Não fui reformado! Fui transformado por Deus!


Não fui reformado! Fui transformado por Deus! (Rom:12:2)

Veja na Bíblia os 5 PONTOS DO ARMINIANISMO. E veja aqui mais itens sobre Arminianismo.

Nesse blog não fazemos proselitismo. Esse é um blog pentecostal voltado para pentecostais. E surgiu justamente porque vi muitos pentecostais sendo ingenuamente atraídos por blogs reformados que atacam o pentecostalismo. Amo e respeito meus irmãos reformados. E minha visão é que devemos unir forças para evangelizar o mundo ao invés de ficar digladiando entre nós. Discordo da teologia reformada e do calvinismo, mas sem desrespeitar meus irmãos reformados. Temos muito em comum.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

DEUS AMA A TODOS

DEUS AMA A TODOS

Se o amor de Deus é perfeito como Ele poderia discriminar as pessoas e escolher somente algumas delas para a salvação?
A resposta dos calvinistas é que Deus ama apenas os eleitos.

Mas pense nas implicações dessa afirmação...
1) A Bíblia diz claramente que Deus é amor e que ama a todos!
1Jo:4:8: Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.
1Jo:4:16: Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.
1Jo:4:12: Se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós, e em nós é perfeito o seu amor.
João:3:16: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

2) A Bíblia diz o seguinte: Mt:5:44: Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
Se meu Pai manda amar meus inimigos para ser filho dEle, deduzo que meu Pai também ame Seus inimigos. Ou será que meu Pai me pediria para fazer algo que Ele não faz?

3) A Bíblia diz ainda: Mt:22:39: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Se o meu próximo for um pecador devasso que não quer converter-se mesmo assim devo amá-lo! Então pergunto: será que Deus não ama também esse miserável pecador? Ou será que somos mais amorosos que Deus? Como isso seria possível se Deus é a fonte de todo amor?
Tg:1:17: Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes.
1Jo:4:8: Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.

DEUS AMA A TODOS. Não há como negar essa verdade bíblica!

Alguém pode questionar:
1) Deus não odiava Esaú?
Rom:9:13: Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú.

Sim, isto aconteceu porque Esaú agiu impiamente: Heb:12:16: E ninguém seja devasso, ou profano, como Esaú, que por uma refeição vendeu o seu direito de primogenitura.

A expressão ódio aqui significa que Esaú provocou a ira de Deus e foi rejeitado para a linhagem do povo de Deus. Tanto é que a NVI e a NTLH traduzem como "rejeitei" em vez de "odiei".Deus deu a Jacó a tarefa de ser pai das 12 tribos de Israel.
[Pode-se ler ainda o texto de Lc:14:26 para perceber que a expressão não trata de ódio.]

2) Deus não odeia os pecadores?
Sl:5:5: Os loucos não pararão à tua vista; odeias a todos os que praticam a maldade.

Odiar aqui tem o mesmo sentido de ira. Deus detesta os que praticam a maldade.
João:3:36: Aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece.
Os pecadores impenitentes provocam a ira de Deus. Mas eles ficam sob a ira somente até se converterem: Ef:2:3: Éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.

3) Deus amava Caim?
Deus amava as pessoas que Ele destruiu no dilúvio?
Deus amava os moradores de Sodoma e Gomorra?
Deus amava Faraó e os egípcios?
Deus amava os amalequitas?
Deus amava os cananeus que mandou exterminar?
Deus amava os edomitas (Mal 1.1-4)?


Claro que amava!! Amava e queria salvar todas essas pessoas.
Jer:18:7-8: No momento em que falar contra uma nação, e contra um reino para arrancar, e para derrubar, e para destruir, Se a tal nação, porém, contra a qual falar se converter da sua maldade, também eu me arrependerei do mal que pensava fazer-lhe.

Mas essas pessoas atingiram tal grau de depravação que Deus derramou Sua ira sobre elas. Há um limite para a longanimidade de Deus. Passado esse limite ele derrama Sua ira e a pessoa perde a oportunidade de salvação. Deus quer salvar a todos, mas os inconversos estão sob sua ira até se converterem. Em Isaías 6.8-13 vemos claramente que o Senhor estava sacrificando e rejeitando uma parte do povo (que já se achava perdida) para que a "santa semente" (os fiéis) não se perdesse. Deus desistiu de salvar parte do povo tamanha a iniquidade. E os destruiu para preservar os fiéis.

4) Se Deus corrige quem Ele ama, então Ele corrige os inconversos?
Heb:12:6: Porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho.
Ap:3:19: Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te.

Deus busca corrigir a todos através do Espírito Santo, que convence o mundo do pecado, justiça e juízo.
Jo:16:8: E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.


QUAL NOSSO MODELO DE PREGAÇÃO?
Alguns se espelham em Cristo como exemplo de amor.
Cristo fala de ira, mas muito mais de amor.

Outros se espelham nos profetas do AT bradando a ira divina.
O profeta fala do amor, mas a ira é mais enfatizada.

Deixo uma pergunto no ar: Qual deve ser nosso modelo de evangelização: Jesus ou os profetas do AT?

5 comentários:

(-V-) disse...

Cleber,

Para começar, precisaríamos da tua definição de amor. Pois você sabe muito bem que calvinistas afirmam que Deus ama os eleitos de uma forma salvífica e os não-eleitos de uma forma providencial (graça comum). Sim, nesse ponto já há muitas discussões, mas continuemos.

Se o amor de Deus é perfeito como Ele poderia discriminar as pessoas e escolher somente algumas delas para a salvação?
A resposta dos calvinistas é que Deus ama apenas os eleitos.

Porque Ele tem misericórdia de quem Ele quer ter a misericórdia. Será que Deus é obrigado a amar a todos? Será que o amor é algo maior que Deus que o obrigue a amar a todos? Certamente o fato de Ele já amar um de nós, seres humanos decaídos, é uma imensa demonstração de graça.
E o interessante que aqui você já se contradiz. Você afirma que por causa do amor de Deus ser perfeito Ele deve amar a todos da mesma forma, perfeitamente. Mas logo abaixo afirma que Deus odiou Esaú por causa do pecado dele (lógico, para afirmar isso você tirou o texto original do contexto, o que mostrarei mais abaixo). Será que só Esaú pecou? Será que Deus ama quem comete poucos pecadinhos, mas odeia quem comete vários pecadões? Como se todos nós, antes de Cristo, não pecássemos a cada respirar.

Mas pense nas implicações dessa afirmação...
1) A Bíblia diz claramente que Deus é amor e que ama a todos!
1Jo:4:8, 12, 16
João:3:16

Bom, o primeiro texto (de 1 João) não afirma que Deus ama a todos. Afirma que Deus é amor e isso, nenhum calvinista nega.
Já João 3:16, postarei algo sobre ele, terça-feira, no meu blog, mas já te adianto que se você ler contextualmente não é esse o sentido de mundo.

2) Se meu Pai manda amar meus inimigos para ser filho dEle, deduzo que meu Pai também ame Seus inimigos. Ou será que meu Pai me pediria para fazer algo que Ele não faz?
Deus, na posição de Deus e Soberano, tem a necessidade de cumprir algo que Ele te ordena fazer? E, assumindo que Deus ame os inimigos dele, vem a pergunta:
- Deus ama o diabo? E se o amor dEle é perfeito porque Ele não ofereceu uma “oportunidade” de salvação ao diabo e aos anjos caídos? Será que é porque Ele tem misericórdia de quem Ele quer ter misericórdia? E quem somos nós para discutir com ele.
Além do mais, é perfeitamente entendível que Deus demonstre o amor providencial aos inimigos dEle e a paciência por não enviá-los agora pro inferno, como todos merecemos à parte de Cristo.

3) A Bíblia diz ainda: Mt 22:39: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Se o meu próximo for um pecador devasso que não quer converter-se mesmo assim devo amá-lo! Então pergunto: será que Deus não ama também esse miserável pecador? Ou será que somos mais amorosos que Deus? Como isso seria possível se Deus é a fonte de todo amor?

Respondido acima.
Pergunta:
- você ama o diabo?

Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra? E que direis se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição; Para que também desse a conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que para glória já dantes preparou, Os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios? (Romanos 9: 20-24)

DEUS AMA A TODOS. Não há como negar essa verdade bíblica!
A qual você não provou.

1) Deus não odiava Esaú?
Texto fora de contexto...
Querido Cleber na sua ânsia de provar seu sistema teológico você perverteu o texto de Romanos 9 (onde o contexto é sim salvação). E por que perverteu? Porque você afirma que Deus rejeitou, ou amou menos (aliás, se o amor de Deus é perfeito como Ele pode amar menos?) a Esaú por causa das más obras dele. O texto categoricamente e enfaticamente afirma o inverso:
Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), foi-lhe dito a ela: O maior servirá o menor. Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú.
Daí Paulo já responde sua indagação interior:
Que diremos pois? que há injustiça da parte de Deus? De maneira nenhuma. Pois diz a Moisés: Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia.

2) Deus não odeia os pecadores?
Mas, você acabou de falar que Deus ama os pecadores. Então Deus odeia e ama ao mesmo tempo?

3) Deus amava ...?
Peso da palavra do SENHOR contra Israel, por intermédio de Malaquias. Eu vos tenho amado, diz o SENHOR. Mas vós dizeis: Em que nos tem amado? Não era Esaú irmão de Jacó? disse o SENHOR; todavia amei a Jacó, E odiei a Esaú; e fiz dos seus montes uma desolação, e dei a sua herança aos chacais do deserto. Ainda que Edom diga: Empobrecidos estamos, porém tornaremos a edificar os lugares desolados; assim diz o SENHOR dos Exércitos: Eles edificarão, e eu destruirei; e lhes chamarão: Termo de impiedade, e povo contra quem o SENHOR está irado para sempre. (Malaquias 1: 1-4)
Interessante o texto.

Claro que amava!! Amava e queria salvar todas essas pessoas.
Eu acho realmente engraçado, como você deixa claro que Deus pode desejar algo, mas não tem poder suficiente para realizar esse algo. E o texto que você citou de Jeremias, não afirma isso. Antes afirma: “eu quero destruir todas essas pessoas por causa do pecado delas, mas se elas se arrependerem não irei destruí-las”.

Mas essas pessoas atingiram tal grau de depravação que Deus derramou Sua ira sobre elas. Há um limite para a longanimidade de Deus. Passado esse limite ele derrama Sua ira e a pessoa perde a oportunidade de salvação. Deus quer salvar a todos, mas os inconversos estão sob sua ira até se converterem. Em Isaías 6.8-13 vemos claramente que o Senhor estava sacrificando e rejeitando uma parte do povo (que já se achava perdida) para que a "santa semente" (os fiéis) não se perdesse. Deus desistiu de salvar parte do povo tamanha a iniquidade. E os destruiu para preservar os fiéis.
Deus não amava os inimigos dele? Ou o amor de Deus tem limite? Se tem limite, ainda assim é perfeito?

4) Se Deus corrige quem Ele ama, então Ele corrige os inconversos?
Texto fora de contexto...
Porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos. (Hebreus 12:6-8)
O texto deixa bem claro que se você é um bastardo Deus não te corrige. Ademais existe uma grande diferença entre correção de um Pai Santo, Justo, Puro e Amoroso e julgamento de um Juiz Santo, Justo, Puro e Amoroso.

Deus busca corrigir a todos através do Espírito Santo, que convence o mundo do pecado, justiça e juízo.
Jo:16:8: E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.

Vamos ler todo o texto:
Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei. E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo. Do pecado, porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais; e do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado. (João 16:7-11)
Esse texto aparenta falar mais de condenação, do que salvação. “Do pecado, porque não crêem em mim”. Se é condenação, então não é disciplina.

QUAL NOSSO MODELO DE PREGAÇÃO?
Nosso modelo, obviamente é primeiramente Jesus e depois todos os outros personagens Bíblicos. Não é algo excludente.
Ademais, Jesus falou mais sobre a condenação do que sobre o amor. É só ver as parábolas.
Eu não acho e nem afirmo que devemos ser “profetas do apocalipse”. Sim devemos oferecer a salvação a todos os homens. Sim devemos pregar sobre a graça de Deus. Mas também devemos falar sobre a justa condenação de um Deus amoroso sobre o pecado humano.

E, por fim, quero deixar um desafio para você:
- mostre-me uma vez que Jesus ou os apóstolos ao estarem evangelizando afirmou que Deus amava todos que estavam ali presentes.
obs: João 3: 16 não afirma isso como mostrarei futuramente no meu blog.

Cleber disse...

Vini,
graça é uma coisa, amor é outra.

Calvinistas dizem que Deus odeia os não-eleitos.
Arminianos afirmam que Deus ama os não-eleitos.

Vini, acho q vc não entendeu minhas afirmativas (2) e (3). Qdo falei que o Pai ama os inimigos não falava dos demônios e sim dos que vc chama de "réprobos". Como posso amar os "réprobos" se Deus não os ama? Leia as perguntas tendo isso em mente.

É claro que Deus odeia o diabo. Todos os homens que morrem no caminho do pecado tbm ficam sob a ira e o ódio de Deus.

Vini, em lugar algum eu disse que Deus "amou menos" a Esaú. Vc está argumentando em cima de coisas que eu não afirmei.
O que eu disse é que o "odiei" significa "rejeitei" e o motivo é que Esaú seria muito devasso para ser pai da nação de Israel. Por isso Deus escolheu Jacó.
Observe que o texto não fala de escolha para salvação... diz claramente que a escolha foi para uma tarefa... pois os edomitas serviriam aos israelitas: "O maior servirá o menor." Ou seja, Deus ama a todos e amava Esaú.

Vini, na pergunta 2 é claro que fiz pergunta retórica. Quis mostrar que a ira de Deus está sobre todos que não o seguem. Mesmo nós antes de aceitarmos Jesus estávamos sob a ira.

Vini, vc disse: "Eu acho realmente engraçado, como você deixa claro que Deus pode desejar algo, mas não tem poder suficiente para realizar esse algo."
Vini, Deus tem poder sim, mas Ele é misericordioso. Deus não se torna fraco quando resolve usar de misericórdia.
Na passagem de Jeremias Deus quer destruir as pessoas pelo pecado delas, mas em Sua misericórdia Ele diz que se elas se arrependerem ele vai poupá-las. Isso não é fraqueza.

Vc perguntou se o amor de Deus tem limites. O amor eu não sei, mas a paciência tem.

Vini, a correção é aqui, o julgamento é na glória.
A obra de convencimento do Espírito Santo é justamente para salvar o pecador.

Vini, fico feliz que chegamos a um consenso:
"Eu não acho e nem afirmo que devemos ser “profetas do apocalipse”. Sim devemos oferecer a salvação a todos os homens. Sim devemos pregar sobre a graça de Deus. Mas também devemos falar sobre a justa condenação de um Deus amoroso sobre o pecado humano."

Um abraço!
Cleber.

(-V-) disse...

Cleber,

Vini, acho q vc não entendeu minhas afirmativas (2) e (3).
Quando eu citei o diabo não citei porque não entendi o que você estava falando. Citei justamente para te mostrar que mesmo Deus sendo perfeitamente amor, Ele pode odiar o diabo e não amá-lo e com isso Ele não deixa de ser bom ou amoroso. Minha intenção foi mostrar que a lógica “o amor de Deus é perfeito, logo Ele a todos” é falsa.

Vini, em lugar algum eu disse que Deus "amou menos" a Esaú. Vc está argumentando em cima de coisas que eu não afirmei.
Realmente, desculpe. Mas é que esse normalmente é um argumento arminiano e se não me engano o Ciro o usou. Mas perdoe-me a confusão.

O que eu disse é que o "odiei" significa "rejeitei" e o motivo é que Esaú seria muito devasso para ser pai da nação de Israel. Por isso Deus escolheu Jacó.
Desculpe-me, Cleber, mas você deturpou o texto agora. O texto claramente mostra que não foi por causa das obras a rejeição, ou o ódio (enfim):
Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), foi-lhe dito a ela: O maior servirá o menor. Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú.

Observe que o texto não fala de escolha para salvação... diz claramente que a escolha foi para uma tarefa... pois os edomitas serviriam aos israelitas: "O maior servirá o menor." Ou seja, Deus ama a todos e amava Esaú.
Bom, o contexto e o assunto de Romanos 9 é salvação. Isso é inegável. Então você teria que afirmar que Paulo muda o assunto do nada: ele está falando sobre predestinação e, do nada, fala sobre chamado vocacional. Um dos motivos porque eu colei o texto (que, aliás, desconhecia até você citar) de Malaquias é justamente para mostrar o sentimento de Deus com relação ao edomitas:
Termo de impiedade, e povo contra quem o SENHOR está irado para sempre. (Malaquias 1: 4)

Juntando os dois textos: a afirmação de Paulo de que não havia base de obras nenhuma para a rejeição e em Malaquias afirmando o sentimento de ira de Deus, podemos chegar a uma conclusão: de que de fato Deus tem misericórdia de quem Ele quer ter misericórdia e não tem de quem Ele não quer ter.

Vini, vc disse: "Eu acho realmente engraçado, como você deixa claro que Deus pode desejar algo, mas não tem poder suficiente para realizar esse algo."
Quando eu falei de Deus desejar e não poder eu estava falando a respeito de salvação e não condenação.

Na passagem de Jeremias Deus quer destruir as pessoas pelo pecado delas, mas em Sua misericórdia Ele diz que se elas se arrependerem ele vai poupá-las.
Concordo. Eu afirmei justamente isso.

Vini, a correção é aqui, o julgamento é na glória.
A obra de convencimento do Espírito Santo é justamente para salvar o pecador.

Correção, regeneração e julgamento são coisas distintas.
A obra do Espírito Santo de convencer o pecador, dar um novo coração é a obra da regeneração que precede a conversão (sei que é provável que você negue a ordem, mas o ensino é claro em João 1 e 3)
E como eu mostrei no contexto de Hebreus, Deus não corrige a todos ou não existiriam bastardos.

Vini, fico feliz que chegamos a um consenso:
Amém, irmão. Há muitas outras coisas que creio que temos em acordo. Cresçamos juntos no perfeito Amor que nos une.


Por fim, hoje eu li um texto do John Piper (Há duas vontades em Deus? – em inglês) que afirma o amor universal e a eleição incondicional ao mesmo tempo. Ainda estou digerindo o texto. Bem complexo. Mas logo trarei argumentos interessantes. Deixo dois por enquanto:
1) O aparente paradoxo entre a misericórdia divina e a ira contra o pecador. (acho que não preciso colocar versículos)
2) Deus tem ou não prazer, deseja ou não a morte do ímpio?
Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que razão morrereis, ó casa de Israel? (Ezequiel 33: 11)
vs.
E disse-lhes: Por que fazeis tais coisas? Pois ouço de todo este povo os vossos malefícios. Não, filhos meus, porque não é boa esta fama que ouço; fazeis transgredir o povo do SENHOR. Pecando homem contra homem, os juízes o julgarão; pecando, porém, o homem contra o SENHOR, quem rogará por ele? Mas não ouviram a voz de seu pai, porque o SENHOR os queria matar. (1 Samuel 2: 23-25)
E
E será que, assim como o SENHOR se deleitava em vós, em fazer-vos bem e multiplicar-vos, assim o SENHOR se deleitará em destruir-vos e consumir-vos; e desarraigados sereis da terra a qual passais a possuir. (Deuteronômio 28: 63)

E nessas horas que me falta entendimento, só resta-me dizer:
O profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Porque quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Anônimo disse...

Eu concordo com o Cleber. Há uma inconsistência terrivel no Calvinismo na questão do amor de Deus. Tambêm os termos como 'graça comum', 'graça irresistível', 'depravação total' etc. não são termos bíblicos, e portanto, o calvinista deveria fazer sua exegese à partir do texto sagrado e não à partir do seu esquema de crença.
O Arminianismo, longe de ser perfeito, pois tambêm é um sistema, é mais 'bíblico', pois aborda a sua posição à partir de passagens biblicas, mesmo que algumas não vejam todo o contexto.
Abraço,
Matias

(-V-) disse...

Matias,

Livre-arbítrio
Eleição Condicional
Expiação Universal
Graça Resistível
Cair da Graça

não são um "termos bíblicos" (no sentido estrito).
Trindade também não.

Agora, afirmar que o calvinismo não baseia seus pontos em textos bíblicos já é demais. Cada ponto do calvinismo tem mais de 5 textos provando-o.
Se você quiser afirmar que foram pontos feitos em contra-resposta aos pontos do arminia-nismo e que exegese não deveria ser feita assim, eu até concordar. Mas, isso não tira a credibili-dade dos pontos.
E lembrando que tanto os pontos do calvinismo como do arminianismo já foram discutidos exaustivamente em Dort.

A questão é: tanto o arminianismo e o calvinismo baseiam-se em textos bíblicos. Contudo, por questões lógicas, um deles está interpretando textos incorretamente. Creio que o debate pro-posto por este blog, pelo meu caro Cleber e pelos calvinistas que aqui comentam é justamente esse.