Não fui reformado! Fui transformado por Deus!

Nesse blog não fazemos proselitismo. Esse é um blog pentecostal voltado para pentecostais.
Veja na Bíblia os 5 PONTOS DO ARMINIANISMO. E veja aqui mais itens sobre Arminianismo.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Fervor Espiritual

SEJAM FERVOROSOS!!
Rom 12:11 Nunca lhes falte o zelo, sejam fervorosos no espírito, sirvam ao Senhor.

Fervor é algo que se percebe exteriormente.
A palavra fervor quer dizer: desejo muito intenso; entusiasmo; paixão.
Fervoroso, vem literalmente de ferver. Precisamos ferver em Espírito. 

Em outras palavras:
- Nunca lhes falte a dedicação ardente;
- Nunca lhes falte a paixão;

A Bíblia fala de um homem que era fervoroso - seu nome era Apolo (Atos 18:24-28). Note que todos perceberam exteriormente o fervor de Apolo mesmo sem conhecer muito sobre sua vida!

As pessoas também notaram quando Elias orou com fervor (paixão / intensidade).
Tiago 5:17 Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não chovesse, e não choveu sobre a terra durante três anos e meio.

Ninguém se envergonhe, portanto, de sua ebulição na dedicação ao Senhor!

Veja mais aqui:
http://www.geracaojosue.com.br/mensagens/sede-fervorosos/

IMPORTANTE: não estou me referindo a um esteriótipo específico como sendo fervor. Refiro-me a fervor como exalar paixão (intensidade) seja na pregação, na oração, etc.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Perda da Salvação

Perda da Salvação


É possível alguém rejeitar a fé mesmo depois de tê-la abraçado.
-1Tm:1:19-20: Conservando a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé. E entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar.
-1Tm:5:15: Porque já algumas se desviaram, indo após Satanás.

Quem se desvia fica num estado pior que antes de se converter:
-2Pe:2:20: Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se lhes o último estado pior do que o primeiro.
Demas era cooperador de Paulo e se desviou completamente:
  • Col:4:14: Saúda-vos Lucas, o médico amado, e DEMAS.
  • Fil:1:24: Marcos, Aristarco, DEMAS e Lucas, meus cooperadores.
  • 2Tm:4:10: Porque DEMAS me desamparou, amando o presente século, e foi para Tessalônica.
É possível não perseverar até o fim:
-Ap:2:10: Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.
-Heb:10:38: Mas o justo viverá da fé; e, SE ELE RECUAR, a minha alma não tem prazer nele.
-Col:1:23: SE PERMANECERDES fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho...
-Heb:3:12: Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para SE APARTAR do Deus vivo.
-João:15:6: SE alguém não estiver em mim, será lançado fora.
-1Cor:15:2: Pelo qual também sois salvos SE O RETIVERDES tal como vo-lo tenho anunciado; se não é que crestes em vão.
Não perdemos a salvação a cada pecado. Perde-se quando a pessoa nega o senhorio de Cristo (verbalmente ou voltando à velha vida de pecado).
  • Negar a Cristo é rejeitar o senhorio de Cristo sobre sua vida.


passos da apostasia:
1.O crente deixa de se alimentar da Palavra (Rom 10.17), relaxa na oração, para de jejuar, começa a faltar aos cultos e célula...
qO resultado é que o crente esfria na fé (1Tes:5:17; Ef 5.18);
2.Pára de viver em santidade – aceita alguns “pecadinhos” (Lc 8.13);
qEntristece o Espírito Santo (Ef 4.30);
3.Não se arrepende e continua pecando (1Jo:1:6; Mc 1.15);
qO coração começa a endurecer (Heb 3.7-8);
qResiste ao Espírito Santo (Atos 7.51);
4.Torna-se mais tolerante ao pecado (Heb 12.1,4);
qVai apagando o Espírito Santo (1Tes:5:19);
5.Volta à velha vida de pecado (2 Pe 2.20);
qO coração vai endurecendo cada vez mais (Heb 3.12);
6.Deixa de ser habitado pelo Espírito Santo (Rom 8.13; Jz 16.20);
qEm alguns casos esse último passo é acompanhado de blasfêmia ao Espírito Santo – nesse caso a pessoa não tem mais perdão – Mt 12.31.

Observações Importantes:
- Não se perde a salvação a cada pecado. Isso é um caso extremo quando a pessoa escolhe apostatar.
- Uma pessoa que se desvia e reconcilia várias vezes (some e reaparece na igreja) na verdade nunca nasceu de novo. Apenas aderiu à igreja por um tempo. Precisa se converter de verdade.
- Alguns se desviam por abraçar heresias de perdição: 2 Pedro 2.2 E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Arrependimento Genuíno

ARREPENDIMENTO GENUÍNO
Marcos 1:15 "O Reino de Deus está próximo. Arrependam-se e creiam nas boas novas!" 

FALSOS CONCEITOS SOBRE ARREPENDIMENTO:
a. Não é convicção de pecados. (Atos 24.24-25). A convicção precede o arrependimento, mas nem todos os que são convictos se arrependem (Judas).
b. Não é a tristeza do mundo (II Coríntios 7.10). A tristeza do mundo simplesmente é tristeza “por ter sido pego”, mas não é arrependimento pelo crime cometido.
c. Não é reformar-se. Reformar-se é mudar de vida. Arrependimento genuíno é mudar de atitude pela tristeza de ter ofendido a Deus com nosso pecado.
d. Não é ser religioso. Os fariseus nos dias de Cristo eram extremamente religiosos, no entanto eram hipócritas. Nunca experimentaram o arrependimento, antes, crucificaram a Jesus (Mateus 5.20; Mateus 3.7-12).
e. Não é só crendice ou fé mental. Fé mental é apenas uma aceitação mental e um reconhecimento de um conjunto de credos ou doutrinas, mas sem uma mudança de vida (Tiago 2.19-20).

CONCEITOS CORRETOS SOBRE ARREPENDIMENTO:
1 - Arrependimento é mudança de atitude (Marcos 1:14-15).
Atitude anterior: rebelião, independência > faço o que me dá na cabeça.
Atitude nova: submissão > dependência > estou sujeito a Cristo e Sua Palavra em tudo.

2 - Arrependimento é mudança de reino (Colossenses 1:13).
Situação anterior: Império das trevas > Vivo segundo o curso deste mundo e as paixões da carne > Miséria, tristeza, falsidade, sensualidade, briga, idolatria, lascívia, vícios, vingança, ódio, angústia, revolta, culpa.
Situação Nova: Reino da luz, reino do Filho do Seu amor > Vivo de acordo com Sua palavra e a Sua Vontade > Paz interior, prosperidade, liberdade, amor, perdão, amizade, pureza, alegria.

3 - Arrependimento é não ter mais prazer no pecado:
Situação Anterior: Natureza pecaminosa > Insensibilidade > Prazer no pecado > Vontade de continuar.
Situação Nova: Natureza recriada > Sensibilidade > Tristeza segundo Deus > Desejo por mudança > Vontade de vencer.

Os frutos do arrependimento evidenciam-se em:
a. Tristeza segundo Deus pelo pecado (II Coríntios 7.9-11)
b. Confissão de pecado (Salmo 32.1-5; I João 1.9)
c. Renúncia do pecado (Provérbios 28.13)
d. Ódio ao Pecado (Ezequiel 36.31-33)

O fruto envolve restituição quando for possível. (Levíticos 6.1-7; Lucas 19.8). Sem a manifestação destes frutos, não há arrependimento bíblico genuíno.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Dom de Línguas no Culto 2

ADORAÇÃO EM LÍNGUAS NO CULTO
É lícito que num momento de louvor do culto muitas pessoas adorem a Deus em línguas estranhas?

Hoje no meio teológico há uma tendência de querer limitar o uso do dom de línguas para que apenas 2 ou 3 pessoas possam falar em línguas e somente se houver interpretação. Ou seja, dessa forma praticamente se extingue a manifestação do dom no culto.

Escrevi sobre isso dias atrás:

Mas hoje quero apresentar a opinião de um dos maiores teólogos pentecostais. Abraço a mesma posição que Stanley Horton defende em sua teologia sistemática:
"É possível que os cultos (em Corinto) tenham sido dominados pelas línguas (14.23), e parece que os que falavam em línguas interrompiam uns aos outros para entregar suas mensagens, sem interpretação (14.27,28)."

"Há uma pergunta fundamental a respeito dessa passagem. Estaria Paulo encorajando ou desencorajando períodos de adoração em que todos na assembleia falam em outras línguas?"

"Os coríntios não deveriam consumir a totalidade do horário falando "uns depois dos outros" em línguas. Há um limite de duas ou (no máximo) três expressões em línguas com interpretações (14.27). O propósito básico das línguas estranhas com interpretação é adorar a Deus e encorajar os outros a fazer o mesmo. Se uma congregação está disposta a adorar, não serão necessárias mais que duas ou três exortações para situá-la nesse propósito.
Em Atos 2.4, 10.44-46 e 19.6, vemos que todos falavam em línguas na adoração coletiva. Nenhuma interpretação é mencionada. A interpretação sem preconceitos de 1 Coríntios 14.2,22-25 não pode negar que todos adoravam em línguas ao mesmo tempo. Paulo e Lucas não se contradizem mutuamente."
"Se o propósito primário das línguas é louvar a Deus, as línguas com interpretação encorajarão as pessoas a adorar. Assim, recusar às pessoas a oportunidade de adorar a Deus em línguas parece uma contradição. Nesse caso, Paulo estaria dizendo: "Adorem com o entendimento na assembleia, mas não no Espírito. Somente duas ou três pessoas têm licença para aquela experiência". Que diremos das reuniões em que a oração é o tema principal na agenda? Ou das reuniões que visam encorajar os outros a receber a plenitude do Espírito? Ou dos momentos de pura celebração espiritual? Quando Deus nos toca, no meio de qualquer assembleia pública, nós correspondemos. Essa nossa resposta, no entanto, não deve atrair sobre nós mesmos qualquer atenção indevida.

O reavivamento pentecostal/carismático no mundo inteiro jamais se desculpou pela celebração espiritual genuína. Tem, sim, encorajado a adoração sincera. O espírito do indivíduo não é abafado pelo coletivo. Pelo contrário, é plenamente aproveitado no Corpo, com o devido controle. O dom de línguas não está limitado aos devocionais particulares. Pelo contrário, aprendemos no modelo da adoração pública a maneira de adorar em particular."
A maior parte dos pentecostais aceita a adoração em línguas no culto, embora restrinja o uso no púlpito. Essa é a tradição pentecostal predominante!

Pena que muitos teólogos pentecostais hoje queiram coibir o dom de línguas no culto. Pentecostais podem crescer em muitas áreas como o discipulado, mas não precisamos coibir a prática dos dons espirituais.