dons e NÃO são mais santificados que os pentecostais. Inclusive vale dizer que as pessoas mais consagradas e santificadas que conheço são pentecostais (e carismáticos).

Por outro lado, é verdade que tem faltado santidade no meio do povo evangélico, mas isso não é exclusividade dos pentecostais. É um problema generalizado.

Certamente que há igrejas pentecostais e cessacionistas onde o pastor prega sobre arrependimento, santidade, renúncia, vida no altar, fruto do Espírito, transformação de vida, abandono do pecado, etc.

Sou pentecostal e prego essas verdades regularmente.
[E conheço muitos pastores pentecostais que pregam isso.]

Sou pentecostal e vivencio os dons do Espírito Santo.

Um coisa não anula a outra.
Pelo contrário, elas se complementam.


MATURIDADE ESPIRITUAL
Bem é sabido que a maturidade do cristão é medida pelo Fruto do Espírito, mas isso não torna os dons menos importantes.

Já vi cristãos cheios do Espírito que eram imaturos espiritualmente porque tinham acabado de se converter.
Já vi cristãos maduros espiritualmente que não eram (não estavam) cheios do Espírito. Precisavam se encher do Espírito Santo.

São duas realidades co-existentes.

O erro dos pentecostais está na tendência de medir a espiritualidade pelos dons.
O erro dos cessacionistas está em confundir maturidade espiritual com plenitude do Espírito.

A Bíblia mostra claramente que o Batismo no Espírito sempre era acompanhado de algum sinal sobrenatural. Nunca era imperceptível. E a Bíblia também mostra exemplos de pessoas recém-convertidas (imaturas) que foram batizadas no Espírito Santo. Fica evidente que maturidade espiritual e batismo no Espírito Santo são coisas distintas.

O Batismo no Espírito Santo acontece com pessoas que se entregam a Deus (buscam o enchimento) com um coração quebrantado, e é recebido pela graça mediante a fé. Ninguém recebe o Batismo no Espírito Santo por mérito ou justiça própria. É por isso que vemos casos de irmãs "linguarudas" ou irmãos  "grosseiros" que recebem o revestimento de poder, pois é algo dado por graça e não por mérito.

Por outro lado, um cristão pode ser piedoso e santo e ainda não ter recebido o batismo no Espírito Santo (revestimento de poder), seja porque não tem buscado o enchimento ou porque ainda não conseguiu se quebrantar profundamente diante de Deus em oração.

CONCLUSÃO
Nós pentecostais não devemos negligenciar os dons caindo na falácia de que só importa a santidade (embora a santidade realmente seja mais importante). Por outro lado, todos nós evangélicos, precisamos vivenciar uma vida de santidade e é notório que isso tem faltado na maioria das igrejas (pentecostais e tradicionais).

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Excelente Pregação de Paul Washer

Excelente Pregação de Paul Washer
http://www.youtube.com/watch?v=N5lw809gB94





Aproveito para parabenizar meu amigo Vinicius Pimentel pelo trabalho de tradução que tem desenvolvido (http://voltemosaoevangelho.blogspot.com/)

terça-feira, 31 de março de 2009

Julio Severo fora do Brasil

Amados,
nosso irmão Julio Severo teve que sair do Brasil por estar sendo perseguido pelo movimento-gay. Para detalhes acesse o BLOG dele:
http://juliosevero.blogspot.com/

Queria convidar todos os meus irmãos blogueiros a divulgarem essa situação descabida em que nos encontramos.
Estão fazendo de tudo para nos proibir de dizer que homossexualismo é pecado.
Precisamos fazer nossa voz ser ouvida.

A chapa tá esquentando...

quinta-feira, 26 de março de 2009

Teologia da Prosperidade - Piper

1Cor:2:14: Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Pastores ou Lobos

SOBRE PASTORES E LOBOS

Pastores e lobos têm algo em comum: ambos se interessam e gostam de ovelhas, e vivem perto delas. Assim, muitas vezes, pastores e lobos nos deixam confusos para saber quem é quem. No entanto, não é difícil distinguir entre um e outro.

Veja:

Pastores buscam o bem das ovelhas, lobos buscam os bens das ovelhas.
Pastores vivem à sombra da cruz, lobos vivem à sombra de holofotes.
Pastores têm fraquezas, lobos são poderosos.
Pastores são ensináveis, lobos são donos da verdade.
Pastores têm amigos, lobos têm admiradores.
Pastores vivem de salários, lobos enriquecem.
Pastores vivem para suas ovelhas, lobos se abastecem das ovelhas.
Pastores apontam para Cristo, lobos apontam para si mesmos e para a igreja deles.
Pastores são pessoas humanas reais, lobos são personagens religiosos caricatos.
Pastores ajudam as ovelhas a se tornarem adultas, lobos perpetuam a infantilização das ovelhas.
Pastores são simples e comuns, lobos são vaidosos e especiais.
Pastores se deixam conhecer, lobos se distanciam e ninguém chega perto.
Pastores alimentam as ovelhas, lobos se alimentam das ovelhas.
Pastores lidam com a complexidade da vida sem respostas prontas, lobos lidam com técnicas pragmáticas com jargão religioso.
Pastores vivem uma fé encarnada, lobos vivem uma fé espiritualizada.
Pastores se comprometem com o projeto do Reino, lobos têm projetos pessoais.
Pastores são transparentes, lobos têm agendas secretas.
Pastores dirigem igrejas-comunidades, lobos dirigem igrejas-empresas.
Pastores pastoreiam as ovelhas, lobos seduzem as ovelhas.
Pastores buscam a discrição, lobos se autopromovem.
Pastores se interessam pelo crescimento das ovelhas, lobos se interessam pelo crescimento das ofertas.
Pastores ajudam as ovelhas a seguir livremente a Cristo, lobos geram ovelhas dependentes e seguidoras deles.
Pastores constroem vínculos de amizade, lobos aprisionam em vínculos de dependência.

* Pr. Osmar Ludovico, na revista Enfoque.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

VITÓRIA FINANCEIRA

BÍBLIA DE ESTUDO BATALHA ESPIRITUAL E VITÓRIA FINANCEIRA

Creio que todos os cristãos já ouviram falar da BÍBLIA DE ESTUDO BATALHA ESPIRITUAL E VITÓRIA FINANCEIRA divulgada pelo Pastor Silas Malafaia.

Olhem o que ela diz:
"Pobreza é escravidão! Ela amarra as pessoas, impedindo-as de terem as coisas que necessitam. A pobreza leva à depressão e ao medo. Não é a vontade de Deus que você viva na escravidão da pobreza. É hora de Deus acabar com a escravidão das dívidas e da pobreza no meio do seu povo! É chegado o momento da liberação de uma unção financeira especial, que quebrará as cadeias da escassez e o capacitará a colher com abundância!" (Bíblia de Estudo Batalha Espiritual e Vitória Financeira)

É uma frase bastante equivocada teologicamente. Nos artigos indicados abaixo há explicações bem fundamentadas a respeito.

Mas um amigo me chamou atenção para um detalhe: a palavra "pobreza" costuma ser usada para traduzir a palavra "poverty" do inglês, que significa "miséria".

Se o tradutor usasse a palavra miséria ficaria assim:
"Miséria é escravidão! Ela amarra as pessoas, impedindo-as de terem as coisas que necessitam. A miséria leva à depressão e ao medo. Não é a vontade de Deus que você viva na escravidão da miséria. É hora de Deus acabar com a escravidão das dívidas e da miséria no meio do seu povo! É chegado o momento da liberação de uma unção financeira especial, que quebrará as cadeias da escassez e o capacitará a colher com abundância!"

Nesse caso a frase soaria mais bíblica, tirando a parte que fala da "unção financeira especial".

Pobre é aquele que tem apenas e somente o essencial para viver.
Miserável é aquele que não tem nem o essencial para viver.


Um cristão fiel pode ser pobre a vida toda, ou seja, ficar na pobreza permanentemente.
Um cristão fiel também pode enfrentar tempos de miséria, mas não ficar na miséria permanente.
Mesmo nos casos extremos de Jó e do Apóstolo Paulo a miséria foi algo temporário.
Nenhum servo de Deus na Bíblia ficou na miséria a vida toda.
Não sei se houve mesmo erro de tradução, mas o uso de "pobreza" ou "miséria" mudam totalmente o sentido da frase.

-------------------------
ARTIGOS INDICADOS:
Recomendo 3 artigos do Pr. Altair Germano (renomado teólogo da Assembléia de Deus) refutando os erros dessa Bíblia.

A POBREZA NA PERSPECTIVA DA BÍBLIA DE ESTUDO BATALHA ESPIRITUAL E VITÓRIA FINANCEIRA

A POBREZA NA PERSPECTIVA DA BÍBLIA DE ESTUDO BATALHA ESPIRITUAL E VITÓRIA FINANCEIRA (02)

A BÍBLIA DE ESTUDO BATALHA ESPIRITUAL E VITÓRIA FINANCEIRA E A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

Minha sugestão pra quem quer comprar uma Bíblia de Estudo é que comprem a Bíblia de Estudo Pentecostal: essa sim é extremamente bíblica e ortodoxa!

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Ortodoxia Graciosa

Ortodoxia Graciosa...


Creio:
que haverá católicos, ortodoxos e protestantes salvos...
que haverá trinitarianos, unitaristas (Testemunhas de Jeová) e unicistas (Voz da Verdade) salvos...
que haverá adventistas salvos...
que haverá membros da Congregação Cristã salvos...
que haverá membros da Universal salvos...
que haverá judeus messiânicos salvos...
que haverá cessacionistas e pentecostais salvos...
que haverá pelagianos, calvinistas e arminianos salvos...
que haverá crentes hedonistas (TdP) e ascéticos salvos...
que haverá crentes com gravata e crente-sktatistas sendo salvos...
que haverá evangelicais e fundamentalistas salvos... talvez até alguns liberais...

Creio que haverá salvos de todas as vertentes cristãs...

Ao falar isso alguns podem pensar: o pastor pirou!!
Ou ainda: o pastor abandonou a ortodoxia...

Nada disso! Continuo mais ortodoxo que nunca.

Continuo batalhando pela fé uma vez dada aos santos e combatendo todas as heresias e ventos de doutrina...
Defendo a sã doutrina, pois ela é o melhor caminho para se viver a vida cristã sem distrair-se com frivolidades.

Uma pessoa que abraça a Teologia da Prosperidade, por exemplo, tem muito mais chance de decepcionar-se do que alguém que abraça a sã doutrina.

Por outro lado:
- A salvação depende única e exclusivamente do relacionamento pessoal com o Senhor Jesus.
- Crer não é apenas aceitar uma série de dogmas ou doutrinas... é entregar-se a Jesus, o Jesus da Bíblia. É ter um relacionamento pessoal com Jesus Cristo, ter uma vida santa e frutífera!

Jo:17:3: E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.
Romanos:10:9-10: A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.
Heb:12:14: Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor;


Um pelagiano pode estar equivocado em alguns pontos doutrinários e contudo ter um relacionamento pessoal com Jesus Cristo, uma vida santa e frutífera!
Um cessacionista também... um unicista também... etc...

Apesar de haver testemunhas de Jeová ou católicos salvos isso não é mérito da instituição, mas é a graça de Deus alcançando corações rendidos a Ele.
(Essas duas instituições são seitas e seus líderes falsos profetas!)

Por menor ou mais equivocado que seja o entendimento teológico de uma pessoa, se ela entregou-se ao Senhor, isso basta!

Evidente que tem que ser uma entrega verdadeira.
E estou falando de diferenças cristãs que não comprometem a verdade central de que Jesus é o único caminho!

Outro ponto importante: é mais fácil encontrarmos salvos onde a sã doutrina é pregada.

Por isso continuemos combatendo as heresias: o unitarismo dos TJs, o unicismo da Voz da Verdade, a idolatria dos católicos, os erros doutrinários do adventismo, o sincrentismo da Universal, o separatismo da Congregação Cristã, a frieza dos ortodoxos e cessacionistas, o anti-intelectualismo dos fundamentalistas, a heterodoxia dos liberais...

Sem perder de vista que a salvação é pela graça.
Sola gratia.

Cleber Cabral Siedschlag
PS.: Não pactuo com o livro “Uma Ortodoxia Generosa” de Brian McLaren onde (pelo que tenho ouvido) busca-se rever conceitos ortodoxos sobre a salvação. Creio piamente na salvação exclusiva através de Jesus Cristo, mas creio que uma pessoa pode ter uma relação com Jesus mesmo em grupos teologicamente questionáveis.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Nem toda música cristã é louvor

DEUS AGE ATRAVÉS DO LOUVOR E DE OUTRAS MÚSICAS TAMBÉM

Todos sabem que louvar a Deus não é algo restrito à música.
Podemos louvar em oração, louvar com o corpo, com danças, etc...

No entanto, nos cultos sempre há um período de músicas que chamamos genericamente de "Louvor".
É sobre as músicas que quero falar.
Nem toda música que cantamos no culto é realmente um louvor.


Há vários tipos de músicas cantadas num culto:
- Louvor: músicas que benzizem ao Senhor.
Ex.: Louvem e exaltem ao Senhor, Minha alma engrandece ao Senhor, Mais perto quero estar meu Deus de Ti...

- Adoração: músicas que glorificam a Deus intimamente.
Ex.: Quero adorar..., Jesus em Tua Presença, Poderoso Deus, Tu és Soberano sobre a terra, Grandioso és Tu

- Busca do Espírito Santo: oração para receber o enchimento do Espírito.
Ex.: Derrama Tua Shekiná, Espírito enche a minha vida, Vem Espírito Santo visitar...
- Orações Cantadas: falando com Deus.
Ex.: Venho Senhor minha vida oferecer, Quero ser como criança, Envia Tua unção para curar...
- Comunhão: músicas onde declaramos nosso amor aos irmãos.
Ex.: Como é precioso irmão, Eu quero ser uma bênção pra você...

- Declaração de Fé: músicas onde exercitamos ou reafirmamos nossa fé.
Ex.: Eu creio que tudo é possível, Hoje o meu milagre vai chegar, É hoje, Eu vejo a glória do Senhor hoje aqui, Sei que os Teus olhos sempre atentos.
- Exposição de Histórias Bíblicas: músicas que contam acontecimentos bíblicos
Ex.: Era seu nome Barnabé, natural de Chipre, Vem com Josué lutar em Jericó

- Exposição de Verdades Bíblicas: músicas que reafirmam promessas da Bíblia.
Ex.: Eu te farei como um jardim fechado, Creio nas promessas de sonhos e visões, Não temas, Quero que valorize o que você tem.
- Batalha Espiritual: músicas onde exercemos autoridade espiritual sobre os demônios.
Ex.: Caiam por terra agora os inimigos de Deus, Levanta-te...fujam diante de Ti teus inimigos..., Persegui os inimigos e os alcancei...

- Evangelismo: apresentando as boas novas aos perdidos.
Ex.: Vem desfrutar do amor de Deus, Deixa tudo então vem, Você não tem uma vida bacana igual a minha, Só o poder de Deus pode mudar teu ser...

IMPORTANTE: Não existe Batalha espiritual através de músicas de Louvor.
É verdade que louvor liberta (Atos 19). A gente apenas louva e Deus age (2 Crônicas 20).
Mas as músicas de Batalha Espiritual não são louvor e sim músicas onde usamos a autoridade espiritual (1 Samuel 16).

Não confunda músicas de batalha espiritual com músicas de louvor.

ALGUNS TEXTOS INTERESSANTES SOBRE MÚSICA CRISTÃ:
1 CRONICAS 25
1Chr:25:1: E DAVI, juntamente com os capitães do exército, separou para o ministério os filhos de Asafe, e de Hemã, e de Jedutum, para profetizarem com harpas, com címbalos, e com saltérios; e este foi o número dos homens aptos para a obra do seu ministério:
1Chr:25:2: Dos filhos de Asafe: Zacur, José, Netanias, e Asarela, filhos de Asafe; a cargo de Asafe,
que profetizava debaixo das ordens do rei Davi.
1Chr:25:3: Quanto a Jedutum, os filhos: Gedalias, Zeri, Jesaías, Hasabias, e Matitias, seis, a cargo de seu pai, Jedutum, o qual profetizava com a harpa, louvando e dando graças ao SENHOR.
1Chr:25:4: Quanto a Hemã, os filhos: Buquias, Matanias, Uziel, Sebuel, Jerimote, Hananias, Hanani, Eliata, Gidalti, Romanti-Ezer, Josbecasa, Maloti, Hotir, e Maaziote.
1Chr:25:5: Todos estes foram filhos de Hemã, o vidente do rei nas palavras de Deus, para exaltar o seu poder; porque Deus dera a Hemã catorze filhos e três filhas.
1Chr:25:6: Todos estes estavam sob a direção de seu pai, para a música da casa do SENHOR, com saltérios, címbalos e harpas, para o ministério da casa de Deus; e Asafe, Jedutum, e Hemã, estavam sob as ordens do rei.
1Chr:25:7: E era o número deles, juntamente com seus irmãos instruídos no canto ao SENHOR, todos eles mestres, duzentos e oitenta e oito.
1Chr:25:8: E deitaram sortes acerca da guarda igualmente, assim o pequeno como o grande, o mestre juntamente com o discípulo.
1Chr:25:9: Saiu, pois, a primeira sorte a Asafe, a saber a José; a segunda a Gedalias; e ele, e seus irmãos, e seus filhos, ao todo eram doze.

2 REIS 3
2Kgs:3:14: E disse Eliseu: Vive o SENHOR dos Exércitos, em cuja presença estou, que se eu não respeitasse a presença de Jeosafá, rei de Judá, não olharia para ti nem te veria.
2Kgs:3:15: Ora, pois, trazei-me um músico. E sucedeu que, tocando o músico, veio sobre ele a mão do SENHOR.
2Kgs:3:16: E disse: Assim diz o SENHOR: Fazei neste vale muitas covas.
2Kgs:3:17: Porque assim diz o SENHOR: Não vereis vento, e não vereis chuva; todavia este vale se encherá de tanta água, que bebereis vós, o vosso gado e os vossos animais.
2Kgs:3:18: E ainda isto é pouco aos olhos do SENHOR; também entregará ele os moabitas nas vossas mãos.

1 SAMUEL 10
1Sm:10:1: ENTÃO tomou Samuel um vaso de azeite, e lho derramou sobre a cabeça, e beijou-o, e disse: Porventura não te ungiu o SENHOR por capitão sobre a sua herança?
1Sm:10:2: Apartando-te hoje de mim, acharás dois homens junto ao sepulcro de Raquel, no termo de Benjamim, em Zelza, os quais te dirão: Acharam-se as jumentas que foste buscar, e eis que já o teu pai deixou o negócio das jumentas, e anda aflito por causa de vós, dizendo: Que farei eu por meu filho?
1Sm:10:3: E quando dali passares mais adiante, e chegares ao carvalho de Tabor, ali te encontrarão três homens, que vão subindo a Deus a Betel; um levando três cabritos, o outro três bolos de pão e o outro um odre de vinho.
1Sm:10:4: E te perguntarão como estás, e te darão dois pães, que tomarás das suas mãos.
1Sm:10:5: Então chegarás ao outeiro de Deus, onde está a guarnição dos filisteus; e há de ser que, entrando ali na cidade, encontrarás um grupo de profetas que descem do alto, e trazem diante de si
saltérios, e tambores, e flautas, e harpas; e eles estarão profetizando.

1Sm:10:6: E o Espírito do SENHOR se apoderará de ti, e profetizarás com eles, e tornar-te-ás um outro homem.
1Sm:10:7: E há de ser que, quando estes sinais te vierem, faze o que achar a tua mão, porque Deus
é contigo.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Usos e Costumes

Usos e Costumes - o que a Bíblia diz!
No Brasil impressiona a quantidade de costumes inventados pelas igrejas. Por isso é bom avaliarmos o que realmente a Bíblia diz.

Leia esse artigo.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Padrões Litúrgicos

Como os críticos gostam de descrever os acontecimentos nos cultos pentecostais! Como se regozijam de se referir à maneira de eles tremerem, clamarem, dançarem, caírem e, então, dirigindo-se ao interessado perguntar seriamente: “isso tem alguma coisa em comum com o relato calmo e solene das Escrituras?”. O interessado, se for um verdadeiro estudante das Escrituras, pode retrucar: "A qual relato calmo e solene das Escrituras se refere? Ao relato do Pentecostes, quando as manifestações extraordinárias e barulhentas levaram os zombadores a dizerem: “Estão embriagados?” Ou refere-se a história da cura do coxo, que deu “um salto, pôs-se em pé e, começou a andar; e entrou no templo, andando, saltando e louvando a Deus?” Ao relato em Atos 4, onde os discípulos “levantaram unanimemente a voz?” A Saulo que caiu sob o poder de Deus? Ao regozijo e louvor a Deus em alta voz da multidão na entrada triunfal, o qual o Senhor Jesus apoiou, dizendo: “Declaro-vos que, se estes se calarem, as pedras clamarão"?

Carl Brumback no livro “Que Quer Isto Dizer? (O S. Boyer, 1960)

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Evangélico e Evangelical

Evangélico e Evangelical

Como todos sabem, os protestantes surgiram no século XVI.
Os evangelicais surgiram no século XVIII como um movimento dentro do protestantismo.
(http://www.britannica.com/EBchecked/topic/196819/Evangelical-church)
O Evangelicalismo tem raíz no Pietismo germânico e no Metodismo britânico. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Evangelical)

Estive estudando um pouco a etmologia das palavras e descobri algumas coisas interessantes:

Na língua alemã existia a palavra "Evangelisch" usada para as igrejas protestantes (territoriais) nascidas no século XVI.
A partir do século XVIII surgiu o termo alemão "Evangelikal" para designar o movimento evangelical.

Na língua portuguesa o termo "evangélico" era usado pelas igrejas reformadas do século XVI (ex.: Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil).
E a partir do século XVIII surgiu o termo "evangelical" em português para designar o movimento evangelical.

Na língua inglesa as igrejas do século XVI eram chamadas apenas de protestantes ou reformadas.
Só a partir do século XVIII é que surgiu o termo "Evangelical" na lingua inglesa (inicialmente para designar o movimento evangelical).

USO COMUM DOS TERMOS

Hoje na Alemanha o termo "Evangelisch" é usado para os protestantes das igrejas ligadas ao Estado e também para algumas igrejas livres (como a Metodista).
O termo "Evangelikal" é bastante usado e serve para designar o movimento evangelical.

Hoje no português o termo "evangélico" é usado para os protestantes de qualquer vertente.
O termo "evangelical" é menos usado e serve para designar o movimento evangelical.

Hoje no inglês o termo "evangelical" é usado para os protestantes de qualquer vertente.
Não existe um termo para designar apenas o movimento evangelical.

Ou seja, o alemão preserva os significados originais dos termos.
O português ampliou o significado da palavra evangélico/evangelisch.
E no inglês o termo "evangelical" ganhou uma conotação mais abrangente.

PS.1: Ainda não conclui essa pesquisa - se alguém quiser contribuir fique a vontade...
PS.2: Revisei o meu post "Sou Evangelical" em função dessa pesquisa.
PS.3: Veja as diferenças aqui.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Os Cristãos e a Responsabilidade Social

Os Cristãos e a Responsabilidade Social
Muitas pessoas questionam se nós conservadores estamos engajados na transformação social.

Com certeza que sim! Além da pregação do evangelho que transforma realidades (liberta viciados, restaura casamentos, muda o caráter de bandidos, etc), do discipulado que ensina a pessoa a melhorar de vida (moral, casamento, finanças etc), e da solidariedade praticada por muitos cristãos (assistencialismo), existem muitas ações estruturadas de inclusão social promovidas por conservadores.

A atuação social costuma ser classificada em dois níveis:
  • Assistencialismo é a ação de pessoas, organizações governamentais e entidades sociais junto às camadas sociais mais desfavorecidas, marginalizadas e carentes, caracterizada pela ajuda momentânea, filantrópica, pontual (doações de alimentos e medicamentos, por exemplo). Tal prática, desprovida de teoria, não é capaz de transformar a realidade social das comunidades mais pobres, pois atende apenas às necessidades individuais e a ajuda é feita por meio de doações. A falta de mudanças estruturais significativas não tira os necessitados da condição de carentes, pois não há elaboração projetos e políticas assistenciais.
  • Inclusão social é o conjunto de meios e ações que combatem a exclusão aos benefícios da vida em sociedade, provocada pela classe social, educação, idade, deficiência, sexualidade, preconceito social ou preconceitos raciais. São ações que de fato melhoram a vida das pessoas. Podem ser promovidas por Igrejas, ONGs ou mesmo na esfera política e legal.
Costuma-se dizer:
- Assistencialismo = dar o peixe.
- Inclusão social = ensinar a pescar.

A ação social sempre foi uma marca forte do cristianismo.
Vejamos alguns exemplos:

Exemplos de Lutas Sociais Vencidas no Passado- Instituição do Descanso Dominical;
- Fundação dos primeiros Hospitais;
- Criação das primeiras Universidades;
- Pioneiros da luta pela abolição da escravatura (leia sobre William Wilbeforce ou assista o filme Jornada pela Liberdade: https://www.youtube.com/watch?v=Yi-mjcxHgZI);
- Luta por melhores condições de trabalho e diminuição da carga horária (veja ações do General do Exército de Salvação dentre outros);
- Formação dos “Alcoólatras Anônimos”;

Lutas Sociais Atuais
- Combate às Drogas, Pedofilia, Aborto, Ideologia de Gênero, Legalização da Prostituição, Racismo, Liberação das Drogas e Casamento Gay (via Militância Política e Conscientização);
- Fim do Sacrifício de Bebês Indígenas (que eram enterrados vivos - veja o site: http://www.hakani.org/pt/ ou o Documentário Hakanihttps://www.youtube.com/watch?v=YASOnDpCTb8)
- Recuperação de Dependentes Químicos através do evangelho e de Centros de Recuperação (Veja o  clássico filme A Cruz e o Punhal: https://www.youtube.com/watch?v=SJDDs-rfqyo);
- Recuperação e Ressocialização de Presidiários através do evangelismo;
- Orfanatos que recebem crianças em situação de risco (além de cristãos que resolvem adotar crianças de rua como a Mãe Abigail, Flordelis e muitos outros). Veja alguns filmes sobre isso:
O texto a seguir conta um pouco do que Jesus e a igreja primitiva faziam em termos solidários. Serve para refletirmos em nosso papel como cristãos e como igreja.

A Prática de Jesus
Jesus estabeleceu uma comunidade de discípulos cujo relacionamento se baseava no amor e na partilha.
- Essa comunidade dispunha de uma bolsa comum onde eram recolhidas ofertas/doações que eram administradas por Judas Iscariotes. Dessa bolsa, sob as ordens de Jesus eram feitas doações aos pobres (cf. Jo 12:6; 13:29). Algumas mulheres seguidoras do Mestre colocavam seus bens a serviço dessa causa (cf. Mc 15:40,41; Lc 8:1-3).

- A proposta de Jesus ao jovem rico (Lc 19:16-22). Aqui Jesus propõe ao jovem uma alteração radical no seu estilo de vida que trazia implicações profundas na área financeira: repartir com os pobres.

- A multiplicação dos pães e dos peixes (Mc 6:30-44). Ao multiplicar estes elementos Jesus se utiliza do pouco que alguém se dispôs a partilhar. Partilhar o que se tem mexe com o nosso egoísmo.

O Exercício dos Ministérios Sociais nos Primeiros Tempos da Igreja A preocupação com ministérios sociais é natural à fé cristã e essa marca distinguiu os cristãos desde o princípio. Nos primeiros três séculos da Igreja essa preocupação se configurou no surgimento de diversas atividades cujo objetivo era socorrer pessoas em situações extremas (viúvas, órfãos, encarcerados, etc.).

- Socorro a órfãos e viúvas – as comunidades cristãs assumiram como tarefa básica de seus líderes “cuidar daqueles que não tinham ninguém mais para tomar-lhes conta” (HINSON & SIEPIERSKI, s/d., p. 94), cf. Tg 1:27. Por volta de 217, Hipólito testava candidatos ao batismo no socorro dispensado às viúvas. Nesse período o infanticídio e o abandono de crianças eram ocorrências comuns no Império Romano. As comunidades cristãs então, envolveram-se na tarefa de recolher e cuidar das crianças abandonadas.

- Socorro aos doentes, miseráveis e debilitados – Para atender “empobrecidos e negligenciados (...) as igrejas estabeleceram uma estrutura no diaconato...” (HINSON & SIEPIERSKI, s/d., p.95). Para aqueles irmãos negligenciar os pobres era grave pecado e o Didaquê (Manual da Igreja Cristã Primitiva) denominou a falta de atenção aos pobres como “o caminho da morte”.

- Apoio aos encarcerados e cativos – “Justino classificou a visitação de prisioneiros entre as funções regulares dos diáconos de seu tempo” (idem, p.95). Eventualmente, alguns cristãos se colocaram em prisão para libertar outros. Clemente de Roma, afirma que muitos cristãos se ofereceram como prisioneiros para libertar outros (cf. HINSON & SIEPIERSKI, s/d. p. 95)

- Sepultamento de indigentes – providenciar os meios para que pessoas pobres fossem sepultadas dignamente.

- Arranjando empregos eticamente corretos – quando um indivíduo tinha um trabalho eticamente questionável (gladiadores, por exemplo), a Igreja procurava outro emprego para ele. Quando o emprego não era encontrado imediatamente as igrejas sustentavam essas pessoas através de um fundo comum até que a situação fosse resolvida.

- Socorro em tempos de calamidades – quando ocorriam situações de emergências como períodos de escassez de alimentos (II Co 8,9), enchentes, etc. os cristãos sentiam-se naturalmente movidos a buscar meios para amenizar as conseqüências de tais episódios na população, especialmente, os mais pobres.

[Fonte: Os Evangélicos e a Responsabilidade Social - Pr. Adenilson Ribeiro de Oliveira]
Além disso, há outros relatos interessantíssimos:

- Por volta de 125 A.D. o filósofo Aristides descreve o seguinte quadro cristão:
Eles andam em humildade e bondade; Não existe falsidade entre eles; amam uns aos outros. Não desprezam as viúvas, nem molestam o órfão. Aquele que tem dá liberalmente para o que não tem. Se encontram um estrangeiro, logo lhe dão colhida e se alegram com ele como se fosse um irmão: não na carne, mas no espírito, em Deus. Quando um de seus pobres passa deste mundo e um deles é informado, logo toma providências para o seu sepultamento, conforme estiver ao seu alcance. E se ouvem que alguém entre eles é preso por causa do nome do seu Messias, todos providenciam para as suas necessidades; e, se é possível que seja posto em liberdade, esforçam-se por conseguí-lo. Se há alguém entre eles pobre e necessitado, não tendo em abundância o de que necessita, jejuam dois ou três dias para suprirem-no com o alimento de que precisa.

- Por volta do ano de 250 A.D a igreja em Roma sustentava 1500 pessoas carentes, algo singular no antigo Império Romano.

[Fonte: Cristãos Ricos em Tempos de Fome, página 113 – Ronald J. Sider]

Profecias sobre o Messias: Jesus!

Profecias do AT sobre o Messias: Jesus as cumpriu!

Salmo do rei Davi, onde Ele chama o Messias de Senhor e Sacerdote:
Sl:110:1: DISSE o SENHOR ao meu Senhor: Assenta-te à minha mão direita, até que ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés.
Sl:110:2: O SENHOR enviará o cetro da tua fortaleza desde Sião, dizendo: Domina no meio dos teus inimigos.
Sl:110:3: O teu povo será mui voluntário no dia do teu poder; nos ornamentos de santidade, desde a madre da alva, tu tens o orvalho da tua mocidade.
Sl:110:4: Jurou o SENHOR, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque.
Sl:110:5: O Senhor, à tua direita, ferirá os reis no dia da sua ira.
Sl:110:6: Julgará entre os gentios; tudo encherá de corpos mortos; ferirá os cabeças de muitos países.
Sl:110:7: Beberá do ribeiro no caminho, por isso exaltará a cabeça.


Profecia de Isaías sobre o Messias ensinando a justiça e curando:
Is:42:1: EIS aqui o meu servo, a quem sustenho, o meu eleito, em quem se apraz a minha alma; pus o meu espírito sobre ele; ele trará justiça aos gentios.
Is:42:2: Não clamará, não se exaltará, nem fará ouvir a sua voz na praça.
Is:42:3: A cana trilhada não quebrará, nem apagará o pavio que fumega; com verdade trará justiça.
Is:42:4: Não faltará, nem será quebrantado, até que ponha na terra a justiça; e as ilhas aguardarão a sua lei.
Is:42:5: Assim diz Deus, o SENHOR, que criou os céus, e os estendeu, e espraiou a terra, e a tudo quanto produz; que dá a respiração ao povo que nela está, e
o espírito aos que andam nela.
Is:42:6: Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, e te tomarei pela mão, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, e para luz dos gentios.
Is:42:7: Para abrir os olhos dos cegos, para tirar da prisão os presos, e do cárcere os que jazem em trevas.
Is:42:8: Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura.
Is:42:9: Eis que as primeiras coisas já se cumpriram, e as novas eu vos anuncio, e, antes que venham à luz, vo-las faço ouvir.

Profecia de Isaías sobre o sofrimento do Messias:
Is:52:13: Eis que o meu servo procederá com prudência; será exaltado, e elevado, e mui sublime.
Is:52:14: Como pasmaram muitos à vista dele, pois o seu parecer estava tão desfigurado, mais do que o de outro qualquer, e a sua figura mais do que a dos outros filhos dos homens.
Is:52:15: Assim borrifará muitas nações, e os reis fecharão as suas bocas por causa dele; porque aquilo que não lhes foi anunciado verão, e aquilo que eles não ouviram entenderão.

Profecia de Isaías sobre o Messias morrendo pelos pecados do povo:
Is:53:1: QUEM deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do SENHOR?Is:53:2: Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos.
Is:53:3: Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.
Is:53:4: Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.
Is:53:5: Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
Is:53:6: Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.
Is:53:7: Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca.
Is:53:8: Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; pela transgressão do meu povo ele foi atingido.
Is:53:9: E puseram a sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte; ainda que nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca.
Is:53:10: Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do SENHOR prosperará na sua mão.
Is:53:11: Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniqüidades deles levará sobre si.
Is:53:12: Por isso lhe darei a parte de muitos, e com os poderosos repartirá ele o despojo; porquanto derramou a sua alma na morte, e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores.

Profecia de Miquéias sobre o local de nascimento do Messias:
Mi:5:2: E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.
==> Efrata é o antigo nome da cidade de Belém, conforme Gênesis 35.16-19; 48.7; Rute 1.2; 4.11. A profecia de Miquéias define qual seria a cidade natal do Messias, distinguindo-a de outras cidades com o mesmo nome, para que não pairasse dúvida. Por exemplo, havia uma cidade chamada Belém, dentro do território da tribo de Zabulom (Js 19.15).

Profecia de Daniel sobre a data em que o Messias viria:
Dn:9:24: Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo.
Dn:9:25: Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos.
Dn:9:26: E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações.
==> Em Daniel cada semana equivale a 7 anos. Sendo assim, temos 483 anos (69 semanas) desde a ordem de restaurar Jerusalém até o aparecimento do Messias. Essa ordem para reedificar a cidade aconteceu em 457aC (leia Esdras 7).
Fazendo as contas temos que o Messias apareceria em 26dC, que foi o ano em que Jesus iniciou seu ministério. Seu ministério durou 3 anos e Ele foi crucificado em 29dC com 33 anos.
(Lembre que Jesus nasceu em 4aC pois há um erro de cálculo em nosso calendário).

E depois que o Messias fosse cortado (isto é, crucificado - Is:53:8) a cidade e o Templo seriam destruídos pelo povo do príncipe. Isso aconteceu em 70dC quando Jerusalém foi destruída pelos romanos. Mais um profecia cumprida.

Ou seja, o AT fala claramente a data em que o Messias viria e que a crucificação aconteceria antes da destruição de Jerusalém. Sendo assim, como alguém pode negar que Jesus é o Messias prometido?

sábado, 3 de janeiro de 2009

Jesus PODE Salvar a Todos

Jesus PODE Salvar a Todos

Os arminianos costumam dizer que Jesus tornou a salvação possível ou acessível a todos.
Mt:18:11: Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido.

Os calvinistas alegam que Jesus veio para salvar, e não para tornar a salvação possível.
No entanto, a Bíblia esclarece que embora a vontade de Deus seja salvar a todos os perdidos (Mt 18.11), Ele só PODE salvar aqueles que se achegam a Deus (isto é, aqueles que respondem ao chamado do Espírito Santo):

Heb:7:24: Mas este, porque permanece eternamente, tem um sacerdócio perpétuo.
Heb:7:25: Portanto, PODE também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles.
Heb:7:26: Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais sublime do que os céus;

VAMOS À LÓGICA: Os calvinistas alegam que sempre que a Bíblia afirma que Jesus veio salvar, significa salvar "efetivamente" e não apenas tornar a salvação possível.

Se aplicarmos essa regra ao verso de Mt:18:11 (Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido) teríamos que defender então que Jesus vai salvar todos os perdidos efetivamente.

Isso chama-se universalismo e é algo que os calvinistas discordam. Mas o argumento calvinista leva ao universalismo sem eles perceberem.

O arminiano afirma que Jesus veio tornar a salvação possível a todos os perdidos. Isso quebra qualquer possibilidade de universalismo.

1Tm:4:10: Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no DEUS vivo, que é o SALVADOR DE TODOS OS HOMENS, principalmente dos fiéis.