Não fui reformado! Fui transformado por Deus!

Nesse blog não fazemos proselitismo. Esse é um blog pentecostal voltado para pentecostais.
Veja na Bíblia os 5 PONTOS DO ARMINIANISMO. E veja aqui mais itens sobre Arminianismo.

sábado, 3 de janeiro de 2009

Jesus PODE Salvar a Todos

Jesus PODE Salvar a Todos

Os arminianos costumam dizer que Jesus tornou a salvação possível ou acessível a todos.
Mt:18:11: Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido.

Os calvinistas alegam que Jesus veio para salvar, e não para tornar a salvação possível.
No entanto, a Bíblia esclarece que embora a vontade de Deus seja salvar a todos os perdidos (Mt 18.11), Ele só PODE salvar aqueles que se achegam a Deus (isto é, aqueles que respondem ao chamado do Espírito Santo):

Heb:7:24: Mas este, porque permanece eternamente, tem um sacerdócio perpétuo.
Heb:7:25: Portanto, PODE também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles.
Heb:7:26: Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais sublime do que os céus;

VAMOS À LÓGICA: Os calvinistas alegam que sempre que a Bíblia afirma que Jesus veio salvar, significa salvar "efetivamente" e não apenas tornar a salvação possível.

Se aplicarmos essa regra ao verso de Mt:18:11 (Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido) teríamos que defender então que Jesus vai salvar todos os perdidos efetivamente.

Isso chama-se universalismo e é algo que os calvinistas discordam. Mas o argumento calvinista leva ao universalismo sem eles perceberem.

O arminiano afirma que Jesus veio tornar a salvação possível a todos os perdidos. Isso quebra qualquer possibilidade de universalismo.

1Tm:4:10: Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no DEUS vivo, que é o SALVADOR DE TODOS OS HOMENS, principalmente dos fiéis.

34 comentários:

(-V-) disse...

Pelo que eu sei, tanto o calvinismo, quanto o arminianismo afirmam que Jesus tem a capacidade de salvar a todos.
Contudo, os calvinistas afirmam que apesar do sangue de Cristo ter o poder de salvar toda humanidade, esta foi destinada aos eleitos, o "seu povo" (Mateus 1:21), conferindo-lhes tanto os meios, quanto os fins.
A questão volta no: "que por ele se chegam a Deus"
Para os calvinistas estes são atraídos pela Graça Irresistível.
Para os arminianos, todos são atraídas pela Graça Preveniente e aqueles que tomam a decisão de seguir a Cristo se achegam a Deus.

Correto?
Como você responde a pergunta:
"Se Jesus veio salvar a todos então Ele falhou?"

Anônimo disse...

-V- diz:
Como você responde a pergunta:
"Se Jesus veio salvar a todos então Ele falhou?"
Esta é a pergunta que todo calvinista faz para confrontar o "arminiano".
Pergunto eu: Quando o ser humano não ouve acerca do evangelho ou depois de ouvir, não aceita a salvação, Deus que quer que todos cheguem ao conhecimento da verdade e sejam salvos, falhou?
Deus não falha! Pode chorar sobre a cidade impenitente, mas não falha!
Abraço,
Matias

Cleber disse...

Vini,
é justamente esse o ponto do meu post: calvinistas dizem que se Jesus veio salvar todos então Ele falhou pq ele veio salvar e não tornar a salvação possível.

Estou mostrando através desse texto que Jesus PODE salvar, ou seja, tornou a salvação possível pois a pessoa pode rejeitá-la.

Portanto, se alguém rejeitar Jesus não falhou pois isso faz parte do plano de Deus.

O "PODE" desse versículo diz muita coisa.

(-V-) disse...

Cleber,

Este versículo não fala que Jesus pode salvar a todos, nem que Ele morreu por todos.

Mas com inúmeros versículos afirmando que Jesus veio salvar e não tornar a salvação possível, porque você acha que esse um (que não afirma isso) afirma?

Ednaldo disse...

Cleber o versículo não é composto apenas pelo "PODE", faz uma análise geral dele, partindo de uma versão grega, pode usar o NA 27 ou o TR, não existe variação. Aproveita e analisa também o contexto em que está inserido, acho que se você fizer isso com diligência vai chegar a outra conclusão.

Em Cristo,

Ednaldo.

Cleber disse...

Gente,
sei que o verso não fala diretamente sobre salvar a todos.

Mas o PODE indica possibilidade - pode salvar ou não salvar.

Faz pensar.

PS.: ainda estou em viagem...heheh

(-V-) disse...

Cleber,

Então, já voltou de viagem? Não quero atrapalhar.

Mas vamos lá:

Se eu efetivamente concretizar algo, significa logicamente que eu tenho a capacidade para isso, que eu posso fazer isso.
Se eu não concretizar esse mesmo algo, eu posso ou não realizar tal ato.

Logo quando afirmamos que Cristo efetivamente salvou os eleitos, por tabela já estamos fa-lando que Ele PODE salvar.

Logo, o versículo não nega a concretização da salvação nem dá base para o: Jesus veio dar a todos a possibilidade de salvação.

Outra questão é: os que por ele se chegam a Deus.
Os calvinistas crêem que esses são os eleitos (graça irresistível)

Assim, não vejo nada que contrarie o calvinismo nesse versículo.

E por fim uma pergunta: o que significa salvar perfeitamente pra você?

Ednaldo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ednaldo disse...

Paz Cleber, e a viagem foi boa? Espero que sim.

Vamos ao debate, você diz: "Mas o PODE indica possibilidade - pode salvar ou não salvar."

PODE indica possibilidade, concordo que em determinados contextos tenha possa ser interpretado assim, mas se você tiver o cuidado de analisar o verso, veja que ali não fala de possibilidade, mas de CAPACIDADE.
O contraste apresentado pelo autor aos Hebreus é:

* Sacerdócio Levitíco/Sacerdócio de Cristo;
* um era temporal/o outro É Eterno;
* um era imperfeito/o outro É Perfeito (olha onde se aplica o perfeitamente);
* um oferecia sacrifícios que cobriam o pecado/o outro OFERECEU Sacrifício que TIRA o pecado.

Este é o contraste, e não indica de forma alguma que Jesus pode ou não salvar baseado na vontade humana, mas se você estiver se referindo a VONTADE DO PAI, aí já estarás no nosso time.

Se a sua intenção era apontar para a SUFICIÊNCIA do Sacrifício de Cristo, eu até concordo que haja PODER mais que suficiente para redimir toda a humanidade, mas isso é irrelevante, pois nós tratamos com a EFICÁCIA do Sacrifício.

A própria passagem é restritiva em si mesma, pois aponta apenas para "os que por Ele se chegam a Deus".

Este debate, e outros, só acontecem porque vocês ainda insistem em colocar a VONTADE HUMANA como DECISIVA na salvação.

Em Cristo,

Ednaldo.

Cleber disse...

Manos,
o PODE indica tanto possibilidade quanto capacidade.
Jesus pode salvar.
Jesus é capaz salvar.

Mas o ponto do meu post era outro.

Vejam:
"Jesus veio salvar o que estava perdido."

Sim, aqui diz que Jesus veio salvar.
Os calvinistas alegam que Jesus não veio apenas tornar a salvação possível, mas veio salvar "efetivamente".
Se seguirmos essa lógica calvinista teríamos que defender que Jesus vai salvar todos os perdidos efetivamente (universalismo).
Claro que os calvinistas discordam do universalismo, mas sua lógica acaba levando a isso.

Por isso, o que quero mostrar, é que Jesus veio tornar a salvação possível a todos os perdidos.
É simples. Apliquem a lógica de vcs em Mt:18:11 e descobrirão a "base bíblica" usada pelos defensores do universalismo.

Um universalista enche a boca pra dizer que Jesus vair salvar todo mundo efetivamente pq "Jesus veio salvar o que estava perdido."

Como arminiano eu discordo facilmente.
O calvinista se complica.

PS.: a vontade humana é decisiva em certo sentido, ou seja, depois que Deus proveu pregadores e o Espírito Sanbto que convence.
Vcs dão demasiado valor ao fato de homem poder aceitar ou rejeitar.
Chamem de arbítrio-liberto se preferirem.

Cleber disse...

Mano, estou viajando.
Assim que der respondo.

Ednaldo disse...

Cleber, vamos aprender a usar a gramática.

"Manos,
o PODE indica tanto possibilidade quanto capacidade.
Jesus pode salvar.
Jesus é capaz salvar."

A frase que grifei tem o mesmo sentido gramatical da segunda. Para você ser honesto com o teu pensamento, teria que encontrar o ponto em que essas duas frases não sejam contraditórias.

Jesus pode salvar.-indicando capacidade
Jesus possibilita a salvação.-indicando possibilidade.

Na primeira indica a capacidade de Jesus em salvar, a segunda indica que Jesus não salva ninguém efetivamente, mas apenas abre a porta para os que desejarem entrar.

Nós calvinistas temos a resposta, mas quero ver a de vocês arminianos.

Ednaldo.

Ednaldo disse...

Continuando...

"Vejam:
"Jesus veio salvar o que estava perdido."

Sim, aqui diz que Jesus veio salvar.
Os calvinistas alegam que Jesus não veio apenas tornar a salvação possível, mas veio salvar "efetivamente".
Se seguirmos essa lógica calvinista teríamos que defender que Jesus vai salvar todos os perdidos efetivamente (universalismo).
Claro que os calvinistas discordam do universalismo, mas sua lógica acaba levando a isso."

Que lógica calvinista? A que você tirou da sua cabeça? Não esqueça do decreto da eleição, mas parece que você desconsiderou isso. Não diga "sua lógica", porque calvinistas sempre foram e sempre serão restritivos quanto a salvação, outra coisa analise o contexto de Mateus 18 e você verá que Jesus também estava sendo restritivo.

Ednaldo disse...

continuando...

"Um universalista enche a boca pra dizer que Jesus vair salvar todo mundo efetivamente pq "Jesus veio salvar o que estava perdido."

Como arminiano eu discordo facilmente.
O calvinista se complica."

Sinceramente, se eu fosse você eu iria estudar a fundo o calvinismo, para não falar esse tipo de coisa.

Acabaram os teus argumentos?

Ednaldo disse...

"PS.: a vontade humana é decisiva em certo sentido, ou seja, depois que Deus proveu pregadores e o Espírito Sanbto que convence.
Vcs dão demasiado valor ao fato de homem poder aceitar ou rejeitar.
Chamem de arbítrio-liberto se preferirem."

Vocês quem? Não nos insulte.

Cleber disse...

Ed,
está nítido que você não está entendendo o que digo e não faz sequer esforço pra entender...

É óbvio que sei que calvinistas são restritivos. O que estou mostrando é que alguns argumentos calvinistas podem ser usados tbm por universalistas.

Tente ler meus comentários desarmado. Sem isso não tem sentido algum ficarmos debatendo.

Ednaldo disse...

"É óbvio que sei que calvinistas são restritivos. O que estou mostrando é que alguns argumentos calvinistas podem ser usados tbm por universalistas."

Cleber, não estou lendo armado seus comentários, mas estou lendo conforme a minha crença. Nunca os argumentos CALVINISTAS são usados por universalistas, pelo contrário se opõem a eles, por sermos retritivos lembra da EXPIAÇÃO LIMITADA?

Mas ao contrário do que você deseja ver, os argumentos arminianos, EXPIAÇÃO ILIMITADA ou UNIVERSAL, é que são usados pelos universalistas.

A única coisa, que impede vocês de serem universalistas, é o famigerado "livre-arbítrio". Mas é muito mais fácil transformar as interpretações arminianas em universalismo, que a interpretação restritiva dos calvinistas.

Ednaldo.

pca disse...

Na verdade, os universalistas se aproveitam de crenças calvinistas e arminianas. Dos arminianos, porque crêem que há diversas passagens que dizem que Cristo morreu por cada ser humano; dos calvinistas, porque acreditam que Cristo veio salvar e não apenas possibilitar a salvação.

Mas eu acho que o Arminianismo está mais longe do Universalismo do que o Calvinismo. Se os calvinistas continuarem insistindo que Deus ama todos os homens, essa crença leva ao Universalismo. O que é amar senão desejar o máximo bem para alguém? Já o arminiano pode se esconder atrás do "famigerado livre-arbítrio" e se manter o mais afastado do Universalismo quanto possível.

Às passagens citadas pelo Cleber eu acrescentaria Jo 3.17, que diz que "Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele". É dito que Jesus veio salvar e não possibilitar a salvação. Mas o sentido só pode ser de "possibilitar a salvação", a não ser, obviamente, para os universalistas e calvinistas. Os calvinistas ainda têm a possibilitar de limitar o "mundo" aos eleitos, mas esta suposição, mais particularmente neste versículo, é facilmente derrubada.

Ednaldo disse...

Paulo Cezar "Arminianismo", Paz.

"Se os calvinistas continuarem insistindo que Deus ama todos os homens, essa crença leva ao Universalismo."

Você poderia me mostrar, algum escrito calvinista contextualizado, é que as vezes pegam frases isoladas o que certamente não será o teu caso, que dê suporte a essa tua afirmação? Digo isso porque o que geralmente ouço, são dois tipos de calvinistas unm primeiro grupo que separa Graça Salvífica da Graça comum, sendo a primeira manifestada APENAS aos eleitos, e a segunda geral seria a chuva e o sol sobre maus e bons, sobre justos e injustos; e um segundo grupo que diz que Deus AMA apenas os eleitos, sendo as "bênçãos" dos ímpios não manifestação do amor de Deus, mas um efeito colateral do amor pelos Eleitos. Seriam os lugares escorregadios em que Deus coloca o ímpio do Salmo 73.

Quanto ao argumento de João 3:16 referir-se apenas aos eleitos ser facilmente derrubado, humm, permita-me discordar, talvez você pense assim devido aos pressupostos que carrega. mas nós vemos que o versículo é restritivo em si mesmo, ou seja o propósito do amor de Deus foi "para que TODO AQUELE que nele [Cristo] crê não pereça", até aqui creio que concordamos, a nossa discordância começa quando vamos definir quem crê. Arminianos dizem "quem quiser", calvinistas dizem "os eleitos".

Aqui equilibro as assertivas "apenas os eleitos querem", não por previsão divina, mas por determinação divina.

Cleber disse...

Ednaldo,
é óbvio que sei que os universalistas tbm defendem a expiação universal.

Mas estou mostrando que é o argumento calvinista da "salvação sempre eficaz" que torna a expiação universal em universalismo.

O arminiano diz que Deus quer salvar a todos (mas nem todos querem).
O calvinista diz que Deus salva todos que Ele quer salvar.
O universalista mistura isso e diz que todos serão salvos.

Mas claro, já sei que calvinistas jamais admitem nada.
Eu não temo em dizer que os universalistas distorcem argumentos arminianos e calvinistas.

Cleber disse...

Ed,
Jo 3.16 restringe que a salvação é eficaz apenas para quem crê. Mas isso não anula que Deus ama o mundo (= todos!) e nem que a salvaçao está disponível a todos.

Ednaldo disse...

Cleber Paz.

"Mas estou mostrando que é o argumento calvinista da "salvação sempre eficaz" que torna a expiação universal em universalismo."

Olha só, pelo que estou vendo você é que está misturando as coisas, e querendo aplicar isso a uma "suposta" aplicação do calvinismo.

A sua assertiva só faz sentido se alguém afirmar simultaneamente o calvinismo e o arminianismo, coisa que eu acho impossível, pois são excludentes.

Cleber disse...

O que eu digo é que universalistas misturam argumentos calvinistas e arminianos, mas não que eles tentam ser os dois.
Eles só pegam o que interessa.

Ednaldo disse...

Cleber, parece que peguei você online.

"Ed,
Jo 3.16 restringe que a salvação é eficaz apenas para quem crê. Mas isso não anula que Deus ama o mundo (= todos!) e nem que a salvaçao está disponível a todos."

Se você analisar o contexto do capítulo verá que o TODOS não se refere a toda humanidade sem excessão, mas a toda humanidade sem distinção entre judeus e gentios, Jesus estava conversando com Nicodemus, que pelo conhecimento que tinha das Escrituras, comparou com os sinais que Jesus fazia e viu que Ele era o Messias prometido, por isso toda aquela conversa, a qual inicia com a necessidade da regeneração, quando Cristo cita mundo, kosmos, está dizendo que o Reino não será composto apenas por Judeus, mas por pessoas de toda tribos, língua, povo e nação, Jesus com seu sangue não comprou apenas os judeus, mas todos quantos Deus elegeu.

Isso é facilmente visto na decepção dos discípulos no caminho de Emaús, na pergunta dos apóstolos em Atos 1, os Judeus pensavam que o Messias viria restaurar a glória de Israel como nação eleita, mas Jesus diz que do mundo, não apenas dos judeus, Deus elegeu pessoas para a salvação.

Devemos lembrar que eleição era normalmente aceito pelos judeus, para eles abominação era não crer em eleição. Então quando Jesus diz a Nicodemus que "Deus amou o mundo", que Ele foi "enviado não para condenar o mundo, mas para salvá-lo", Nicodemus entendeu que Deus também escolheu gentios.

Ednaldo disse...

"O que eu digo é que universalistas misturam argumentos calvinistas e arminianos, mas não que eles tentam ser os dois.
Eles só pegam o que interessa."

Nesse ponto concordamos. Mas se usados isoladamente, nem um nem outro defendem o universalismo.

Cleber disse...

"Devemos lembrar que eleição era normalmente aceito pelos judeus, para eles abominação era não crer em eleição."

Mano,
entendo sua argumentação.

Mas é preciso distinguir que os judeus não entendiam a eleição como entendemos hoje (no NT)

No AT (todos) os judeus eram os eleitos.
E eles se consideravam dessa forma.

Isso não quer dizer que todos os judeus fossem salvos.
Pelo contrário, a Bíblia relata vários judeus ímpios e idólatras.
Da mesma forma houve não-judeus salvos no AT (como Rute).

Ou seja, no AT eleição era uma coisa e salvação era outra.
Israel foi eleito para receber a revelação de Deus.
Mas a salvação era individual.
Era eleição para uma tarefa, e não para salvação.

A única exceção é o livro de Isaías (65) onde vemos a palavra "eleito" ser usada para o sentido de salvação e aplicada apenas aos fiéis dentre os judeus.

Ednaldo disse...

Cleber, isso só nos mostra que a eleição não é algo corporativo, como os judeus pensavam e como muitos de vocês pensam.

O que diz Romanos 9:6? Fala simplesmente que nem todos os que eram descendentes segundo a carne o eram segundo a fé.

De forma análoga podemos dizer que "nem todos da igreja (visível), são de fato Igreja (corpo de Cristo)."

pca disse...

Ednaldo,

É desse primeiro grupo que estava falando. Dos que separam "graça salvífica" de "graça comum". Para o nosso caso, separam "amor eletivo" de "amor geral". Dizem: Deus tem um amor geral por todos os homens e um amor eletivo pelos eleitos apenas. Pelo menos em um sentido, Deus ama todos os homens, segundo esses calvinistas, o que eu só posso concordar. No entanto, eu acredito que a noção verdadeira de "amor" fica seriamente comprometida quando esses calvinistas dizem que Deus ama todos os homens quando lhes traz bênçãos materiais (a todos) mas negam (a muitos) as bênçãos espirituais. Afinal, o que é amor? Seria amor enviar chuvas, comida e negar uma possibilidade de salvação eterna? O que é mais valioso para um ser humano caído, um pedaço de pão ou a vida eterna? Obviamente a vida eterna. Então, se Deus realmente ama todos os homens, esse amor deve incluir uma possibilidade de salvação eterna. Do contrário, esse amor não é amor coisa nenhuma.

Por isso eu disse que "se os calvinistas continuarem insistindo que Deus ama todos os homens, essa crença leva ao Universalismo". Se Deus ama todos os homens (e amar é desejar o máximo bem aos homens), e leva irresistivelmente os homens à salvação, a única resposta é que Deus salvará todos os homens.

Já o segundo grupo, que diz que Deus ama somente os eleitos, não estão sujeitos a esta inconsistência.

Quanto a Jo 3.16, o versículo não é restritivo, a não ser em um ponto. Falando da extensão da morte de Cristo, Jesus utilizou termos universais (mundo, todo aquele que). Falando da extensão dos efeitos de sua morte, Ele utilizou termos restritivos (que nele crê).

Eu falei que é fácil derrubar a suposição de que 'mundo' tem o significado de 'os eleitos' porque o versículo 17 ficaria sem sentido.

Ele ficaria assim:

"Deus enviou o seu Filho aos eleitos, não para que condenasse os eleitos mas para que os eleitos fossem salvos por ele."

Seria supérfluo dizer que Deus não enviou Jesus para condenar os eleitos. Esta seria uma frase totalmente sem propósito, inútil, pois é óbvio (nem precisava dizer) que Jesus não veio condenar aqueles que Ele escolheu para salvação!

Por isso, creio, 'mundo' não pode significar 'os eleitos'.

Ednaldo disse...

Paz Paulo Cesar,

"Eu falei que é fácil derrubar a suposição de que 'mundo' tem o significado de 'os eleitos' porque o versículo 17 ficaria sem sentido.

Ele ficaria assim:

"Deus enviou o seu Filho aos eleitos, não para que condenasse os eleitos mas para que os eleitos fossem salvos por ele."

Seria supérfluo dizer que Deus não enviou Jesus para condenar os eleitos. Esta seria uma frase totalmente sem propósito, inútil, pois é óbvio (nem precisava dizer) que Jesus não veio condenar aqueles que Ele escolheu para salvação!

Por isso, creio, 'mundo' não pode significar 'os eleitos'."

Olha só, você diz que ficaria sem sentido, mas eu não vejo assim, sabemos que os judeus quando queriam enfatizar alguma coisa repetia varias vezes, portanto bem pode ser este o caso.

Outra coisa, como eu disse antes, mundo ali se refere a homens sem distinção de nacionalidade, pois Deus tem seus eleitos em todos os povos da terra. Não se refere a SEM EXCESSÃO, mas SEM DISTINÇÃO.

pca disse...

Ednaldo,

"Outra coisa, como eu disse antes, mundo ali se refere a homens sem distinção de nacionalidade, pois Deus tem seus eleitos em todos os povos da terra".

Conheço este argumento e o considero válido sempre que apoiado pelo contexto. Quando o contexto fala sobre 'judeus e gentios' ou 'judeus e gregos', distinções muito usadas pelo apóstolo Paulo, a possibilidade é grande de que 'mundo' pode significar 'todos sem distinção'. Mas quando não há nada no contexto para apoiar esta conclusão, este argumento dificilmente pode ser encaixado. E este, creio, é o caso de Jo 3.16. Não há nada no contexto que nos leva a crer que Jesus está falando de "homens sem distinção de nacionalidade".

Abraços.

Ednaldo disse...

Paulo Cesar, a Paz.

Aconselho-te que releia mais algumas vezes (pelo menos 50) o capítulo 3 de João. Se não conseguir ver o que eu disse ali, explico depois.

Mas vou dar uma dica, procure entender o que os judeus esperavam do Messias prometido e compare com o que Jesus diz a Nicodemus.

Ednaldo.

pca disse...

Ednaldo,

Por que você não vai direto ao ponto ao invés de querer que este cego, tacanho e ignorante, que precisa de cinquenta leituras ou mais, consiga enxergar algo que ele não conseguiu enxergar durante toda a sua caminhada cristã?

Claudio disse...

Bom,
apesar de toda a pancadaria, o texto no site era sobre Mt 18.11.
Pois é, alguém falou sobre o texto grego. Chegaram a ver que o NA27 deixa-o de fora? O versículo 18.11 nem sequer consta nos papiros majoritários. Há muitas dúvidas em torno dele (Alemeida apresenta-o entre colchetes "[]"). Ele é textual realmente em Lc 19.10. Esta é a passagem sobre Zaqueu, e o v. 9: "hoje, houve salvação nesta casa, pois que também este é filho de Abraão", não deixa dúvida sobre quem é "o perdido".
Contudo, em Mt 18, ele é uma afirmação na parábola da ovelha perdida. A parábola é gêmea de outra parte de Lc: 15.3-7 (que não tem o conteúdo do Mt 18.11 especificamente). Em Lc, a ovelha perdida é uma defesa da fé, sobre a dispensação inesperada da salvação fora do aprisco de Israel, contra a pergunta indignada dos fariseus (v. 2). Já em Mt 18 a parábola é dita num contexto totalmente diferente: como ensino aos discípulos (v. 1). E, considerando-nos todos discípulos, ainda que separados por dois milênios daquele momento único diante do Senhor, Deus, em sua palavra, orienta-nos a não desprezarmos nenhum dos μικρων (mikron = "pequeninos"). E quem são os μικρων de que Jesus está falando? A julgar pela instrução dos vv. 15-17, a vontade de Deus é para irmos ao encontro do decaído - precisamente o "menor", o fraco, o abandonado... Devemos ser como o pastor do campo. MAS, diferente de Lc, em que a parábola foi dita contra os inimigos, a ênfase não está na alegria do pastor de achar a centésima ovelha. Ela está na urgência da busca.
A Bíblia é maravilhosa e dela brota um rio de água límpida para edificarmos uns aos outros. Os petardos sistemáticos-dogmáticos de arminianos e calvinistas me parecem rapidamente fecundar intrigas. Na prática, não existe exegese sem sistemática/dogmática. Mas sem retorno à Bíblia (+ exegética) a sistemática/dogmática decola em filosofia teológico-religiosa.
Recomendo todos na bênção de Jesus e espero que encontrem ânimo, graça e paz, na luz de ROMANOS 12.10, para que, como o advogado romano Marcus Félix, do séc II, o mundo testemunhe: "vede como se amam". Este é o sinal de Jesus. Assim é bom, assim é de Deus!
[]´s. Claudio.

Cleber disse...

Claudio,
concordo em evitamos filosofia teológico-religiosa.

Por isso meus argumentos baseiam-se sempre na Bíblia e não no que Armínio, Calvino ou Lutero disseram.

Cleber.