Não fui reformado! Fui transformado por Deus!

Nesse blog não fazemos proselitismo. Esse é um blog pentecostal voltado para pentecostais.
Veja na Bíblia os 5 PONTOS DO ARMINIANISMO. E veja aqui mais itens sobre Arminianismo.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Sou Evangelical

Sou Evangélico!!!

O cristianismo é usualmente dividido em 3 grandes grupos (católicos, ortodoxos e protestantes).
E no meio protestante existem 3 grandes movimentos:
- Evangelicalismo (evangelicais ou evangelicalistas);
- Liberalismo (liberais);
- Fundamentalismo (fundamentalistas);

(Mais detalhes aqui:http://confraria-pentecostal.blogspot.com/2008/07/3-grandes-movimentos-teolgicos.html)

No Brasil esses 3 movimentos, e também os grupos para-protestantes, são comumente designados como "evangélicos":
- A igreja Deus é Amor com todo o seu fundamentalismo é chamada de evangélica.
- A igreja Anglicana em sua vertente mais liberal também é chamada de evangélica.
- Até mesmo as igrejas-gay no Brasil são designadas como evangélicas.
- A igreja Universal com todo o seu sincrentismo e apelo financeiro também é referida como sendo evangélica.

Ou seja, o termo "evangélico" serve para designar todos os protestantes. Mas as seitas (Universal, Testemunhas de Jeová, Mómons, As Maravilhas de Jesus...) não deveriam ser designadas como evangélicas porque não são protestantes.
O resultado disso é que os legítimos "evangélicos" acabam sendo criticados injustamente. Acabamos sendo confundidos com grupos bastante questionáveis e dos quais também discordamos.

Atualmente quando alguém se identifica como evangélico logo se pensa em exploração financeira e manipulação. O movimento evangélico herdou esse estereótipo da Igreja Universal do Reino de Deus que nada tem de evangélica (no sentido estrito). Infelizmente esse estereótipo causa muita resistência na hora de pregarmos o evangelho genuíno.

Vale dizer que há países onde se apresentar como evangélico é visto como sinônimo de pessoa íntegra, honesta e decente. No Brasil o termo "evangélico" foi distorcido pelo uso indevido por parte das seitas.

Sou Evangelical!!!

Recentemente o Bispo Robinson Cavalcanti abordou esse tema no artigo: Pseudo-pentecostais: nem evangélicos, nem protestantes.
[http://www.ultimato.com.br/?pg=show_artigos&artigo=2177&secMestre=2271&sec=2289&num_edicao=314]

Há um "bloco histórico" formado por reformados e pentecostais, arminianos e calvinistas, que preservam a ortodoxia bíblica (contra os males do liberalismo e do fundamentalismo) e que prezam pela decência e integridade (repudiando todo tipo de exploração finaceira e comércio da fé).(Vide Manifesto pela Decência aqui:http://confraria-pentecostal.blogspot.com/2008/11/destaque-de-novembro-manifesto.html)

Esse "bloco histórico" precisa ser diferenciado dos demais de forma a facilitar nosso testemunho cristão. O Evangelicalismo (movimento evangelical) precisa ser devidamente percebido e distinguido pelos brasileiros.

Têm-se usado o termo "evangelicalista" ou "evangelical" para designar o evangelicalismo em contraste com o termo "evangélico" que tem conotação mais abrangente.
[Vide um exemplo: http://www.cristianismohoje.com.br/artigo.php?artigoid=33428]

Embora haja reformados "ortodoxos" que não se consideram parte do movimento evangelical, a grande maioria se identifica com esse movimento. Por exemplo: a Assembléia de Deus, a Igreja Batista (CBB) e a Igreja Presbiteriana do Brasil são evangelicais.

Pode-se dizer que todos os evangelicais são evangélicos, mas nem todos os evangélicos são evangelicais.
Por exemplo:
- a Igreja Deus é Amor é evangélica, mas não é evangelical.
- a Igreja Universal não é nem evangélica, nem protestante e muito menos evangelical.

Quando alguém lhe perguntar: "Qual sua religião?"
Você pode dizer: "Sou Evangelical. É uma vertente bíblica e íntegra dentro do segmento evangélico".
A menos é claro que você seja liberal, fundamentalista ou para-protestante (pseudo-pentecostal).

Para conhecer algumas diferenças clique aqui:
http://dl.dropbox.com/u/6819627/Confraria/Pentecostais/03_Quadro_Comparativo_Movtos.pdf.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

LIVRE-ARBÍTRIO

LIVRE-ARBÍTRIO

Uma pessoa que diz que livre-arbítrio e depravação humana são inconciliáveis provavelmente não sabe o que é livre-arbítrio! Não podemos cair no falso antagonismo que o calvinismo sugere.

Antes que digam que eu não sei o que é Depravação do Homem vamos conceituar de uma forma objetiva:
Depravação do homem é a incapacidade de chegar-se a Deus sem ajuda do Espírito Santo.
O arminianismo também crê nisso (pasme você!).

O livre-arbítrio não é:
- livrar-se por si próprio do pecado;
- buscar a Deus por iniciativa própria;
- crer em Jesus por suas próprias forças;
- capacidade inata de escolher a salvação sem o Espírito Santo
- muito menos ver a fé como característica inata do homem;

O livre-arbítrio é a liberdade de responder ao chamado de Deus.
A fé é um presente de Deus.
Presentes você pode aceitar ou recusar.


Infelizmente a posição arminiana é também chamada de "depravação parcial" o que dá a falsa impressão de que a pessoa tem alguma capacidade de escolher a salvação sem ação do Espírito Santo. Não é isso!
O arminianismo também entende que a depravação é total, mas admite que o homem pode responder ao chamado divino (aceitar ou rejeitar). É apenas por isso que a posição arminiana é chamada de "depravação parcial".

ASSUNTOS QUE COSTUMAM CAUSAR CONFUSÃO:

"Imago Dei"

O homem tem ainda a imagem de Deus (parcial) ou ela foi totalmente perdida?Normalmente entende-se que o ímpio consegue fazer o bem (ex.: ser solidário) porque há resquiços da Imago Dei nele. Isso não significa que o homem possua alguma capacidade de crer em Jesus sem ajuda de Deus.

"Graça Comum"
A graça comum refere-se às dádivas que mesmo os ímpios recebem de Deus (vida, sol, chuva, etc...).Isso não significa que o homem possua alguma capacidade de crer em Jesus sem ajuda de Deus.

"Sede Espiritual"
Todo ser humano nasce com sede espiritual, o que explica a quantidade de religiões existentes no mundo.Apesar de existir essa sede espiritual intrínseca, somente pela ação do Espírito Santo um homem consegue crer em Jesus.Costuma-se entender essa sede como resquiços da "Imago Dei".

A boa notícia é que o Espírito Santo quer salvar a todos e trabalha pela salvação de todos. Cabe a cada um responder ao chamado.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Temos muito em comum... Cristo!

Arminianos e calvinistas tem mais semelhanças que diferenças...
Nós arminianos concordamos com o que Pipper diz nesses vídeos:



terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Crianças indígenas enterradas vivas

ASSISTA AO FILME HAKANI


(Filme produzido pela JOCUM - Campanha Internacional)

Os cristãos tem se mobilizado para acabar com essa prática e tem sofrido forte resistência de algumas autoridades.
http://www.hakani.org/
http://www.hakani.org/pt/down_envolva/campanha_lei_muwaji.doc

Curiosamente há quem defenda essa prática dizendo que deve-se preservar a "cultura indígena". Ignoram o fato de que os próprios índios não querem mais isso, mas são obrigados a obedecer os caciques.

Os críticos acusam os missionários de interferir na cultura indígena. Esquecem que estamos falando de vidas humanas e não de danças e artesanatos.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

A Diferença na Prática - 4

Calvinismo e Arminianismo na Prática

Os calvinistas dizem:
"Uma vez salvo sempre salvo. Se o cara se desviou é porque nunca foi salvo".

Os arminianos dizem:
"É possível perder a salvação"

Vejamos um caso prático que muitos leitores já devem ter presenciado:
Tenho um amigo que se converteu na mesma época que eu há 12 anos atrás. Ele se rendeu totalmente ao Senhor e se tornou um vaso de Deus por muito tempo. Evangelizava, falava em línguas, era usado em profecias de forma tremenda (e elas aconteciam!), certa vez oramos juntos e ele teve uma visão de um anjo e senti o anjo soprando sobre nós, várias vezes fomos visitados juntos pelo Espírito Santo, vivia em santidade, etc... Digo tudo isso para afirmar com toda certeza que esse meu amigo teve uma experiência genuína de conversão. Não foi apenas um frequentador de igreja.
Pois bem, esse meu amigo sofreu uma grande decepção e está desviado há uns 5 anos. Não quer saber de Deus e vive numa imoralidade enorme.

Os calvinistas tem 2 opções:
- dizer que meu amigo nunca se converteu, o que é absurdo!
- dizer que ele ainda está salvo, o que é mais absurdo ainda!

Como arminiano entendo esse fato perfeitamente, pois a Bíblia diz:
2Pe:2:20: Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro.

Oro para que esse meu amigo arrependa-se e retorne ao rebanho do Senhor!

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Herdeiros da Reforma

Herdeiros da Reforma!

Nós pentecostais clássicos valorizamos muito as bandeiras da Reforma:
- Sola Fide (somente a fé);
- Sola Scriptura (somente a Escritura);
- Solus Christus (somente Cristo);
- Sola Gratia (somente a graça);
- Soli Deo gloria (Glória somente a Deus).


Nós pentecostais fazemos coro contra as práticas 'medievais' e o comércio da fé que têm adentrado em muitas igrejas evangélicas hoje.

Não somos reformados, pois temos uma teologia (pentecostal) sólida que foi sendo construída a partir da Reforma (especialmente a reforma radical). Mas somos Herdeiros da Reforma Protestante!

Um exemplo da evolução da teologia pentecostal sobre a reformada é o abandono do cessacionismo. Ou seja, cremos que os dons espirituais são para hoje e vivemos isso.

Além disso, nós pentecostais clássicos não menosprezamos os legítimos milagres de Deus. Quando dizemos que acreditamos nos 9 dons espirituais, isso inclui a operação de milagres.
Por isso:
- Se Deus quiser usar um burro para falar quem somos nós pra dizermos que não?
- Se Deus quiser fazer um milagre financeiro quem somos nós pra dizermos que não?
- Se Deus quiser fazer uma obturação de ouro quem somos nós pra dizermos que não?
- Se Deus quiser fazer uma pessoa cair ou dançar no Espírito quem somos nós pra dizermos que não?
Rom:9:20: Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas?

Repudiamos toda falsificação e toda manipulação.
Mas valorizamos toda obra legítima de Deus!

Louvo a Deus por sermos Herdeiros da Reforma!
Louvo a Deus pelas pessoas que Ele usou para edificar sobre o legado dos reformadores!


Dentre essas pessoas destaco um homem de Deus em especial: John Wesley. Certamente foi a pessoa que mais contribuiu ao surgimento do pentecostalismo.

E poderia citar outros importantes contribuidores da Teologia Pentecostal: Jacob Armínio, Moody, Charles Finney, Maria Woodworth-Etter, Charles Parham, etc.

Soli Deo gloria.

Glórias ao Autor da Minha Fé!!

Glórias ao Autor da Minha Fé!!

- Deus é o Autor da Salvação!!
- A salvação parte de Deus e não do homem.
- A fé é um dom de Deus.
- Deus muda o coração das pessoas!
- O homem NÃO pode converter a si mesmo!


Essas frases são afirmações bíblicas pregadas com veemência pelo arminianismo.

Sabemos que:
-Se Deus não enviasse Jesus para morrer em nosso lugar ninguém seria salvo.
-Se Deus não enviasse o Espírito Santo para convencer o mundo do pecado ninguém seria salvo.


Sem ação do Espírito Santo ninguém jamais conseguiria crer em Jesus. Ele convence a pessoa do pecado, da justiça e do juízo fazendo a pessoa entender o evangelho e sua situação de perdição (Jo 16.8). Cabe à pessoa aceitar ou rejeitar esse chamado. A aceitação dessa mensagem chama-se fé. A pessoa passa a crer na verdade.É isso que o arminianismo prega!

Deus não impõe a fé. Ele chama o pecador dando-lhe a oportunidade de ser salvo!
Isso é óbvio poque a Bíblia diz que Deus "quer que todos os homens se salvem" (1Tm:2:4), mas também diz que muitos perecerão (Mt:7:13,14,23).

Deus quer dar a fé a todos. Mas nem todos aceitam a fé. Essa possibilidade de responder ao chamado de Deus foi denominada pelos teólogos de livre-arbítrio.

O livre-arbítrio não é uma capacidade inata de escolher a salvação sem o Espírito Santo, mas é justamente a liberdade de responder ao chamado de Deus. Os críticos normalmente imaginam que livre-arbítrio é a possibilidade de arrepender-se e crer sem ação do Espírito Santo. Mas não é isso.

O curioso é que os calvinistas alegam que a pessoa resiste à graça até que um dia não consegue resistir mais e aceita a fé (Graça Invencível). Esse ato de resistir ou aceitar a graça é justamente o que arminianos chamam de livre-arbítrio. Ou seja, os calvinistas também crêem em livre-arbítrio, só não admitem isso. A diferença na verdade é que os calvinistas dizem que o Espírito Santo atua apenas nos eleitos e os arminianos afirmam que Ele atua em todos.

Alguns questionam qual versículo bíblico fala sobre o livre-arbítrio. Pode-se usar os mesmos versículos que os calvinistas usam para dizer que a pessoa pode resistir à graça. Eles dizem que a resistência só pode ser temporária, mas a Bíblia mostra vários casos de resistência definitiva. At:7:51: Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais.
Mt:23:37: Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!

Diversos versículos trazem o conceito do livre-arbítrio.
Na Bíblia vemos muitos convites de Deus para que os homens se arrependam e para que façam sua escolha.
Dt:30:19: Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas
Isaías 55:7: Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos; volte-se ao Senhor, que se compadecerá dele; e para o nosso Deus, porque é generoso em perdoar.
Isaías 1:18-19: Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã. Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o melhor desta terra.
Heb:2:3: Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;

É óbvio que o homem NÃO pode buscar a Deus por si mesmo! O que acontece nos versos acima é que Deus chama o pecador ao arrependimento e cabe a ele responder ao chamado divino.

Além disso, reflitamos:
1) Se Deus queria salvar apenas alguns nos tempos do dilúvio porque Seu Espírito agiu no coração de todos os homens?
Gn:6:3: Então disse o SENHOR: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem;
(A economia divina pregada pelo calvinismo diz que o Espírito age apenas no coração dos eleitos).

2) Se Jesus queria salvar apenas alguns porque Ele disse: "quantas vezes eu quis salvá-los, mas vocês não quiseram!"? Mt:23:37: Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!

3) Se hoje Deus quisesse salvar apenas alguns porque Seu Espírito agiria no coração de todos?João:16:8: E, quando ele vier, convencerá O MUNDO do pecado, e da justiça e do juízo.

Se Deus quer salvar a todos, mas nem todos são salvos, é evidente que existe uma participação humana no processo de salvação. Tudo isso torna óbvio o fato de que o homem tem a responsabilidade de responder ao chamado de Deus. Essa responsabilidade chamamos de livre-arbítrio.

É claro que o termo "livre-arbítrio" não se encontra na Bíblia, assim como não encontramos os termos "Trindade", "livre-agência", etc.Mas o conceito do "livre-arbítrio" permeia toda a Bíblia.

Os calvinistas moderados admitem que o homem tem liberdade de fazer escolhas. Chamam isso de "livre-agência". Esse termo "livre-agência" também não se acha na Bíblia, mas é revelado em diversos versículos bíblicos.

São constatações óbvias.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

DEUS AMA A TODOS

DEUS AMA A TODOS

Se o amor de Deus é perfeito como Ele poderia discriminar as pessoas e escolher somente algumas delas para a salvação?
A resposta dos calvinistas é que Deus ama apenas os eleitos.

Mas pense nas implicações dessa afirmação...
1) A Bíblia diz claramente que Deus é amor e que ama a todos!
1Jo:4:8: Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.
1Jo:4:16: Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.
1Jo:4:12: Se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós, e em nós é perfeito o seu amor.
João:3:16: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

2) A Bíblia diz o seguinte: Mt:5:44: Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
Se meu Pai manda amar meus inimigos para ser filho dEle, deduzo que meu Pai também ame Seus inimigos. Ou será que meu Pai me pediria para fazer algo que Ele não faz?

3) A Bíblia diz ainda: Mt:22:39: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Se o meu próximo for um pecador devasso que não quer converter-se mesmo assim devo amá-lo! Então pergunto: será que Deus não ama também esse miserável pecador? Ou será que somos mais amorosos que Deus? Como isso seria possível se Deus é a fonte de todo amor?
Tg:1:17: Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes.
1Jo:4:8: Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.

DEUS AMA A TODOS. Não há como negar essa verdade bíblica!

Alguém pode questionar:
1) Deus não odiava Esaú?
Rom:9:13: Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú.

Sim, isto aconteceu porque Esaú agiu impiamente: Heb:12:16: E ninguém seja devasso, ou profano, como Esaú, que por uma refeição vendeu o seu direito de primogenitura.

A expressão ódio aqui significa que Esaú provocou a ira de Deus e foi rejeitado para a linhagem do povo de Deus. Tanto é que a NVI e a NTLH traduzem como "rejeitei" em vez de "odiei".Deus deu a Jacó a tarefa de ser pai das 12 tribos de Israel.
[Pode-se ler ainda o texto de Lc:14:26 para perceber que a expressão não trata de ódio.]

2) Deus não odeia os pecadores?
Sl:5:5: Os loucos não pararão à tua vista; odeias a todos os que praticam a maldade.

Odiar aqui tem o mesmo sentido de ira. Deus detesta os que praticam a maldade.
João:3:36: Aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece.
Os pecadores impenitentes provocam a ira de Deus. Mas eles ficam sob a ira somente até se converterem: Ef:2:3: Éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.

3) Deus amava Caim?
Deus amava as pessoas que Ele destruiu no dilúvio?
Deus amava os moradores de Sodoma e Gomorra?
Deus amava Faraó e os egípcios?
Deus amava os amalequitas?
Deus amava os cananeus que mandou exterminar?
Deus amava os edomitas (Mal 1.1-4)?


Claro que amava!! Amava e queria salvar todas essas pessoas.
Jer:18:7-8: No momento em que falar contra uma nação, e contra um reino para arrancar, e para derrubar, e para destruir, Se a tal nação, porém, contra a qual falar se converter da sua maldade, também eu me arrependerei do mal que pensava fazer-lhe.

Mas essas pessoas atingiram tal grau de depravação que Deus derramou Sua ira sobre elas. Há um limite para a longanimidade de Deus. Passado esse limite ele derrama Sua ira e a pessoa perde a oportunidade de salvação. Deus quer salvar a todos, mas os inconversos estão sob sua ira até se converterem. Em Isaías 6.8-13 vemos claramente que o Senhor estava sacrificando e rejeitando uma parte do povo (que já se achava perdida) para que a "santa semente" (os fiéis) não se perdesse. Deus desistiu de salvar parte do povo tamanha a iniquidade. E os destruiu para preservar os fiéis.

4) Se Deus corrige quem Ele ama, então Ele corrige os inconversos?
Heb:12:6: Porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho.
Ap:3:19: Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te.

Deus busca corrigir a todos através do Espírito Santo, que convence o mundo do pecado, justiça e juízo.
Jo:16:8: E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.


QUAL NOSSO MODELO DE PREGAÇÃO?
Alguns se espelham em Cristo como exemplo de amor.
Cristo fala de ira, mas muito mais de amor.

Outros se espelham nos profetas do AT bradando a ira divina.
O profeta fala do amor, mas a ira é mais enfatizada.

Deixo uma pergunto no ar: Qual deve ser nosso modelo de evangelização: Jesus ou os profetas do AT?

A Diferença na Prática - 3

Calvinismo e Arminianismo na Prática
Apresentando as boas-novas do evangelho...

O calvinista evangelizando:
"Deus é um Deus irado! Deus vai queimar os pecadores no inferno! E Deus ama apenas os eleitos! Tomara que você seja um deles."

O arminiano evangelizando:
"Hoje é o tempo da salvação! Deus ama todos vocês e quer salvá-los! Arrependam-se dos seus pecados e escapem da ira vindoura!"

João:3:16: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, PARA QUE todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Ap:6:17: Porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Perguntas ao Calvinismo

Perguntas ao Calvinismo

 (1) Como entender as inúmeras vezes em que Deus fica irado com a incredulidade e desobediência das pessoas? Por que essa ira se (segundo o calvinismo) foi Ele mesmo que "predestinou" essas pessoas a viverem longe dEle?
Os calvinistas costumam dizer que Deus não predestinou ninguém para a perdição. Mas nesse caso Ele poderia ter predestinado-as à salvação e não o fez. Se decidiu não salvar a pessoa então porque irar-se com alguém que é incapaz de converter-se sem ajuda do Espírito Santo?

 (2) Se Deus predestinou muitas pessoas a um estado de perdição então Ele é o culpado pelos pecados dessas pessoas, especialmente o pecado da incredulidade. Não é absurdo isso? Pelo calvinismo concluímos que Deus é cúmplice dos pecadores.

 (3) Deus é um Pai amoroso ou um Ditador cruel? Deus condena uma pessoa por ela agir exatamente conforme Ele mesmo predestinou?
É verdade que o vaso não pode questionar o oleiro quando Ele decide algo. Mas será que Deus é um oleiro irado e discriminador como descreve o calvinismo?

 (4) Se a Bíblia diz que Deus não faz acepção de pessoas (Ef 6.9), como pode alguém dizer que Ele escolhe alguns para a salvação e muitos para a perdição? Isso é acepção de pessoas! Mesmo que se alegue que todos merecem a morte eterna, ao escolher alguns, em detrimento de outros, isso é acepção de pessoas.

 (5) Quando Deus mandou o dilúvio e apenas Noé e sua família foram salvos, Ele estava brincando de “afogar gatinhos na banheira”? Ora, se Deus escolheu que ninguém mais seria salvo naquele tempo por que Ele mandou o dilúvio? Por que destruir a humanidade se Ele mesmo tivesse determinado que aquela geração fosse ímpia?

 (6) Será que Deus fazia os profetas de bobos? Pois Ele os mandava pregarem arrependimento a gerações que Ele mesmo escolheu que seriam ímpios.

 (7) Jesus estava "desinformado sobre o calvinismo" quando ficava indignado ao ver a incredulidade do povo de algumas cidades (como Nazaré)? Ele teria esquecido que foi o próprio Pai que havia predeterminado que eles fossem incrédulos?

 (8) Segundo calvinismo foi Deus que predestinou as pessoas a viverem separadas dele – então por que no lamento sobre Jerusalém, Jesus disse "quantas vezes eu quis salvá-los, mas vocês não quiseram!"? Ele estava delirando?
Mt:23:37: Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!

 (9) Foi Deus que predestinou que Adão e Eva iriam cair em pecado, trazendo conseqüências a todos os humanos? Ou essa foi uma escolha de Adão e Eva? Se a graça de Deus é mesmo Irresistível (como alega o calvinismo) porque Deus não impediu que Adão e Eva pecassem? Dessa forma não seria preciso nem mesmo a morte e o sofrimento de Jesus.

O Arminianismo é a forma mais óbvia de entender a Bíblia. É por isso que os calvinistas gastam tanto tempo explicando e reafirmando seus conceitos.
O Arminianismo é a forma mais responsável de entender a Bíblia pois não anula a responsabilidade humana.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Um Deus Amoroso ou Irado?

Um Deus Amoroso ou Irado?

Na Bíblia encontramos a afirmação categórica: "Deus é amor" (1 Jo 4.8). Veja que não é apenas amoroso, mas é amor. Isso quer dizer que o amor faz parte da natureza de Deus.

Também encontramos o seguinte: "Porque Deus AMOU o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (Jo:3:16)"

Os calvinistas costumam descrever Deus como um Deus irado. E aqui reside boa parte das discordâncias.

É verdade que a Bíblia conta momentos de ira divina. Mas a questão é: qual a característica mais marcante da personalidade divina?

Por exemplo: quando digo que uma pessoa é corajosa é óbvio que em algum momento ela já sentiu medo. Mas a coragem é sua característica predominante.

Da mesma forma, Deus tem momentos de ira, mas sua característica maior é o Amor. Se olharmos para Jesus veremos que em toda Sua vida na Terra Ele agiu amorosamente e teve apenas 2 ou 3 momentos de ira.

E aqui está o cerne da diferença entre arminianinos e calvinistas.
O arminianismo fundamenta-se no Amor de Deus. Esse é O ponto do arminianismo. Quando o arminianismo fala em Soberania refere-se um Soberano Amoroso!

Já o calvinismo fundamenta-se na Ira de Deus. Quando o calvinismo fala em Soberania refere-se a um Soberano Irado!

O exemplo mais nítido dessa visão calvinista é o clássico sermão de Jonathan Edwards: "Pecadores nas mãos de um Deus irado". É claro que esse sermão contém muitas verdades bíblicas, mas o foco do sermão é destacar a ira de Deus, e não o Seu amor.

Leia um trecho e perceba o tom ameaçador apresentando um Deus Irado: "Ó pecador, pense no perigo terrível em que se encontra! É sobre uma grande fornalha de furor, sobre um abismo imenso e sem fim, cheio do fogo da ira, que você está pendurado, seguro pela mão de Deus, cujo furor acha-se tão inflamado contra você, como contra muitas pessoas já condenadas no inferno. Você está suspenso por uma linha tênue, com as chamas da cólera divina lampejando à sua volta, prontas para atearem fogo e queimá-lo por inteiro. E você continua sem interesse no Mediador, sem nada onde se agarrar para poder se salvar, nada que possa afastar as chamas da cólera divina, nada de seupróprio, nada que tenha feito ou possa vir a fazer, para persuadir o Senhor a poupar sua vida por um minuto sequer".

Repito: Deus tem momentos de ira. Não negamos isso. Mas Sua natureza é o amor.
Salmo:30:5: Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida.
Deus FICA irado, mas Deus não É irado!

Isso fica ainda mais evidente quando paramos para refletir sobre o que é a ira de Deus.
A ira de Deus é resultado do amor rejeitado pelo pecador.
A ira de Deus não é uma ira gratuita ou banal.
A ira de Deus se acende contra aqueles que rejeitam Seu amor e escolhem o pecado.
Ou seja, até a ira de Deus deriva do Seu amor.
É como um pai que se ira quando vê seu filho lhe desobedecer.

Não podemos confundir justiça divina com ira divina.
Deus não é justo apenas quando está irado. Deus é justo o tempo todo. Irado nem sempre.

O arminianismo crê que Deus é amoroso, justo e santo.
Não cremos num Deus irado, embora saibamos que Ele se ira com o pecador, e que essa ira é santa e justa.

Ex:34:6: Passando, pois, o SENHOR perante ele, clamou: O SENHOR, o SENHOR Deus, misericordioso e piedoso, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade;

O calvinismo enfatiza a ira de Deus mais do que a Bíblia.
O arminianismo enfatiza o amor e a ira de Deus na exata dosagem da Bíblia.

Não me odeie porque sou arminiano - 2

Não me odeie porque sou arminiano - 2

Manos, nos recents posts desse blog procurei ressaltar a diferença entre calvinismo e arminianismo, e especialmente mostrar os pontos em que o calvinismo distoa da Bíblia.
Nós arminianos já estamos acostumados a ver o arminianismo ser criticado pelos calvinistas, inclusive muitas vezes indo ao extremo de nos chamar de hereges e afirmando que não somos salvos.

Já arminianos criticando o calvinismo (com veemência) é algo bastante raro. E por isso, mesmo tratando os irmãos calvinistas com respeito, alguns acabam se irritando com meu BLOG sem ao menos analisar os argumentos que apresento.Em alguns casos percebo má vontade até em entender o que afirmo - aí fica difícil aprofundar qualquer tema.

Não quero criar rusgas com meus irmãos em Cristo.

Não considero o calvinismo heresia. No máximo um vento de doutrina. Mas prefiro dizer que é uma forma diferente de encarar a Bíblia que alguns teólogos criaram.

Pessoalmente tenho total aversão aos 5 pontos do calvinismo.Mas, como já disse em outros posts, o calvinismo desenvolveu ressalvas a cada ponto que o tornaram muito próximo da Bíblia.

Quando critico o calvinismo refiro-me a esses 5 pontos que são incoerentes com a Palavra de Deus.Conheço bastante o calvinismo, mas minha maior aversão é com os 5 pontos. É por isso que faço afirmações do tipo: "O calvinista coerente não evangeliza e nem ora". Pois estou falando da teoria, dos 5 pontos.

Tenho plena ciência que a ala moderada do calvinismo de fato ora e evangeliza. E não quero ser injusto com esses valorosos irmãos, pois estamos no mesmo exército lutando contra o mesmo inimigo.

Mas percebo como é difícil mostrar a irmãos em Cristo que pensamos diferente.

Manos, tbm vou repetir o seguinte: se errei em algum comentário me mostre o erro para que eu possa corrigir.Não tenho problema algum em fazer isso. Aliás, já fiz isso.Por vezes nos expressamos mal mesmo.

PS.: Vou procurar usar um tom mais ameno pois percebi que algumas provocações que fiz foram mal-interpretadas e não quero criar 'rusgas' com nenhum irmão em Cristo, pois amo meus irmãos e Deus está muito acima dessas diferenças.

Pr Cleber.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Como surge um calvinista

Como surge um calvinista

Quem lê a Bíblia livremente se alinha automaticamente ao arminianismo. Só depois de ler muitos artigos de teólogos reformados é que as algumas pessoas migram para o calvinismo, encantadas com a erudição teológica.

Por isso convido meus irmãos calvinistas a escolher entre a simplicidade da Bíblia e a Erudição Calvinista!

Não deveria ser uma escolha difícil.

Deus - Soberano ou Tirano?

Soberano ou Tirano?

Soberania e Tirania são coisas bem distintas.
A Rainha da Inglaterra Elizabeth I (falecida) é um exemplo de rainha soberana, absolutista, mas que nem por isso era tirana ou opressora.
O Soberano de um Estado pode ser tirano ou benevolente.

Deus é Soberano, isto é, tem pleno domínio sobre tudo e governa tudo como lhe apraz.

Mas a questão é: que tipo de soberania Deus exerce?

Deus é um rei carrasco ou um rei gentil?
Deus é um soberano autoritário ou um soberano amoroso?
Deus é coercitivo ou bondoso?
Deus é irado ou longânimo?

O calvinismo descreve Deus como amoroso, bondoso, longânimo, justo e santo, mas principalmente como irado, coercitivo e discriminador.
No calvinismo Deus salva algumas pessoas (eleição incondicional) por coerção obrigando-as a crer nEle (graça irresistível).

O arminianismo descreve Deus como amoroso, bondoso, longânimo, justo e santo.

Qual corrente está certa?
A resposta está na Bíblia.

1Jo:4:8: Deus é amor.
Ex:34:6: Passando, pois, o SENHOR perante ele, clamou: O SENHOR, o SENHOR Deus, misericordioso e piedoso, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade;
Salmo:145:9: O SENHOR é bom para todos, e as suas misericórdias são sobre todas as suas obras.
Salmo:25:6: Lembra-te, SENHOR, das tuas misericórdias e das tuas benignidades, porque são desde a eternidade.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Arminianismo é Bíblico

Arminianismo na Bíblia

Arbítrio Liberto ou Depravação Total do Homem?
A Bíblia ensina que o homem é moralmente corrupto (Jer 17:9; Rom 3:10-18), morto em ofensas e pecados (Ef 2:1) e espiritualmente cego (1Cor 2:14), mas ela não ensina que o homem é incapaz de responder ao Evangelho.

O homem precisa da ação do Espírito Santo para entender o evangelho (obra de convencimento). O livre-arbítrio não é uma capacidade inata de escolher a salvação sem o Espírito Santo, mas é justamente a liberdade de responder ao chamado de Deus.

Várias passagens deixam claro que é Deus quem chama para a fé (Ef 1:19; Ef 2:8; Fp 1:29 Jo 6:65) e arrependimento (At 11:18; Rm 2:4; 2Co 7:10; 2Tm 2:25). Não é o homem que tem a iniciativa de buscar Deus. Mas a Bíblia também deixa claro que o homem pode aceitar ou rejeitar esse chamado divino:

Isaías 55:7: Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos; volte-se ao Senhor, que se compadecerá dele; e para o nosso Deus, porque é generoso em perdoar.
Isaías 1:18-19: Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã. Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o melhor desta terra.
Dt:30:19: Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas

[É fato que os judeus escolheram a morte, mas tinham livre-arbítrio]
Mt:23:37: Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!
At:13:46: Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios;
At 3:19: Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados.
Rm 10:9-10: Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação.
Ap 22:17: Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça a água da vida.


O Espírito Santo chama a todos, embora nem todos respondam positivamente.
Jo:16:8: E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.
Jo:1:9: Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo.
Jo:12:32: E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim.
1Cor:12:3: Ninguém pode dizer que Jesus é o SENHOR, senão pelo Espírito Santo.
Ti:2:11: Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens.
=Está provado na Bíblia que o homem tem livre-arbítrio.



Eleição Condicional ou Eleição Incondicional?
1Tm:2:4: Deus quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade.
A Bíblia é clara quando diz que a Eleição é baseada na presciência – Deus sabia quem iria crer em Jesus:
1Pedro:1:2: Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo..
Rom:8:29: Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho.


No calvinismo, sendo a eleição um decreto divino totalmente arbitrário é impossível um eleito deixar de ser salvo, pois Deus providencia a salvação daqueles que escolheu.
Mas vemos na Bíblia que é possível uma pessoa que Deus quis salvar deixar de ser salva se aqueles que já são salvos forem omissos em pregar a Palavra:
Ezequiel:3:18: Quando eu disser ao ímpio: Certamente morrerás; e tu não o avisares, nem falares para avisar o ímpio acerca do seu mau caminho, para salvar a sua vida, aquele ímpio morrerá na sua iniqüidade, mas o seu sangue, da tua mão o requererei.
= Está provado na Bíblia que a eleição é condicional.


Expiação Ilimitada ou Expiação Limitada?Jo:3:16: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Jo:3:17: Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.


Deus ama a todos os homens e todos podem crer nele (Jo 3:16)
Deus deseja que todos os homens sejam salvos (2 Pe 3:9)
Deus deu ordens que o Evangelho seja pregado para toda & cada pessoa (Mc 16:15)
Jesus é o preço de redenção por todos os homens (1 Tim 2:6)
Jesus provou a morte por todos os homens (Heb 2:9)
Jesus providenciou propiciação para todos os homens (1 João 2:2)
Deus providenciou reconciliação para todos os homens (2 Cor 5:19)
Jesus comprou até falsos mestres não salvos (2 Pe 2:1)
A iniqüidade de todos os homens foi colocada sobre Jesus (Is. 53:6).
= Está provado na Bíblia que a expiação é ilimitada.


Graça Resistível ou Graça Irresistível?
A Bíblia afirma claramente que Deus estendeu Sua graça para todos os homens, mas ela foi rejeitada por muitos deles. Nos casos abaixo não foi apenas uma resistência temporária e sim definitiva.

Caim: Gn:4:6-7: E o SENHOR disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar.
O mundo antes do dilúvio: Gn:6:3: Então disse o SENHOR: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos.

O velho Israel: Rom:10:21: Mas para Israel diz: Todo o dia estendi as minhas mãos a um povo rebelde e contradizente.

Judeus na época de Cristo: Jo:5:39: Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam; e não quereis vir a mim para terdes vida.

Judeus na época de Paulo: At:13:46: Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios;

Fil:1:28: E em nada vos espanteis dos que resistem.
2Tm:3:8: Estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé.


Se as pessoas não pudessem resistir à graça de Deus então todas as pessoas seriam salvas, pois o Espírito Santo trabalha em TODOS para convencer do pecado.
= Está provado na Bíblia que a graça é resistível.


Decair da Graça ou Perseverança do Crente?Os calvinistas costumam dizer que você não perde salvação porque você não fez nada para alcançá-la. Isso é apenas uma frase de efeito. Como vimos acima nós respondemos ao chamado de Deus, aceitando ou resistindo à graça. E é possível alguém rejeitar a fé mesmo depois de tê-la abraçado.

1Tm:1:19-20: Conservando a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé. E entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar.
1Tm:5:15: Porque já algumas se desviaram, indo após Satanás.

Quem se desvia fica num estado pior que antes de se converter:
2Pd:2:20: Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro.

Demas era cooperador de Paulo e se desviou completamente:
Col:4:14: Saúda-vos Lucas, o médico amado, e DEMAS.
Fil:1:24: Marcos, Aristarco, DEMAS e Lucas, meus cooperadores.
2Tm:4:10: Porque DEMAS me desamparou, amando o presente século, e foi para Tessalônica.


A Bíblia mostra que é possível não perseverar até o fim:
Ap:2:10: Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.
Heb:10:38: Mas o justo viverá da fé; E, SE ELE RECUAR, a minha alma não tem prazer nele.
Col:1:23: SE PERMANECERDES fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro.
Heb:3:12: Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para SE APARTAR do Deus vivo.


Quando falamos em perda de salvação não cremos que qualquer pecado faz a pessoa perder a salvação, nem que a pessoa que ficou um tempo “desanimada espiritualmente” perdeu a salvação... Isso só acontece quando a pessoa descrê totalmente (ou seja, voltar a viver em pecado como se Deus não existisse, rejeita completamente a graça de Deus em sua vida – perde a fé).
= Está provado na Bíblia que o crente pode perder a salvação.

Ap:3:5: O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.

Calvinismo: Sistema Coerente, mas não Bíblico!

Calvinismo: Coerente, mas não Bíblico!

Acho interessante o tempo que o calvinistas gastam tentando provar que o calvinismo é coerente. Argumentam que se a depravação é total e a eleição incondicional, faz sentido a expiação limitada. E se a expiação é limitada a graça é irresistível, e é por isso que os santos perseveram até o fim, etc...

De fato, o calvinismo é um sistema teológico coerente, assim como o arminianismo.
Não precisam gastar tempo tentando provar isso.

O ponto não é a coerência dos sistemas, mas a biblicidade.

O arminianismo é bíblico-cêntrico.
O calvinismo é teológico-cêntrico.


Tanto isso é verdade que ao discutirmos com calvinistas é bastante comum ouvirmos algo assim: "Para entender esse assunto você precisa ler a obra XXX do teólogo reformado Fulano de Tal".
Em vez de apelar para a Bíblia apelam para a argumentação rebuscada de autores reformados.

O arminianismo provo com a Bíblia.
Não preciso recorrer a argumentos sofisticados e complexos.

Sola Scriptura.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Calminianismo: Meio-Termo?

Calminianismo: Meio-Termo?

Mesmo sem conhecerem o termo "Calminianismo" é comum vermos cristãos que dizem que preferem adotar uma postura mediana entre o calvinismo e o arminianismo.
Seria o meio-termo entre os dois.

Mas será possível haver um "meio-termo" em posições tão opostas e binárias?
Os 5 pontos calvinistas são coerentes entre si - negar um deles é desmontar todo o sistema:
1 - Depravação total
2 - Eleição incondicional
3 - Expiação limitada
4 - Graça Irresistível
5 - Perseverança dos Santos

Os 5 pontos arminianos são coerentes entre si - negar um deles é desmontar todo o sistema:
1 - Arbítrio Liberto
2 - Eleição condicional
3 - Expiação ilimitada
4 - Graça resistível
5 - Decair da Graça

Ou seja, os 2 sistemas são coerentes e por uma questão de lógica não dá pra fazer um misto dos dois. Alguém até pode crer em 3 pontos da TULIP e 2 pontos arminianos. Mas isso é altamente incoerente e sem lógica!

Também não tem como pegar cada ponto e tentar um meio termo.
1 - Ou o homem tem capacidade de escolher a salvação ou não tem. Não tem opção C.
2 - Ou a Eleição é condicional ou é incondicional. Não tem outra opção.
3 - Ou a Expiação é ilimitada ou não é. Não existe mais ou menos limitada.
4 - Ou a Graça é irresistível ou é possível resistir. É uma ou outra.
5 - Ou é possível perder a salvação ou é impossível. Não tem meio-termo.

Claro que existem variações desses sistemas, mas todas apenas super-enfatizam um ponto dos sistemas acima. Em suma, todos os sistemas se aproximam ou do arminianimo ou do calvinismo.

O Catolicismo exagera no ponto "1" ao dizer que além de crer o homem deve praticar obras pra ser salvo.
O Pelagianismo exagera no ponto "1" ao dizer que o homem pode escolher a salvação sem ação do Espírito Santo.
O Teísmo-Aberto exagera no ponto "2" ao dizer que Deus não sabe o futuro.
O Ultra-Arminianimo exagera no ponto "5" diz que a cada pecado a pessoa perde a salvação.

O Calvinismo erra nos "5 pontos" ao super-enfatizar a soberania de Deus tranformando-o num ditador tirano.
O Hiper-calvinismo exagera no ponto "2" da TULIP ao dizer que Deus determinou tudo (determinismo).

Por isso tudo percebe-se que é infrutífera a tentativa de conciliar calvinismo e arminianismo. Pode-se aprender com ambos, mas não dá para crer em ambos.

Resta então a pergunta principal: qual desses sistemas é bíblico?
Leia os artigos e posts desse BLOG e descubra!

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

ATOS também é normativo!

ATOS também é normativo!

Acho curioso que sempre que estamos argumentando com um reformado sobre algum tema e citamos algum exemplo, padrão ou ensino do livro de Atos, logo ouve-se aquela batida frase:
- "O livro de Atos é um livro histórico, não é normativo".

Quem já estudou hermenêutica sabe que existe um princípio importante que é testar a validade de nossas "regras de interpretação", pois se usarmos premissas erradas chegaremos a conclusões equivocadas.

Os reformados (cessacionistas) sempre defendem que Atos não é normativo. Isso é bastante conveniente para quem não quer admitir ensinos bíblicos como o batismo no Espírito Santo como obra distinta da conversão.

O curioso é que para os reformados Atos é o único livro não-normativo da Bíblia. E olha que os evangelhos também estão repletos de relatos históricos, e nem por isso são tidos como não-normativos.

Mas o argumento que quero destacar é o seguinte: Os exemplos bíblicos tem autoridade doutrinária quando denotam um padrão.

Evidente que não se pode pegar um relato particular registrado na Palavra e transformar em doutrina.
Exemplos:
Se pegar só a experiência de Jesus no Monte direi que sempre deve-se orar a madrugada toda.
Se pegar só a experiência de Daniel direi que sempre deve-se vestir-se de pano de saco ao jejuar.
Se pegar só a experiência de Paulo direi que toda conversão deve ser acompanhada de um clarão no céu.
Se pegar só a experiência do Pentecostes (At 2) direi que sempre o batismo no ES deve ter línguas de fogo na cabeça das pessoas.

Mas deve-se descobrir o padrão bíblico de determinada prática espiritual para estabelecer a doutrina. Se analisarmos a Bíblia toda teremos um entendimento completo sobre qualquer assunto.
Há padrões bíblicos para Oração, Jejum, Conversão e Batismo no Espírito Santo. Por exemplo, vemos na Bíblia que todo Batismo no Espírito era acompanhado de algo sobrenatural.

Se as histórias bíblicas não podem ser usadas doutrinariamente então não poderemos dizer quase nada a respeito da oração, por exemplo. A maior parte dos ensinos sobre oração advém dos exemplos registrados na Bíblia. Onde orar, como orar, quando orar... são lições tiradas das histórias bíblicas. E isso é feito tanto pelos pentecostais quanto pelos reformados. Afinal, a regra básica de hermenêutica é que "a Bíblia interpreta a própria Bíblia".

Portanto, o livro de Atos é tão normativo quanto os demais livros da Bíblia.
E quero ver provarem o contrário.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

A Diferença na Prática - 2

Calvinismo e Arminianismo na Prática

Calvinismo
Porque um calvinista ora pela salvação de alguém se Deus já determinou que a pessoa será salva?
Alguns alegam que Deus pode ter desejado usar orações particulares para a salvação da pessoa. Mas esse é um argumento que destoa do calvinismo pois se Deus determinou algo Ele não precisa da cooperação humana.

Arminianismo
Porque um arminiano ora pela salvação de alguém se a pessoa tem livre-arbítrio?
Para que Deus atue de forma mais intensa na vida da pessoa e destrua as fortalezas espirituais que a impedem de entender o evangelho. Depois disso é a pessoa quem decide se vai se converter a Deus ou não (livre-arbítrio). Mas o evangelho precisa ser eficazmente pregado!

1Cor:3:9: Porque nós somos cooperadores de Deus;
2Cor:10:4: Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas;

A Diferença na Prática

Calvinismo e Arminianismo na Prática

Calvinismo
O calvinista coerente diz:
- Se fulano se decepcionou na igreja e acabou se afastando não era um escolhido;
- Se fulano entrou num seminário liberal e acabou se desviando não era um escolhido;


Arminianismo
O arminiano coerente diz:
- Se fulano se decepcionou ou se desviou vamos atrás da ovelha perdida!

Lucas:15:4: Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e não vai após a perdida até que venha a achá-la?

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Línguas sem Interpretação - Visões

Línguas sem Interpretação:
Visão Reformada x Visão Pentecostal

Com o surgimento dos reformados carismáticos muitos teólogos pentecostais passaram a adotar a posição reformada. Mas se olharmos para a Rua Azusa e o surgimento do pentecostalismo veremos que o padrão pentecostal nunca foi limitar a adoração em línguas no culto. (Leia mais aqui).

Para os pentecostais em 1Co14 Paulo trata do problema de dirigir o culto em línguas estranhas.

Mas atualmente muitos teólogos pentecostais assumem que em Corinto o apóstolo Paulo teria proibido que se falasse em línguas no culto sem que houvesse interpretação. Esse ponto de vista é a visão reformada. Nesse caso os pentecostais estariam fora do padrão apostólico por falarem em línguas num momento de oração culto. Mas se o entendimento for esse temos outro problema: as regras de 1Co14.27-31 não foram usadas em nenhum dos casos registrados em Atos (caps 2, 10 e 19).

Pentecostais e Reformados concordam que em Corinto havia uma supervalorização do dom de línguas. O que discordam é sobre a aplicação das regras prescritas por Paulo:
- para pentecostais Paulo proibiu que o culto fosse dirigido em línguas estranhas (ter pessoas falando em línguas à igreja sem interpretação), mas não proibiu a adoração particular em línguas no culto.
- para os reformados Paulo proibiu o uso completo do dom de línguas no culto, permitindo apenas quando houver interpretação.

Se temos passagens em Atos (caps 2, 10 e 19) de pessoas falando em línguas livremente (sem interpretação) não se pode concluir que em 1Co14 isso seria proibido. É preciso fazer uma interpretação que concorde com o restante da Bíblia.

A posição reformada é restritiva porque muitos pastores aceitaram os dons por honestidade teológica consigo mesmos, mas nunca o experimentaram. Outros experimentam, mas continuam presos ao discurso reformado de que Atos não serve como base para doutrinas. Alguns justificam a ausência de dons em seus cultos como sendo questão de "ordem e decência".

Por tudo isso, fico com a posição pentecostal: não podemos dirigir o culto em línguas, mas podemos adorar a Deus em línguas estranhas num momento do culto. O uso do dom não está proibido, apenas 'orientado' por uma questão de ordem e decência.

domingo, 5 de outubro de 2008

Sim! É Lícito Falar em Línguas sem Interpretação!


Sim! É Lícito Falar em Línguas sem Interpretação!
Linguas_sem_Interpretação_1

Bagunça, Barulho, Ordem e Decência

Bagunça, Barulho, Ordem e Decência

O avivamento pentecostal começou em 1901 e seu ápice foi na Rua Azusa por volta de 1906. Os cultos da Rua Azusa eram uma verdadeira “bagunça santa”! (Oh Glória!) As reuniões eram barulhentas e a liturgia pouco lembrava os cultos tradicionais e as missas católicas.

Eram reuniões de “fogo puro”, unção de Deus mesmo! Lembravam em muito as reuniões descritas no livro de Atos.

Mas pela diferença gritante com os cultos tradicionais, logo os cultos pentecostais atraíram muitas críticas.

Não que os cultos fossem desordeiros ou sem direção, mas para os padrões religiosos dominantes esses cultos eram uma “verdadeira bagunça”.

É por isso que hoje em dia os pentecostais se orgulham em dizer que gostam de uma “bagunça santa”! E claro, logo surgem fariseus para dizer que os pentecostais não seguem as instruções paulinas sobre “ordem e decência”.

A questão é: será que o entendimento dos reformados sobre ordem e decência num culto é o mesmo que o apóstolo Paulo tinha em mente?

Qual a ordem do culto proposta por Paulo? 1Cor:14:26: Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.

Oras, quem são os cristãos que seguem essas instruções de Paulo? Os pentecostais obviamente! Ou alguém tem visto línguas ou revelações em cultos reformados?
A rigor ninguém pode se dizer reformado se vive isso pois os legítimos reformados são cessacionistas... Algumas igrejas reformadas experimentaram o avivamento pentecostal e passaram a exercer os dons espirituais. Mas nesse caso hão de admitir que aprenderam com os pentecostais!

Ou seja, quando você ouvir críticas sobre o “barulho” ou a “bagunça” nos cultos pentecostais, pergunte-se qual ordem de culto você quer seguir: o culto reformado (onde o pastor monopoliza a direção do culto) ou o culto pentecostal (que valoriza a manifestação do Espírito Santo entre os irmãos)?

Sobre a questão da decência um dos pontos citados pelos reformados como sinal de indecência era o espaço dado às mulheres no avivamento da Rua Azusa – novamente vale a pena ver o que diz a Bíblia: At:21:9: E tinha este quatro filhas virgens, que profetizavam.

Podemos dar glórias a Deus pela liberdade que temos ao cultuar a Cristo, pois nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus (Gal:3:28).

Os ferrenhos opositores do pentecostalismo (e da espontaneidade do culto) costumam dizer que os cultos pentecostais carecem de “ordem e decência”. Se “ordem e decência” fosse sinônimo de liturgia engessada então os relatos bíblicos de Atos deveriam seguir esse modelo. Mas ao contrário, vemos que em Atos 2 a “espontaneidade” foi tanta que alguns acharam que os apóstolos estavam bêbados (At 2.13). Aquele culto parecia uma “bagunça” para os religiosos acostumados a uma mesmice. Mas aquele foi um culto ordeiro e decente para os padrões de Deus.

Qualquer reformado diria que Atos 2 foi uma “bagunça”. Mas será que Deus contrariaria a Si mesmo? Faria uma coisa em Atos2 para depois em 1Co14 dizer que aquilo era algo errado? Ou estaria o apóstolo Paulo apenas coibindo os exageros ocorridos na igreja de Corinto?

Já ouvi reformados dizendo ironicamente “A igreja de Corinto está vivinha entre os pentecostais!” querendo insinuar que somos infantis. Mal sabem esses irmãos qual o problema vivenciado no culto daquela igreja. Pasmem vocês, mas já vi um pentecostal chamar a liturgia tradicional de equilibrada - engessada acho que seria um termo mais apropriado. [Claro que não me refiro aos reformados avivados, e sim aos cessacionistas!]

Os cultos pentecostais assemelham-se muitos aos cultos do livro de Atos, e seguem também as recomendações de Paulo (1Cor 14) para que haja edificação.

Além dos dons espirituais, outra marca forte do pentecostalismo são as chamadas manifestações espirituais (sonhos, visões, arrebatamentos, cair, dançar, pular, chorar, sapatear, etc...). Vemos muitas dessas coisas acontecendo na Bíblia e muitas experiências autênticas desse tipo nos dias de hoje. Interessante dizer que os grandes avivamentos (mesmo calvinistas!) também foram acompanhados por experiências desse tipo.

Mas infelizmente alguns modismos têm adentrado em muitas igrejas pentecostais, onde se vê claramente pastores manipulando ou induzindo as pessoas a produzir “falsas” experiências desse tipo. Mas isso não tira a legitimidade das experiências autênticas. Assim como há pessoas que fingem falar em línguas, mas isso não tira a beleza do verdadeiro dom de línguas.

Veja alguns pontos interessantes:
1) Espontaneidade no uso dos dons e ordem não são coisas antagônicas.
2) Ter uma experiência sobrenatural e ter decência no culto não são coisas antagônicas.
3) Dar liberdade ao Espírito Santo e ter um pregação profunda também são coisas perfeitamente conciliáveis.

Deus não fica reduzido se seguirmos o que está escrito na Bíblia, pois é exatamente isso que os pentecostais fazem. Deus fica reduzido se inventamos regras "litúrgicas" pra tentar controlar o mover de Deus.
Proibir que se fale em línguas, proibir alguém de pular no Espírito, proibir de profetizar, etc... tudo isso são regras humanas. Muitas igrejas proíbem as profecias com a desculpa de "evitar exageros". Estão indo além da Bíblia, pois ela manda julgar e não proibir.

Há muitas manifestações legítimas além dos dons. Lembro-me bem de quando fui batizado no Espírito Santo: era recém convertido, estava orando sentado num banco e de repente um anjo me levantou do banco e comecei a pular de alegria no Espírito; nunca tinha sequer visto aquilo, foi algo genuíno, tremendo mesmo. Se dissermos que essas coisas não acontecem estaremos limitando o agir de Deus.

Infelizmente tenho visto muitos pentecostais afirmando que essas experiências não são de Deus e aceitando apenas os dons espirituais. É uma pena, pois se olharmos a maioria dos avivamentos na história do cristianismo vamos ver essas experiências em muito maior quantidade do que os próprios dons espirituais. Olhe os cultos dirigidos por Wesley, Whitefield, Finney, Moody e Spurgeon: os frutos que esses avivamentos deixaram falam por si.

Acho válido criticar o culto pentecostal quando este despreza a pregação, despreza o estudo bíblico, parte para a manipulação ou mesmo quando despreza os dons espirituais. Mas jamais podemos criar regras humanas para desprezar aquilo que Deus quer fazer!


OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Há cultos pentecostais mais barulhentos que outros, e barulho não é sinônimo de mover do Espírito Santo. Pessoalmente gosto de ouvir Deus tanto no barulho quanto no silêncio. Acho triste ver crentes criticando os cultos barulhentos como sendo infantis e acho lamentável ver crentes criticando os cultos mais silenciosos como se isso fosse sinônimo de frieza espiritual. O que realmente importa é que o Espírito Santo tenha liberdade, seja para agir de forma barulhenta ou de forma suave, mas isso inclui liberdade para os dons espirituais e as manifestações que Ele quiser fazer. Não podemos ser ingênuos de achar que todo culto barulhento é sinal da presença de Deus, mas pelo que vemos em Atos é bem mais comum Deus agir com barulho.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Arminianismo é Equilíbrio Bíblico

Arminianismo é Equilíbrio

Antes da Reforma a Igreja Católica vinha se envolvendo num forte misticismo e enfatizando que a salvação se dava por obras (indulgências). Esse ensino trazia grande jugo sobre o povo que achava necessário comprar ou merecer a salvação de alguma forma.

Foi por causa desse ensino extremo que os reformadores trataram de enfatizar a salvação pela fé. Mas Lutero enfatizou tanto isso em seus livros que até hoje os luteranos dão pouco valor à santidade em sua teologia.

Da mesma forma Calvino tratou de desmontar o falso ensino da salvação por obras, e ao fazer isso acabou caindo num outro extremo alegando que o homem nada fazia para ser salvo, pois isso seria determinado soberanamente por Deus, não podendo ao homem resistir a essa decisão.

Dessa forma, mesmo sem querer e bem intencionado, Calvino tornou Deus um ditador e um ser preconceituoso que faz acepção de pessoas, destinando uns para a salvação e outros para a perdição.

Esse extremismo de Calvino é o típico movimento do pêndulo – quando a sociedade caminha num extremo, a resposta tende a ser radicalmente contrária, até que mais tarde atinjam o equilíbrio.

Em 1610 os reformados alcançaram o equilíbrio bíblico através do Arminianismo Remonstrante, que valorizava a soberania de Deus, a ação do Espírito Santo na conversão, a possibilidade de resistir ao chamado divino, a necessidade do homem de cooperar com Deus na salvação e o desejo divino de que todos sejam salvos (e não somente alguns).

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Críticas Calvinistas

Respondendo a Críticas Calvinistas
CLIQUE AQUI

Amados,
existem algumas acusações feitas comumente pelos calvinistas ao arminianismo que não passam de falácia. Listei algumas nesse artigo e respondi (em amarelo) a cada uma.

Reitero meu amor pelos irmãos calvinistas. Mas não posso me calar diante de acusações infundadas.

A teologia arminiana não gravita em torno do calvinismo e não temos crise com o termo arminiano (favor não confundir com pelagiano!).

Sou arminiano porque esse é o entendimento bíblico natural, e não por querer fazer oposição ao calvinismo. Mas rebato as críticas calvinistas justamente porque o calvinismo é o principal disseminador de inverdades sobre o arminianismo.

Heresias Calvinistas

Heresias Calvinistas

Os calvinistas costumam acusar os arminianos de defender ou produzir heresias. Costumam dizer que o teísmo aberto é fruto do arminianismo, querendo com isso insinuar que é arriscado seguir os 5 pontos arminianos.

Como faria bem se estudassem um pouco a história e admitissem os erros e heresias produzidos no seio do calvinismo. Isso talvez trouxesse mais humildade (coisa que normalmente falta aos calvinistas) e menos intolerância.

Alguns exemplos notáveis de heresias produzidas pelo calvinismo:
1) Muitas congregações presbiterianas na Inglaterra durante o século 18 se tornaram unitarianos.

2) Neste país, em 1924, 1330 ministros presbiterianos assinaram a Declaração de Auburn, um documento que basicamente repudiava os fundamentos da fé.

3) A apostasia do grande baluarte calvinista, o Princeton Seminary, é bem conhecida.

4) Falando do Calvinismo na Suíça, Alemanha, e França, o ex-professor do Calvin College, Charles Miller, expõe: Em todas as três áreas a salvação veio a ser assumida como o direito natural de nascimento. Na calvinista Suíça e na Alemanha o batismo foi presumido assegurar a salvação e foi não apenas um direito mas uma obrigação de cidadania. Na França, independente da vida, confissão, ou convicções intelectuais, o nascimento em uma família huguenote presumia não apenas a qualidade de membro da Igreja Reformada mas ultimamente a salvação.
Ou seja, o calvinismo produziu de fato um descaso missionário, pois desenvolveu um etnocentrismo. Além disso, a tese de que Deus sempre proverá um meio para salvação dos eleitos embute a idéia de que Deus os salvará mesmo que sejamos omissos!

5) O Pai do Liberalismo Teológico foi um calvinista (Friedrich Schleiermacher) – e como se sabe, o movimento liberal até hoje produz estragos no meio cristão.

Estas falhas calvinistas não podem ser atribuídas ao Arminianismo, pois estes “heréticos” eram todos calvinistas professos.

Recomendo aqui a leitura do texto:
http://www.arminianismo.com/index.php?option=com_content&task=view&id=341&Itemid=35

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Estudos sobre Arminianismo

Excelentes estudos sobre Arminianismo no Blog do Ciro:
PARTE 01
PARTE 02
PARTE 03
PARTE 04
PARTE 05

Nessa série o autor até critica o arminianismo por confundir com pelagianismo. Mas os pontos que ele defende são os 5 pontos arminianos.

Não me odeie porque sou arminiano!

Não me odeie porque sou arminiano!
Um excelente e ponderado texto destacando o fato principal de que somos todos irmãos em Cristo.

http://www.arminianismo.com/index.php?Itemid=28&id=917&option=com_content&task=view

Embora eu discorde do calvinismo, amo meus irmãos calvinistas!

Pré-Milenismo x Amilenismo

Pré-Milenismo x Amilenismo
Esse texto conta como e quando o pré-milenismo foi abandonado e trocado pelo amilenismo.Fica claro porque na época da Reforma o amilenismo estava em alta (e acabou sendo adotado pela teologia reformada).Anos mais tarde a doutrina pré-milenista foi resgatada.

http://pentecostalismo.wordpress.com/2008/07/06/escatologia-apocaliptica-e-pentecostalismo/

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Fundamentalismo, Liberalismo e Evangelicalismo

As fronteiras entre Fundamentalismo, Liberalismo e Evangelicalismo.
CLIQUE AQUI PARA LER

Uma frase que li na internet recentemente: "O amor não deve estar separado da verdade e a verdade não pode se divorciar do amor. A verdade não pode ser relativizada, mas o amor não deve ser abandonado. Quem realmente ama, conduzirá os seus a verdade, mas com muito cuidado e atenção. Os liberais exaltam o amor acima da verdade, enquanto os fundamentalistas exaltam a verdade acima do amor. Ambos, por caírem em extremos, estão redundantemente errados."

O evangelicalismo procura equilibrar verdade e amor.

3 Grandes Movimentos Teológicos Protestantes

Segue um resumo sobre os 3 movimentos:

A Reforma Protestante
Uma das marcas da Reforma Religiosa do século XVI foi a redação de “Confissões de Fé”, como a de Westminster e a de Augsburgo.Esse trabalho foi ampliado pelo movimento ortodoxo do século XVII, e tornado vivo pelo Pietismo, pelo Avivalismo e pelo Movimento Missionário (nos séculos XVIII e XIX). O Sínodo de Missouri da Igreja Luterana, por exemplo, é um dos herdeiros diretos dessa ortodoxia protestante continental.

O Movimento Evangelical – Herdeiro espiritual de Wycliffe, da Reforma, da Ortodoxia Protestante e do Pietismo (com calvinistas e arminianos), o Evangelicalismo se sistematiza na Igreja da Inglaterra no século XVIII (na “Igreja Baixa”), com sua ênfase na conversão pessoal e na salvação pela fé no sacrifício de Jesus Cristo, bem como na autoridade das Sagradas Escrituras, no retorno de Jesus Cristo para o Juízo Final e na importância da pregação. Fletcher, Verin, Romarine, Newton foram alguns dos seus expoentes. Seu grande gênio, sem dúvida, foi Charles Simeon, Capelão da Universidade de Cambridge. Foi dele integrante também o missionário Henry Martin, e o grupo de Claphan, defensor da abolição da escravidão e de reformas sociais e trabalhistas. Foram, também, seus frutos a CMA (Church Missionary Society), a Aliança Evangélica (1846), hoje WEF (World Evangelical Fellowship) e a ABU (CCU), fundada em Cambridge, em 1878 (hoje IFES – International Felowship of Evangelical Students), que só chegaria ao Canadá na década de 1930, e aos Estados Unidos apenas na década de 1940. O Evangelicalismo e a ABU são fenômenos europeus, dos séculos XVIII e XIX (a sede da IFES é, hoje, em Harrow, Inglaterra).

O Movimento Liberal (Liberalismo Teológico) - foi um movimento teológico cuja produção se deu entre o final do século XVIII e o início do século XX. Relativizando a autoridade da Bíblia, o liberalismo teológico estabeleceu uma mescla da doutrina bíblica com a filosofia e as ciências da religião. Ainda hoje, um autor que não reconhece a autoridade final da Bíblia em termos de fé e doutrina é denominado, pelo protestantismo ortodoxo, de "teólogo liberal".Oficialmente, a teologia liberal se iniciou, no meio evangélico, com o alemão Friedrich Schleiermacher(1768-1834), o qual negava essa autoridade e igualmente a historicidade dos milagres de Cristo. Ele não deixou uma só doutrina bíblica sem contestação. Para ele, o que valia era o sentimento humano: se a pessoa "sentia" a comunhão com Deus, ela estaria salva, mesmo sem crer no Evangelho de Cristo.Meio século depois de Schleiermecher, outro teólogo questionou a autoridade Bíblica, Albrecht Ritschl(falecido em 1889). Para Ritschl, a experiência individual vale mais que a revelação escrita. Assim, pregava que Jesus só era considerado Filho de Deus porque muitos assim o criam, mas na verdade era apenas um grande gênio religioso. Negou assim sistematicamente a satisfação de Cristo pelos pecados da humanidade, Pregava que a entrada no Reino de Deus se dava pela prática da caridade e da comunhão entre as pessoas, não pela fé em Cristo.Ernst Troeschl(falecido em 1923) foi outro destacado defensor do liberalismo teológico. Segundo ele, o cristianismo era apenas mais uma religião entre tantas outras, e Deus se revelava em todas, sendo apenas que o cristianismo fora o ápice da revelação. Dessa forma, tal como Schleiermacher, defendia a salvação de não-cristãos), por essa alegada "revelação de Deus" em outras religiões.

O Movimento Fundamentalista – inicialmente foi uma resposta ao liberalismo. Em 1895 ocorreu a Conferência Bíblica dos Protestantes Conservadores, em Niágara e em 1909 foi publicada a série “Os Fundamentos” contendo “Cinco Pontos Fundamentais”: a inerrância verbal das Sagradas Escrituras, a divindade de Jesus Cristo, o Nascimento Virginal, o Sacrifício Expiatório e o retorno corporal de Cristo; Mais tarde esse movimento virou uma ideologia e sub-cultura sectária, racista, moralista e antiintelectual no sul dos Estados Unidos, com reflexos, principalmente nas “Missões de Fé” dos anos 40-70 (chamado de neo-fundamentalismo); Os fundamentalistas costumam ter uma postura agressiva em relação aos homossexuais. Os evangelicais condenam o homossexualismo, mas procuram ter uma abordagem mais pacífica.

Recomendo ainda a leitura de 2 artigos sobre esse tema:
Fundamentalismo-Parte 01
Fundamentalismo-Parte 02

terça-feira, 17 de junho de 2008

Resposta ao Calvinismo

Uma Resposta Firme ao Calvinismo
CLIQUE AQUI

Veja um trecho do artigo:

=> Quando Deus mandou o dilúvio e apenas Noé e sua família foram salvos, Ele estava brincando de “afogar gatinhos na banheira”? Ora, se Deus escolheu que ninguém mais seria salvo naquele tempo por que Ele mandou o dilúvio? Por que destruir a humanidade se Ele mesmo tivesse determinado que aquela geração fosse ímpia?

=> Jesus estava "desinformado sobre o calvinismo" quando ficava indignado ao ver a incredulidade do povo de algumas cidades (como Nazaré)? Ele teria esquecido que foi o próprio Pai que havia predeterminado que eles fossem incrédulos?

=> Segundo calvinismo foi Deus que predestinou as pessoas a viverem separadas dele – então por que no lamento sobre Jerusalém, Jesus disse "quantas vezes eu quis salvá-los, mas vocês não quiseram!"? Ele estava delirando?
Mt:23:37: Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!

quinta-feira, 15 de maio de 2008

O Segredo

O SEGREDO

Lei da Atração: tudo que sua mente desejar você atrairá: Dinheiro, Saúde, Felicidade, Relacionamentos, etc...

Será mesmo assim?

Qual a semelhança entre "a Lei de Atração" e a Bíblia?

Descubra nesse artigo O_SEGREDO

A TEOLOGIA PENTECOSTAL

ORIGEM DA TEOLOGIA PENTECOSTAL
http://dl.dropbox.com/u/6819627/Confraria/Pentecostais/01_Origem_da_Teologia_Pentecostal.pdf

DIFERENÇAS ENTRE AS TEOLOGIAS: REFORMADA E PENTECOSTAL
http://dl.dropboxusercontent.com/u/6819627/Confraria/Pentecostais/02_Quadro_Comparativo_Teologia.pdf